TIQUETAQUEAR …

O tempo, é o chão que tenho pisado a voar,
é uma canção que tenho cantado calado.

São do tempo as tintas com as quais pinto esta sede
de repintar as andanças dos meus pés.

Tintas de frescos tons de amor,
pigmentações de quentes paixões cuja cor
se dissolve em acordados sonhos e insanas fés.

É o tempo o crivo
que me criva e crava o continuar às rectas
do caminho que o meu quociente emocional arquiteta.

É o tempo a cola que me cola os cacos do olhar.

Cacos tantos, como poeiras
que o vento do meu pensar desperta
sobre intrínsecas sombras nas minhas mãos.

Mãos cujas sinas são cactos neste deserto de solidão
onde os estrondos do meu grito escurecem a noite,
onde as palavras crepitam no silêncio.

Estas mãos outrora relógios
a tiquetaquear a hora suada de outras mãos.

Estas mãos de agarres e tactos
que um dia foram correntes de um rio
a desaguar nas marés de outros corpos.

Estas mãos de sol e lua que já foram marinheiros
ao leme desta alma que a este meu frágil
e mortal corpo se empresta.

Este corpo que o tempo petisca
e o destino arrisca sepultar.

Este corpo cujas pernas se musculam
de fogueiras e poesia.

É o tempo o caderno que tenho em branco escrito,
é o Inverno do qual me agasalho e aqueço,
é o Outono que me recicla.

É o tempo a Primavera que me faz florir as asas.
.
.
.
.

Submited by

Thursday, July 4, 2013 - 22:01

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

Henrique

Henrique's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 5 years 5 weeks ago
Joined: 03/07/2008
Posts:
Points: 34817

Add comment

Login to post comments

other contents of Henrique

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Videos/Others Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.995 06/11/2019 - 09:39 Portuguese
Poesia/Sadness TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.606 03/06/2018 - 21:51 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.217 02/28/2018 - 17:42 Portuguese
Poesia/Thoughts APALPOS INTERMITENTES 0 2.139 02/10/2015 - 22:50 Portuguese
Poesia/Aphorism AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.985 02/03/2015 - 20:08 Portuguese
Poesia/Thoughts ISENTO DE AMAR 0 4.007 02/02/2015 - 21:08 Portuguese
Poesia/Love LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.684 02/01/2015 - 22:51 Portuguese
Poesia/Thoughts PELO TEMPO 0 1.682 01/31/2015 - 21:34 Portuguese
Poesia/Thoughts DA POESIA 0 5.422 01/30/2015 - 23:06 Portuguese
Poesia/Thoughts DO AMOR 0 1.828 01/30/2015 - 21:48 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SENTIMENTO 0 2.249 01/29/2015 - 22:55 Portuguese
Poesia/Thoughts DO PENSAMENTO 0 2.362 01/29/2015 - 19:53 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SONHO 0 1.628 01/29/2015 - 01:04 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SILÊNCIO 0 2.820 01/29/2015 - 00:36 Portuguese
Poesia/Thoughts DA CALMA 0 2.160 01/28/2015 - 21:27 Portuguese
Poesia/Thoughts REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.870 01/27/2015 - 22:48 Portuguese
Poesia/Thoughts MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.743 01/27/2015 - 16:59 Portuguese
Poesia/Aphorism NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.749 01/26/2015 - 20:44 Portuguese
Poesia/Thoughts SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.917 01/25/2015 - 22:36 Portuguese
Poesia/Thoughts MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.558 01/22/2015 - 22:32 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.463 01/21/2015 - 18:00 Portuguese
Poesia/Thoughts PALAVRAS À LUPA 0 2.388 01/20/2015 - 19:38 Portuguese
Poesia/Thoughts MADRESSILVA 0 1.425 01/19/2015 - 21:07 Portuguese
Poesia/Thoughts NA SOLIDÃO 0 1.752 01/17/2015 - 23:32 Portuguese
Poesia/Thoughts LÁPIS DE SER 0 1.659 01/16/2015 - 20:47 Portuguese