CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Au revoir! - Bernardo Almeida

Au revoir!

A saudade soletra o seu nome em meu ouvido
Lembrando-me de palavras que preferiria ter esquecido
Mas sou exageradamente atrevido, fraco, louco e franco para suportar a sua falta
E renuncio à vontade no intento de prender ao meu corpo
Um pedaço do seu vale, repleto de minérios incandescentes e preciosos
Excerto supremo de experiências carnalmente desejáveis e possíveis
Talvez essas doces palavras não passem de um jogo
Tempo perdido, luz apagada, olho mudo ou vida em coma
Uma mentira que seduz e engana pela última vez
Traduzindo este estrangeiro idioma para a língua do meu desespero
Sem reduzi-lo às visões lingüísticas das olheiras e lágrimas
Que enfeitam rostos perfeitos e borram tintas de rosto, máscaras perfídias
Transformando tudo em uma mistura lamacenta de rosas negras
Como um manto que aquece e entristece os sorrisos mais esperançosos
Não! Esqueça-me na mesma proporção em que me destruo
Porque apesar de saber que o amanhã é um olhar perdido
Vejo seu nome riscado em minha pele com tinta e desgosto
Fazendo sangrar o desgaste, o distúrbio, a derrota e a decepção
Sem render-me, contemplo o amargo do seu amor
E inicio a minha despedida repentina
Sinalizada com uma breve e ansiosa contagem regressiva

Bernardo Almeida

Submited by

segunda-feira, fevereiro 28, 2011 - 02:27

Poesia :

No votes yet

Bernardo Almeida

imagem de Bernardo Almeida
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 10 semanas
Membro desde: 02/08/2011
Conteúdos:
Pontos: 336

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Bernardo Almeida

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Canção Canção para ninar crocodilo 1 673 02/16/2011 - 17:14 Português
Poesia/Pensamentos Palavra - Bernardo Almeida 0 438 02/28/2011 - 01:26 Português
Poesia/Pensamentos Crença e aparência 0 221 02/28/2011 - 01:27 Português
Poesia/Amor Bilheteria 0 260 02/28/2011 - 01:28 Português
Poesia/Intervenção Augusta 0 317 02/28/2011 - 01:33 Português
Poesia/Amor Prescindível 0 311 02/28/2011 - 01:34 Português
Poesia/Amor Pagão 0 249 02/28/2011 - 01:35 Português
Poesia/Amor Devoção - Bernardo Almeida 0 327 02/28/2011 - 01:36 Português
Poesia/Pensamentos Carne, osso e memórias - Bernardo Almeida 0 318 02/28/2011 - 01:36 Português
Poesia/Alegria De braços dados 0 335 02/28/2011 - 01:38 Português
Poesia/Pensamentos Geração exonerada 0 329 02/28/2011 - 01:39 Português
Poesia/Meditação Anônimo 0 287 02/28/2011 - 01:40 Português
Poesia/Dedicado Deveras, homem! 0 220 02/28/2011 - 01:41 Português
Poesia/Amor Aventura idílica 0 229 02/28/2011 - 01:43 Português
Poesia/Amor À venda 0 297 02/28/2011 - 01:44 Português
Poesia/Pensamentos Novo de novo 0 254 02/28/2011 - 01:44 Português
Poesia/Intervenção Condenação sócio-laboral 0 348 02/28/2011 - 01:45 Português
Poesia/Pensamentos O brinde da moeda humana 0 209 02/28/2011 - 01:46 Português
Poesia/Fantasia Atemporal 0 268 02/28/2011 - 01:46 Português
Poesia/Amor Retorno 0 308 02/28/2011 - 01:47 Português
Poesia/Pensamentos Leito 0 263 02/28/2011 - 01:47 Português
Poesia/Alegria Vale-vida 0 268 02/28/2011 - 01:53 Português
Poesia/Meditação Deuses e demônios 0 248 02/28/2011 - 01:54 Português
Poesia/Meditação Morfina 1 460 02/28/2011 - 01:56 Português
Poesia/Pensamentos Molho requentado 0 365 02/28/2011 - 01:57 Português