CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Canção de Budapeste

 
Seria preciso cantar-te,
mas secaram as tintas e os versos.
Secaram, em farpados arames,
que mais te aprisionam
que abraçam.

Seco, ficou, o desejo de falar de tuas Csárdás,
pois já não se ouve os acordes de Liszt,
silenciados pelas bombas da intolerância
e pelo urro dos tristes ogros das fronteiras.

Talvez, nalgum tempo de outros amanhãs,
outros Cantos cantem a verde beleza
que te fez amada pelo Mundo.

Mas não agora,
pois patéticos fantasmas inumanos
acusam-te com a sombra da impiedade.

Produção e divulgação de Vera L. M. Teragosa.
Lettre la Art et la Culture
Enviado por Lettre la Art et la Culture em 18/09/2015

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.fabiorenatovillela.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Submited by

sexta-feira, setembro 18, 2015 - 15:13

Poesia :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 5 anos 44 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostasícone de ordenação Views Last Post Língua
Prosas/Outros Arne NAESS - Filósofos Modernos e Contemporâneos 0 1.906 06/27/2012 - 12:32 Português
Poesia/Fantasia Rex Tirano Candidato 0 1.543 09/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Outros Filosofia Moderna e Contemporânea - ORTEGA y GASSET, José - o Livre-Arbítrio - Eu sou eu e as minhas circunstâncias. 0 2.082 05/22/2012 - 23:25 Português
Poesia/Amor Laços e Fitas 0 1.231 05/16/2013 - 20:28 Português
Poesia/Geral 21 de Brasil 0 1.081 04/21/2013 - 16:14 Português
Poesia/Dedicado Lusos Poetas 0 1.406 11/17/2010 - 23:42 Português
Poesia/Geral Por quem 0 1.863 11/17/2010 - 23:42 Português
Poesia/Amor Ceia 0 1.854 11/17/2010 - 23:43 Português
Poesia/Geral Escritas 0 1.683 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Soneto Soneto Leve 0 2.464 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Amor Brilho 0 2.601 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Amor O Tarô e o Amor 0 1.037 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Geral Que 0 2.836 07/23/2009 - 21:35 Português
Poesia/Tristeza Febre 0 2.131 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Faça-se 0 4.759 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Canário 0 952 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Indigências 0 1.246 11/17/2010 - 23:51 Português
Poesia/Tristeza Hotéis 0 1.928 11/17/2010 - 23:53 Português
Poesia/Aforismo Cultivar 0 1.705 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Tristeza Morfina 0 1.493 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Amor Corpos 0 1.226 08/27/2009 - 05:15 Português
Poesia/Geral Intervalo e Avenida 0 888 05/30/2013 - 16:56 Português
Poesia/Geral O Sol e a Sereia 0 1.498 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Geral Cultura de Almanaque 0 1.704 11/17/2010 - 23:58 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Idealismo Alemão - O Suicidio - Parte VIII 0 2.082 06/30/2014 - 21:53 Português