CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Bêbado

Talvez seja mesmo assim...
Suficientemente simples
Simples o suficiente para confundir.

Talvez por isso não a tomamos em sua pura forma
Ela que nos toma, nos digere e nos expele de volta.
Talvez por isso mesmo existe as drogas, o ócio, o ópio
Cerebral lavagem, falsa propaganda, cannabis sativa
Álcool, comprimidos, injeções de anestesia...

Por isso já não quero explicar droga nenhuma
Apenas me dê logo um trago de coisa alguma!
Alguma coisa, qualquer verso, versão, história,
Serve qualquer mentira, paródia!
Não discuta minha aflição orgânica!
Ora! Eu quero isso!
Apenas me dê!!
Eu preciso agora!!

Sempre buscando aquela imagem de outrora
Aquela mancha turva que se aproxima do ideal
Preciso vê-la, senti-la, pegá-la,
cegar, como quem nada olha
Pois é minha e apenas minha esta ilusão de ótica
A que melhor se encaixa nesta vida caótica.

Então não me mostre como ela é
Pois ninguém sabe explicar, dizer
Seja ela assim como eu a vejo
Solitária, particular e egoísta!

Tudo se arruma perante meus olhos torpes!
A vida segue seu rumo, fora do meu prumo
Insensivelmente serena, inconstante e fria...
Minha sim! (Faço de conta que sim... E daí?)
Meu é tudo aquilo que faço e disfarço dela.
Certeza só tenho das mentiras que acredito
Verdade é a realidade fantástica que invento

________________________
Outras bebedeiras em

http://carlinhoscavalcanti.blogspot.com.br/

abraço a todos

Submited by

sexta-feira, julho 22, 2011 - 00:33

Poesia :

No votes yet

carlfilho

imagem de carlfilho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 32 semanas
Membro desde: 05/25/2009
Conteúdos:
Pontos: 519

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of carlfilho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Anticorpo 0 607 09/18/2014 - 19:09 Português
Poesia/Geral Deixa 0 634 01/30/2014 - 21:10 Português
Poesia/Tristeza A Morte do Meu Sorriso 0 718 09/12/2013 - 21:13 Português
Poesia/Geral O Número 1 393 03/15/2013 - 18:48 Português
Poesia/Geral Os animais 3 803 03/15/2013 - 18:39 Português
Poesia/Geral Parceria Eterna 2 1.207 11/27/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Boa Noite 4 1.098 11/27/2012 - 17:56 Português
Poesia/Tristeza Caixeiro Viajante 1 876 11/26/2012 - 21:41 Português
Poesia/Tristeza Coração Notívago 2 1.006 11/26/2012 - 21:26 Português
Poesia/Geral Pulvi es (et pulverem reverteris) 2 1.367 11/23/2012 - 23:29 Português
Poesia/Geral A Idéia Assombra 1 970 11/23/2012 - 16:57 Português
Poesia/Fantasia O Misantropo 3 1.272 11/23/2012 - 16:45 Português
Poesia/Geral Isto Posto 4 746 11/21/2012 - 20:23 Português
Poesia/Paixão Desarme 1 566 11/21/2012 - 19:39 Português
Poesia/Geral Estranho Decorrer 1 757 11/20/2012 - 23:08 Português
Poesia/Amor Meu Amor Imaginário 1 677 04/20/2012 - 19:22 Português
Poesia/Soneto Soneto do Rei Álacre 0 780 01/11/2012 - 17:20 Português
Poesia/Meditação Faz toda a diferença 0 707 01/10/2012 - 16:00 Português
Poesia/Meditação Gosto Daqui... 1 628 12/16/2011 - 03:13 Português
Poesia/Amizade Adenium 0 755 12/15/2011 - 14:36 Português
Poesia/Fantasia O Tédio 0 692 12/09/2011 - 14:33 Português
Poesia/Fantasia Devida Verve 0 684 12/07/2011 - 14:16 Português
Poesia/Tristeza Asfalto 1 942 11/28/2011 - 20:47 Português
Poesia/Tristeza Punhais 0 689 11/28/2011 - 17:57 Português
Poesia/Fantasia Idas 0 1.008 11/08/2011 - 21:55 Português