CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

À míngua

À míngua secam os ribeiros,
melodia de frescos mergulhos
de luas em fase minguante.
Abriram-se fendas misteriosas
nas rochas seculares das frágeis encostas.

À míngua secam os frutos,
paisagem de coloridos alimentos
de nómadas, ventos de liberdade.
Apareceram muros farpeados
nas terras de seus confins usurpadas.

Parecia haver um paraíso,
encantado ao toque de um dedo soporífero.

Foi-se diluindo
nas enxurradas de um destino já exangue
sem direito a Dantas e outros quejandos.

(Fugiu-me o chão onde pisava com firmeza
e a poeira colou-se como vestido…)

Pois, por míngua resta o restolho
e as espigas de milho já não ouvem
as cantigas das raparigas.
Os poemas caem como tordos,
bem se veem na calada madrugada
quando, forçada, abre a claridade.

(À míngua, morre-me o sonho, a poesia,
a criança…E até a saudade!
Sem ela, sou nada…)

Por míngua secam os sacramentos.
Mas é Natal. Suponho. Pelos ornamentos.
Dias minguados para tantas noites escuras…

OF, 18-12-2015
Obra de Natalia Tsarkova (Imagens em http://portate-mal.blogspot.pt/2015/12/a-mingua.html )

Que não seja por míngua de palavras, de gestos e de sorrisos que não construamos, em cada dia, uma fortaleza de esperança. Bem robusta, para que não se esboroe ao menor abalo. Desejo, a cada um de vós, uma ótima quadra natalícia.

Submited by

quarta-feira, dezembro 30, 2015 - 21:36

Poesia :

No votes yet

Odete Ferreira

imagem de Odete Ferreira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 15 semanas 5 dias
Membro desde: 01/11/2011
Conteúdos:
Pontos: 1918

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odete Ferreira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção E a festa veste-se em cada madrugada 0 579 04/25/2016 - 01:29 Português
Prosas/Outros No sopé da montanha 0 347 12/30/2015 - 21:42 Português
Poesia/Meditação À míngua 0 604 12/30/2015 - 21:36 Português
Poesia/Fantasia Surrealidades 0 597 12/13/2015 - 18:07 Português
Poesia/Intervenção Não invoquem o meu nome em vão 0 930 11/25/2015 - 01:18 Português
Poesia/Fantasia Surreal XXVIII 2 486 09/05/2015 - 18:00 Português
Prosas/Outros Da alma 0 336 09/01/2015 - 18:58 Português
Poesia/Intervenção Da destemperança 0 695 08/26/2015 - 00:35 Português
Poesia/Meditação E no entre-Tanto faço caminho 0 474 07/02/2015 - 22:55 Português
Poesia/Meditação E continuamos pequeninos! 0 606 06/02/2015 - 19:15 Português
Poesia/Intervenção Nem te renego nem me nego 0 558 04/25/2015 - 01:08 Português
Poesia/Dedicado Laudatória 0 409 03/24/2015 - 18:03 Português
Poesia/Dedicado És...Mulher 0 841 03/08/2015 - 17:53 Português
Poesia/Amor Vida(s) 0 653 02/14/2015 - 17:07 Português
Poesia/Amor Moras nos meus sonhos 0 815 02/13/2015 - 15:30 Português
Poesia/Dedicado Olhares 0 1.122 01/22/2015 - 00:58 Português
Prosas/Outros Do exato momento da VIragem 0 665 12/30/2014 - 13:27 Português
Poesia/Geral Semeio-me de Natal 0 818 12/22/2014 - 23:14 Português
Poesia/Meditação Beleza horizontal 0 733 12/05/2014 - 19:07 Português
Poesia/Geral Tens o milagre na mão 0 592 11/17/2014 - 01:27 Português
Poesia/Dedicado E eu seguia-te 0 546 11/08/2014 - 16:06 Português
Poesia/Soneto Resgate 0 933 11/03/2014 - 00:47 Português
Poesia/Tristeza Vazios 0 726 10/21/2014 - 15:01 Português
Poesia/Geral Versos molhados 0 561 10/08/2014 - 23:52 Português
Poesia/Fantasia Da vida extraímos sinfonia 0 739 10/02/2014 - 23:57 Português