Ninfas

Voltemos ao velho mundo na bagagem
Nostálgica da Mitologia Greco-Romana,
Ouçamos o som que das flautas surgem
Dos Sátiros deitados na vinha insana.

Seres rústicos, de nariz arrebitado e chato,
Maliciosos e petulantes com pés e pernas
De bode na personificação do homem nato
Em sua má paixão de diferentes esferas.

Apavorados diante de tal bestialidade,
Os pastores ofereciam-lhes sacrifícios.
Mas saciavam-se somente com beldades,
Com ninfas dos bosques em seus vícios.

Eis que surge a relação de amor e ódio
Quando ninfas com seus rostos de poder
Atraem aqueles que embriagados pelo ócio
Querem luxúria no pecado do prazer.

Serenidade, altivez e irresistível charme,
Estas criaturas das florestas e dos campos
Atraem o sátiro que tão burro e tão inerme
Cai na cilada de seus maliciosos encantos.

Este ser metade bode, metade homem
Tem medo de água. Sendo atraído pelos olhares
Lúdicos, viciosos e perversos do hímen
Das ninfas suplicando por apelos salutares.

Belos corpos nus surgem do nada
Para arrastarem esta criatura para o lago.
Sem forças cai perante tal manada
E vergonhoso chora lágrimas de pélago.

De volta aos quentes tempos modernos
Vemos as ninfas andando pelas ruas
Com perfumes, esmaltes, roupas e saltos.
Tudo fica fácil quando mostram suas peles nuas.

Por outro lado os homens são sátiros
Que estúpidos pelos seus brutais
Instintos sexuais amargam em delírios
Das deliciosas mulheres-ninfas carnais.

Submited by

Miércoles, Diciembre 16, 2009 - 23:45

Ministério da Poesia :

Sin votos aún

FranciscoEspurio

Imagen de FranciscoEspurio
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 10 años 37 semanas
Integró: 11/08/2009
Posts:
Points: 450

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of FranciscoEspurio

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Fotos/Perfil 2085 0 1.352 11/24/2010 - 00:45 Portuguese
Ministério da Poesia/General Tentativas inúteis na sacada 0 1.135 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Odisséia 0 1.300 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.902 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O viço dos seios 0 1.472 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención A pele iraquiana 0 1.369 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O revés 0 1.116 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O guardião 0 1.084 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O Demônio Interior 0 982 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Morte ao amanhecer 0 1.200 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Death to be born wise 0 1.217 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada O texto de um pai 0 1.682 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Fantasía Ninfas 0 1.468 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Atado ao Umbigo 0 1.218 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención Pentáculo 0 1.317 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada Jean Baptiste Grenouille 0 1.601 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O estocástico 0 976 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Sido Ser 0 1.036 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Grão latente 0 2.083 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O salto das horas 0 1.338 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Segure minhas mãos 0 1.221 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Intervención Decepção da obra e do poder 0 1.131 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General O ensejo da soma 0 1.234 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/General Perdição 0 1.142 11/19/2010 - 19:10 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 1.027 11/19/2010 - 19:10 Portuguese