CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Até amanhã.

Não tenho outra alegria em mim,
ou por mim que seja,
que careça da necessidade de te sentir assim.
Não tenho outro alguém, que me dê calor, que me sorria,
que me cante ao ouvido, me dê vontade ou alegria.
Não há mais ninguém que faça sentido.
Que me traga, que me leve, que me pinte que me escreve,
que me doa e morra, no meu morrer de cada dia.
Não existe mais ninguém que assim se perderia.

Perdi eu em tempos a vontade do meu viver,
vagueei por um negro e fundo horizonte,
e ninguém mais, (senão tu), me lançou uma escada,
uma estrada, um caminho, uma ponte.
E assim fechei-me, fechei-me…
fiquei mudo e surdo e inerte e deixei de ver,
e nessa tristeza velada, levei os meus dias,
nessa cruzada me ia afogando no poço da demência,
onde rostos amargos e vozes de desespero,
habitavam e me assombravam sem clemência.

Mas por isto tudo, nada digas, não digas nada,
quando fores velha comida pela vida,
irás tomar este poema nas tuas mãos,
e sonharás, com seu doce versejar,
nesse silêncio, de mim te irás lembrar,
e de todo o passado que viveste até aqui chegar.
Pois um homem apenas amou tua alma peregrina,
e lambeu o sal do teu rosto sulcado de lágrimas,

Mas não, não digas nada, não digas,
deixa estar.
Não percas palavras pela vontade de as dizer,
vontade delicada, trémula, quase vã,
Não digas.
Não digas,
que eu meu amor, que eu,
nunca te digo adeus, apenas até amanhã!

 

Casimiro Teixeira

Submited by

sexta-feira, janeiro 13, 2012 - 11:08

Ministério da Poesia :

No votes yet

neomiro

imagem de neomiro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 14 semanas
Membro desde: 02/13/2011
Conteúdos:
Pontos: 550

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of neomiro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Dedicado O Discurso do Corvo 0 719 04/26/2012 - 23:58 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Medo! 0 749 02/21/2012 - 13:36 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Tenho-te? 0 849 02/09/2012 - 12:36 Português
Ministério da Poesia/Meditação Monólogo 0 518 01/26/2012 - 14:29 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Procuro outro tempo 0 530 01/26/2012 - 14:26 Português
Ministério da Poesia/Paixão É uma dor que nasce aí. 0 1.104 01/13/2012 - 11:17 Português
Ministério da Poesia/Aforismo As mãos. 0 671 01/13/2012 - 11:14 Português
Ministério da Poesia/Amor Longe 0 607 01/13/2012 - 11:12 Português
Ministério da Poesia/Canção Até amanhã. 0 578 01/13/2012 - 11:08 Português
Ministério da Poesia/Gótico A Porta 0 697 01/13/2012 - 11:07 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Revolta cá dentro 0 649 01/13/2012 - 11:06 Português
Ministério da Poesia/Alegria Gratidão 0 598 01/13/2012 - 11:04 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Esta terra, este Mar. 0 616 01/13/2012 - 11:02 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Por ti. 0 860 01/13/2012 - 11:01 Português
Ministério da Poesia/Canção Um poema sem demora 0 689 01/13/2012 - 10:56 Português
Ministério da Poesia/Meditação O Profundo interior. 0 502 01/13/2012 - 10:49 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Alma doente 0 605 01/13/2012 - 10:45 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Não seremos mais amantes. 0 605 01/13/2012 - 10:42 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Mar triste, meu amor. 0 959 01/06/2012 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Vazio. 0 596 01/06/2012 - 15:40 Português
Ministério da Poesia/Amor Um quase nada. 0 566 01/06/2012 - 15:33 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Farto! 0 556 01/06/2012 - 15:25 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Desalento 0 623 01/06/2012 - 15:20 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Loucura Memorável 0 503 01/06/2012 - 15:19 Português
Ministério da Poesia/Amor Preciso de ti. 0 908 01/06/2012 - 15:17 Português