CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

CARDUME LETÁRGICO

Saudades
são rectas de ecos ocos
no firmamento de findas luzes.

Ais iluminam árvores de infinito,
inquieto.

Solidões,
pessoas alvo,
passos a salvo descalços.

Calçadas sem rasto
calçam paredes com suspiros
de socorro em ciladas lunares.

Passeios calados,
calcados por alcatrão sujo
nos semáforos intermitentes da alma
lavam de vazios repetentes o corpo,
quebrantado.

Cartazes,
pavões audazes abrem asas
aos ruídos de salto alto embriagados
em valetas de sexo,
letárgico.

Ventos,
perfumes indolores seduzem sem ónus.

Sinistro pensamento sem volante,
volátil mente.

Rumos,
cardápios em branco,
serenos cardumes desocupados.

Passerelles,
emoções enrugam corpos,
bustos murmurantes em pernas andantes,
ao acaso.

Madrugadas mártires
das canções de saciedade.

Fêmeas esquecidas,
cerco de machos inaptos.

Amores de circo sem plateia,
sem veia poética nem candeia
no túnel que nos conta a vida.

Paragens,
sentença de almas poluídas
pelas noites adormecidas em palavras,
ditadas lixo.

Uivos,
cios sem bengala,
camas frias sem amantes,
algazarra de quenturas defuntas.

Cigarros,
olhares distanciados,
catarros à boleia do grito tosse
que chicoteia a consciência.

Saracoteado archote
ao fundo destravado num copo coxo
ao sentir quanto roxo somos.

Submited by

quarta-feira, julho 7, 2010 - 00:05

Poesia :

No votes yet

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 51 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.754 06/11/2019 - 08:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.527 03/06/2018 - 20:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.146 02/28/2018 - 16:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.069 02/10/2015 - 21:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.927 02/03/2015 - 19:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 3.927 02/02/2015 - 20:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.603 02/01/2015 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.644 01/31/2015 - 20:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.256 01/30/2015 - 22:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.790 01/30/2015 - 20:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.131 01/29/2015 - 21:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.306 01/29/2015 - 18:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.586 01/29/2015 - 00:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.727 01/28/2015 - 23:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 1.994 01/28/2015 - 20:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.822 01/27/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.640 01/27/2015 - 15:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.621 01/26/2015 - 19:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.801 01/25/2015 - 21:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.519 01/22/2015 - 21:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.401 01/21/2015 - 17:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.342 01/20/2015 - 18:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.390 01/19/2015 - 20:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.706 01/17/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.585 01/16/2015 - 19:47 Português