Mesmo que ninguém me leia.

Quero escrever,
Mesmo que ninguém me leia,
Mas eu quero e preciso escrever.

Quero dar asas a pensamentos
E sentimentos que me invadem por completo.
Quero que as palavras saiam
De minha alma e alcem rumo
Ao voo da liberdade,
Quero a paz das palavras
Escritas com verdade.

Quero que madrugadas em claro
Virem poesias,
Quero que a alma de um poeta
Seja valorizada algum dia.
Quero poetizar tudo,
Inclusive as utopias.

Sonhos improváveis escreverei,
Situações inimagináveis descreverei,
Serei eu o poeta das aventuras e desventuras,
Mesmo que ninguém me leia,
Ainda assim, serei eu.

Ser lido não me faz poeta,
Dar vida as palavras
Que inquietantemente imploram
Por fuga, sim.

Submited by

Lunes, Julio 19, 2010 - 07:48

Poesia :

Sin votos aún

Brunorico

Imagen de Brunorico
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 4 años 13 semanas
Integró: 03/05/2009
Posts:
Points: 528

Comentarios

Imagen de CostaDaSilva

Re: Mesmo que ninguém me leia.

inicialmente, o silencio e uma folha em branco que reclama a alma do poeta e um momento que se sobrepõe à plateia. depois, a união das palavras que se impõem com o sentimento. por fim o poema que vive e permanecerá no tempo.

abraço

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Brunorico

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Fotos/Perfil 1025 0 1.078 11/24/2010 - 00:37 Portuguese
Poesia/Desilusión Sonhos envelhecidos. 0 703 11/18/2010 - 16:27 Portuguese
Poesia/Pensamientos Cá entre nós. 0 702 11/18/2010 - 16:17 Portuguese
Poesia/General Vidas orquestradas. 0 586 11/18/2010 - 16:01 Portuguese
Poesia/General O saudosista 0 672 11/17/2010 - 23:41 Portuguese
Poesia/General Misantropo até a morte 0 726 11/17/2010 - 23:39 Portuguese
Poesia/General Medo de acordar. 0 583 11/17/2010 - 23:39 Portuguese
Poesia/Meditación Sapiência infantil. 0 521 11/17/2010 - 23:21 Portuguese
Poesia/Meditación Conselhos de um eremita. 0 826 11/17/2010 - 23:20 Portuguese
Poesia/Meditación Um morto perdido no tempo. 2 655 09/01/2010 - 01:45 Portuguese
Poesia/Meditación A bagagem da maturidade. 1 694 08/14/2010 - 11:03 Portuguese
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 774 08/12/2010 - 18:14 Portuguese
Poesia/Fantasía Sonho efêmero. 3 852 08/05/2010 - 01:29 Portuguese
Poesia/General Mesmo que ninguém me leia. 1 862 07/19/2010 - 16:22 Portuguese
Poesia/Desilusión Sinuca. 1 574 07/02/2010 - 15:12 Portuguese
Poesia/Desilusión Dónde estás la revolución? 1 550 06/21/2010 - 22:37 Portuguese
Poesia/General Subsistência. 2 665 06/11/2010 - 04:47 Portuguese
Poesia/Desilusión Onde estão as flores? 1 561 06/07/2010 - 21:31 Portuguese
Poesia/Meditación Medíocres virtuosos. 0 636 05/29/2010 - 18:47 Portuguese
Poesia/Meditación Palavras vazias. 2 681 05/16/2010 - 19:25 Portuguese
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 526 05/16/2010 - 19:21 Portuguese
Poesia/Meditación Esboço poético desvairado. 1 647 05/14/2010 - 21:38 Portuguese
Poesia/Dedicada Apolínea. 0 576 05/10/2010 - 01:57 Portuguese
Poesia/General Insanidade visceral. 1 640 05/05/2010 - 23:08 Portuguese
Poesia/Meditación Preciso dizer que... 1 516 04/26/2010 - 03:06 Portuguese