O Bardo

- "Sentiu saudades de mim?
- Do seu dinheiro!
- Ótimo. Detesto prostitutas com sentimentos."

Filme: O Libertino
 

Quem sou eu?

As
amazonas
disputam
 minhas
cromossomas,
no cio das Aldravias.
Fábulas...
Fábulas no divã com o xamã:
Dentes tremem; dos lábios
ressequidos são proferidas
a sagrada glossolalia.
Fui dama de honra
no casamento das palavras.

Cantei cantigas,
enquanto, em ré maior,
para mim, as Valquírias
tocavam suas liras.
Sou o sangue na medula;
a costela e a clavícula.
A verdade dissoluta.
O coagulo e a fratura.
O sêmen dentro da puta.
A rameira e a frígida.

Nove manhãs embrumadas,
enforcado com colar
de runas.
Sou mão que empunha
a pluma, cujo os dedos cadavéricos
foram ungidos por coxas úmidas.
O deus obsoleto;
o gramofone e a manivela.
Os sonetos que faziam
as donzelas abrirem as pernas.

Já descobriram quem sou?

Sou o visco, que por ser
considerado inofensivo
assassinei Baldur.
Excomunguei santos
e canonizei ímpios, um por um.
Cometi erros crassos,
comemorei vitórias de Pirro.
Fui eu quem amaldiçoou
o Adão bíblico,
porque este só fitava
o próprio umbigo.

Era a coceira fantasma
no braço amputado de Tyr,
os caninos afiados e o hálito ácido de Fenrir.
O corvo mordiscando o olho baço
sacrificado por Odin,
no qual, o tapa olho não ocultava
a mácula na testa de Caim.
Filho bastardo da Súcubo.
Discípulo de Merlim.

Ainda estão em dúvida?

Sou o olhar petrificante da Medusa;
A cabeça em decomposição
de Orpheus, que a deriva,
ainda incita poesia viva.
Era os mistérios embaixo
das batinas do clero.
As cartas não seladas de Caminha.
Vidas secas, Vida e morte severina.
Era o Bacchus, dissimulado em Lusíadas,
tinha vinho no meu sangue
e um nó de tripas.
O leopardo sem pintas;
E o corrimento nas calcinhas
sedosas das rainhas.

O sátiro que deixou
verbos entalhados
por entre as nádegas do império.
O padrasto, ranzinza e velho
que tratava à mão de ferro
o folclore moderno.
A perversão em forma de cantiga,
O sadismo fantasiado de beleza,
a língua purulenta, lambendo feridas.

Apresento-me,
como Crowley e o livro da lei.
Como herói assassinado por cosplay.
Mártir perdido e frívolo,
desafiando as leis de Newton;
Com os calcanhares mordidos,
Tal como O Louco do Tarot.
Um misto de Neil Gaiman,
Grant Morrison e Alan Moore.
De espírito entorpecido, pouco
coeso, que recitava à esmo:
Ó, escritor, escreve-te
para ti mesmo!

Sou as taças,
que em brinde batem;
a máxima pronunciada por Oscar Wilde:
"Por você, eu beberia até se fosse vinagre!"
Sou simplesmente o bardo:
bafo de bile, ensandecido, riso parco.
Boêmio em bordéis baratos.
Enciclopédia revisada do pecado.
Sou a biografia não-autorizada do orgasmo:
coito, morte, vida e obra,
escritos em redondilhas tortas.

Bruno Sanctus.

Submited by

Saturday, August 3, 2013 - 00:09

Poesia :

No votes yet

Bruno Sanctus

Bruno Sanctus's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 3 years 42 weeks ago
Joined: 04/14/2013
Posts:
Points: 299

Add comment

Login to post comments

other contents of Bruno Sanctus

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Thoughts Ontogênese 1 355 05/29/2014 - 21:33 Portuguese
Poesia/Fantasy Orpheus 0 550 03/16/2014 - 04:40 Portuguese
Poesia/Dedicated Genitora 0 523 01/27/2014 - 03:06 Portuguese
Prosas/Thoughts A Máquina do Tempo 2 535 01/08/2014 - 14:58 Portuguese
Poesia/Passion Tarantismo 0 783 01/08/2014 - 14:51 Portuguese
Poesia/General Rejuvenescido 0 712 12/09/2013 - 15:59 Portuguese
Poesia/General Lembranças de Nosso Aparthaid 0 397 12/05/2013 - 15:43 Portuguese
Poesia/General Liberté 0 425 11/15/2013 - 17:14 Portuguese
Poesia/Love Endimião e Selene 0 1.669 11/15/2013 - 16:59 Portuguese
Poesia/Fantasy A Odisseia 0 561 11/15/2013 - 16:53 Portuguese
Poesia/General Persuasão 0 472 10/30/2013 - 17:50 Portuguese
Poesia/Fantasy {Σn+torp.[(-e)²:cen]-t√e²}= 2 1.006 10/30/2013 - 17:22 Portuguese
Poesia/Fantasy O Eremita 0 562 10/25/2013 - 00:59 Portuguese
Poesia/Fantasy Hiperbole 0 771 10/25/2013 - 00:45 Portuguese
Poesia/Erotic Paixões Corruptíveis 0 1.313 10/23/2013 - 00:18 Portuguese
Prosas/Tristeza Parque das Verdades 0 641 10/23/2013 - 00:09 Portuguese
Poesia/Erotic Destile-me 0 556 10/22/2013 - 23:56 Portuguese
Poesia/General Psicogonia 2 650 10/21/2013 - 18:21 Portuguese
Poesia/Sadness Decaído 0 593 10/21/2013 - 04:25 Portuguese
Poesia/Dedicated Gaia 0 483 10/21/2013 - 04:16 Portuguese
Poesia/Fantasy Libris Scripta 0 492 10/21/2013 - 04:07 Portuguese
Poesia/Fantasy Desire 0 734 10/20/2013 - 05:02 Portuguese
Prosas/Thoughts Mentiras 0 455 10/20/2013 - 04:22 Portuguese
Poesia/Disillusion FREAKenstein 0 427 10/20/2013 - 04:06 Portuguese
Poesia/Fantasy Feel 0 549 10/18/2013 - 18:11 Portuguese