O Julgamento

Um dia, pela manhã: Olhou o espelho e observou o seu rosto:
- Esta é a minha imagem; a imagem do meu rosto ...
- Exclamou Anónimo,um rosto igual a todos os outros rostos; todas as manhãs se olham através do espelho; um rosto que se prepara, igual a qualquer outro rosto, que se prepare para o julgamento do Mundo.
- Será que preparo a imagem reflectida no espelho, para ser julgada? ... Ou, será que olho no espelho para julgar o julgamento, que, julgo; o Mundo julgar? ... ou será que não existe julgamento que julgue o sêr; além, pela glória, ou, aparência que o rosto lhe quer dar!? ... Esta não é a minha imagem; a minha aparência, esta é a imagem do meu rosto! ... O meu rosto... A imagem exterior que preparo para ser julgada por um Mundo cego; que, preparo para os olhos enganar.
- Concluiu Anónimo, que, a imagem reflectida no espelho era a cumplicidade do próprio espelho e que juntos conspiravam a si próprio com o simples prosaico de os seus olhos enganar; Anónimo sabia... Anónimo tinha a certeza de que a sua aparência, através da sua imagem: Queria trabalhar. Então olhava o espelho e via o que os olhos lhe queriam mostrar; depois, Anónimo desaparecia por completo, deixando apenas os seus olhos a julgar o julgamento que só ele próprio queria julgar e, não julgava o injusto da aparência que o Mundo pudesse julgar, mas sim o justo que não se justificava com um simples olhar... Não...
Não; não que: Tinha que espreitar bem fundo; então: Encheu os olhos com o reflexo, reflectidos no fundo do espelho e viu a vizinha apaixonada por ele:
- Não pode ser?! ... Como é que eu olho para mim e consigo ver outros?
-Exclamou Anónimo, bastante intrigado; sabia que o espelho o queria enganar e quanto mais se envaidecia mais enganado ficava. Começou a imaginar o Mundo inteiro assim: Enganado pelos olhos; dava-se-lhe a entender que a mentira saia de casa todos os dias, trajando o engano, com o gosto que julgou no espelho justificado no sorriso de um esgar.
- (O segredo está no coração dos Homens; o que os deixa apavorados, amedrontados... Então o contemplar do espelho, que lhes mostre o engano que vai enganar; e, sente-se contente: Quando se engana a si próprio; maquinando o enjenho, ensaiado de fronte ao espelho).
- Pausadamente, apagou a vida, dentro do túmulo e saiu: Para julgar o julgamento nos olhos do Mundo:
- As árvores enfortaleciam e davam as suas sementes há terra, como pagamento do tributo da sua própria vida... As sementes germinavam, atirando-se de encontro ao sol; com o intúito apontado ao alto: Ao céu; como finalidade do seu caminho. Talves que no céu se encontrasse a disponibilidade que guia os seres a caminharem para debaixo da terra... Para debaixo dos pés dos seus frutos... Talves que a terra désse frutos amargos e doces e esses frutos servissem para alimentar a vida e não a cobiça...
- Talves que o Mundo enterre seus mortos para encorajar seus frutos a alimentarem novos frutos; para consumo do tempo, provisionando a terra; que, assim: Eclode com vida; talves que o mundo esteja ocupado a olhar; a saborear a vaidade em frente há outra face do espelho; usurpando-se de si próprio sem se aperceber que, o que o espelho lhe reflecte é apenas o papel que que embrulha o presente... Talves que o Mundo esteja na verdade cego e que apenas veja por instinto, apenas aquilo que quer ver: O próprio umbigo... Talves, então, porque tem fome e o espelho lhe mostre o pó que a terra vai comer.

----------------------Fim-------------------

Submited by

Martes, Mayo 4, 2010 - 19:47

Prosas :

Sin votos aún

antonioduarte

Imagen de antonioduarte
Desconectado
Título: Moderador Poesia
Last seen: Hace 11 semanas 6 días
Integró: 01/09/2010
Posts:
Points: 2570

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of antonioduarte

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Soneto “Cheguei Tardio” 4 1.139 03/15/2018 - 11:17 Portuguese
Poesia/Poetrix “Quadra a ti” Acto 7º 1 755 06/13/2014 - 23:54 Portuguese
Poesia/Soneto “Delicado” 3 988 12/04/2013 - 22:15 Portuguese
Prosas/Lembranças “Tornado Pedra” 0 1.250 11/07/2013 - 02:30 Portuguese
Poesia/Soneto “Terra” 0 1.774 11/07/2013 - 02:02 Portuguese
Poesia/Soneto “Milagre de Flores” 0 713 04/03/2013 - 03:00 Portuguese
Poesia/Haiku Quadra a ti” Acto 5º 0 1.633 03/22/2013 - 05:17 Portuguese
Poesia/Soneto “Ecos Distantes” 0 1.170 02/22/2013 - 01:16 Portuguese
Poesia/Soneto “Tantos… Tantos” 0 866 01/10/2013 - 04:34 Portuguese
Poesia/Haiku “Quadra a ti” - ( Ato 6º ) 0 764 10/24/2012 - 15:11 Portuguese
Poesia/Haiku "Quadra a ti: ( Géneros Distraídos) 0 1.365 10/24/2012 - 14:56 Portuguese
Poesia/Amor “Numa lembrança de ti” 2 909 10/23/2012 - 16:35 Portuguese
Prosas/Pensamientos "Sobra de Mim" 0 1.271 10/22/2012 - 23:21 Portuguese
Poesia/Soneto “De Mim, Fundo No Olhar” 0 1.044 10/18/2012 - 23:47 Portuguese
Poesia/Soneto “Porte Belo” 0 690 10/07/2012 - 13:09 Portuguese
Poesia/Soneto “Míopes” 0 695 10/04/2012 - 21:55 Portuguese
Poesia/Soneto “Perto do Céu” 4 1.397 10/03/2012 - 23:52 Portuguese
Poesia/Archivo de textos “Quando estás longe de mim” 2 1.065 10/03/2012 - 23:35 Portuguese
Poesia/Soneto Ao despertar 0 1.937 10/03/2012 - 23:22 Portuguese
Poesia/Soneto “Na Praia” 0 931 09/30/2012 - 11:53 Portuguese
Poesia/Soneto "Caminho de Parecer" 1 1.643 09/27/2012 - 16:37 Portuguese
Poesia/Meditación “Do céu ao mar” 1 1.163 09/16/2012 - 18:06 Portuguese
Poesia/Archivo de textos Versão destrocida: "Numa Lembrança de ti" 0 1.661 09/12/2012 - 11:58 Portuguese
Poesia/Archivo de textos “Estrela Proibida” 0 900 09/09/2012 - 22:04 Portuguese
Poesia/Pensamientos “Teu rosto foi o primeiro” 0 1.361 08/04/2012 - 02:02 Portuguese