A crença

Ponto de partida na contrapartida da veraz mão que nos toca
A existência da vida de cotovelos e braços de força.
Somos o que não somos, por isso queremos o que pensamos
Que não podemos e conseguimos o que não alcançamos.
Crer é ver sem ver, ouvir sem ouvir, acreditar com total crença,
Por isso nossa cama de deleite é a existência divina.

Se algo pode tirar dor e conduzir-nos por desconhecidos penhascos de vidas,
O antidivino arranha no peito da alegria até abrir gangrenas de tristezas
Edificadas no alicerce da temida demonologia.

Dicotômica crença enraizada na terra fértil de nossas mentes.

Quais livros ou manuscritos enfrentaram riachos de anos?
Em quais águas estão as coragens de quem quer libertar-se?
Por que acreditar e por que não acreditar?
Soltem as amarras ou se não arrebentarei com tudo
Para golpear o domínio invisível de fantasmas praxes.

“Saber” é crer, crer é saber o que é mais fácil “sentir”
No exânime andar de causas livres concedidas pelo mérito de quem vive.

Duvido de mim e de todos
Porque sei e todos sabem...
Mas realmente sabemos o que todos sabem?
Sabemos, logo vivemos?
Então não estamos vivos, estamos atordoados pela embriaguez impura desta sabedoria
Que diz-se relacionar-se com a existência da humanidade
Que mais do que nunca ainda não existe e nunca existiu.

Submited by

Miércoles, Diciembre 16, 2009 - 22:40

Ministério da Poesia :

Sin votos aún

FranciscoEspurio

Imagen de FranciscoEspurio
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 9 años 27 semanas
Integró: 11/08/2009
Posts:
Points: 450

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of FranciscoEspurio

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Fotos/Perfil 2085 0 1.194 11/24/2010 - 00:45 Portuguese
Ministério da Poesia/General Tentativas inúteis na sacada 0 579 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Odisséia 0 803 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.605 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O viço dos seios 0 934 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención A pele iraquiana 0 1.023 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O revés 0 740 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O guardião 0 750 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O Demônio Interior 0 700 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Morte ao amanhecer 0 687 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Death to be born wise 0 705 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada O texto de um pai 0 1.328 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Fantasía Ninfas 0 983 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Atado ao Umbigo 0 625 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención Pentáculo 0 815 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada Jean Baptiste Grenouille 0 1.207 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O estocástico 0 516 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Sido Ser 0 768 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Grão latente 0 1.607 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O salto das horas 0 907 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Segure minhas mãos 0 832 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención Decepção da obra e do poder 0 826 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O ensejo da soma 0 857 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Perdição 0 655 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 671 11/19/2010 - 19:10 Portuguese