CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Casa dos Espelhos

Alice passeava
No seu jardim,
Alegre, divertida;
Sentia-se bem, confortada
Protegida.

Todos os dias percorria o mesmo caminho;
Conhecia-o como ninguém.
Vivia numa redoma de vidro.
Intocada e intocável, só conhecia o Bem.

Um dia, no entanto,
Desviou-se da rota habitual;
Correndo atrás de uma linda borboleta
Foi ter a um nunca antes explorado matagal.

Perdida e desorientada
Procurou uma luz, uma saída,
Mas quanto mais a procurava
Mais embrenhada no tenebroso bosque ela ficava.

Então, caiu num buraco fundo,
Escuro, impuro, imundo;
Era exatamente o oposto do seu mundo.
Era o buraco da amargura, do desgosto profundo.

Esse buraco fez-lhe experimentar
Sensações que nunca imaginara sentir.
Caía desamparada mas lutava para voltar
Até a exaustão a fazer desistir.

Chegou então finalmente ao fundo do poço.
Bateu com força no chão daquele fosso.
Atordoada e assustada,
Alice ali estava, só, prostrada.

Afinal havia vida naquele estranho lugar.
Teve então dúvidas se estava a viver ou a sonhar.
Ergueu-se e começou a explorar
Aquele novo mundo que não era nada de encantar.

Encontrava-se numa casa de espelhos
De forma circunferencial
E viu o seu ser refletido.
Subitamente, todos os seus sentimentos negativos
Surgiram em espiral.
Num dos espelhos via-se feia,
Noutro, gorda, uma baleia.
Noutro ainda má, horrível,
Uma fera temível.

Indignada e intrigada com o que via,
Alice indagava-se da sua veracidade
E onde tinha ido parar a sua felicidade.
Nada lhe fazia sentido e sentia-se vazia.

Tentou escapar daquele tormento,
Era tudo demasiado violento.
Não havia saída, naquele círculo fechado;
O seu selo de proteção havia sido quebrado.

«Quem sou? O que sou? Que faço aqui?!
Como sou? Onde vou? Aqui,
Dentro de mim existe alguém,
Mas fora de mim eu não sei!

Tais dúvidas preencheram o seu pensamento
E sombras negras assumiram a silhueta
Dos seus anjos do seu mundo de inocência.
Estariam eles ali para a salvar? Iria ela voltar
Ao seu paraíso cor-de-rosa e violeta?

Que bom que vieram! Levem-me já daqui!
As sombras transpuseram o espelho,
Aproximaram-se dela, cercaram-na,
Pegaram-lhe na mão e levaram-na
Para o outro lado do espelho.

Sorridente, Alice julgou estar a salvo
Mas enganou-se!
Com aparência de anjo mas voz de demónio
Uma das sombras lhe perguntou:
«Vamos brincar, Alice?» Ela gelou.

Estava num tabuleiro de xadrez
E não era uma rainha, mas sim um peão.
«Afinal, quem são vocês
E o que são?!»

Toda aquela irmandade maligna
Soltou uma enorme e horrenda gargalhada.
«De rainha posso não ser digna
Mas não hei-de fazer parte desta palhaçada.»

Deu um salto e voltou
A entrar na casa dos espelhos.
Respirou fundo, cerrou os olhos
E gritou:

«Maestro do meu destino eu sou,
Só pela minha batuta me deixarei guiar.
Que uma clave de sol me venha iluminar
E me mostre como e o que realmente sou!»

De repente, um forte brilho encheu a casa
E a Alice feia, gorda, baleia, fera feroz
A pouco e pouco foram desaparecendo.
Quando abriu os olhos, por toda a casa só havia uma Alice,
A mesma de sempre. A Alice bela, encantadora e sonhadora.

«Esta que agora vês
É a que nunca deixaste de ser
E este brilho que te inunda
É o teu. Tua alma irradia luz,
Tem uma riqueza e grandeza profunda.»

Disse a Lagarta Azul enrolada no seu casulo.
«Oh, não digas disparates! Sou tão pequenina!»
«Serás mesmo? Olha para baixo!»
«Oh! Onde está a casa de espelhos?! O que aconteceu?!»

«Tu cresceste, Alice.
És muito superior
A todos os sentimentos mesquinhos.
Pequeninos são eles, coitadinhos!»

De facto, Alice estava demasiado grande
Para viver naquela redoma de vidro,
Então quebrou-a. Já não precisava dela
E a lagarta ofereceu-lhe uma batuta.
Ela contemplou-a, pegou nela
E ao seu próprio ritmo partiu para a luta.

Pronta para enfrentar um exército inteiro
De demónios que trocam vidas por dinheiro,
Sentimentos por sentidos,
Uns desalmados vendidos.

Nunca mais deixou de crescer.
Lutou e venceu sempre
Pois estava provida das melhores
E mais poderosas armas de sempre.
O silêncio, o sorriso, auto confiança e o Amor.

José Vidas, 2013

Submited by

quinta-feira, fevereiro 21, 2013 - 14:56

Poesia :

No votes yet

Jose Vidas

imagem de Jose Vidas
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 35 semanas
Membro desde: 09/28/2012
Conteúdos:
Pontos: 348

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Jose Vidas

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Fábula Um curandeiro chamado Tempo 1 907 06/13/2014 - 20:58 Português
Anúncios/Outros - Procura-se Procuro baterista, baixista, trompetista de vara, teclista e UMA VOCALISTA AFRICANA OU AFRO DESCENTENTE 0 1.135 07/02/2013 - 23:50 Português
Prosas/Fábula O Sonho da Cotovia 0 679 07/02/2013 - 23:20 Português
Fotos/Arte Digital Fantasy Art 0 855 07/02/2013 - 22:49 Português
Fotos/Arte Digital The Legendary Tigerman 0 810 07/02/2013 - 22:45 Português
Fotos/Natureza As cores do Outono 0 752 03/13/2013 - 14:59 Português
Fotos/Outros FRONTEIRA ENTRE O SONHO E A REALIDADE 0 1.025 03/13/2013 - 00:10 Português
Poesia/Desilusão MARIONETA 0 626 03/13/2013 - 00:05 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 987 02/21/2013 - 15:18 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.089 02/21/2013 - 15:16 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.982 02/21/2013 - 15:13 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.099 02/21/2013 - 15:10 Português
Poesia/Fantasia A Casa dos Espelhos 0 496 02/21/2013 - 14:56 Português
Poesia/Pensamentos O Que a Palavra Pode Ser e Fazer 1 442 01/21/2013 - 15:52 Português
Poesia/Desilusão A VOZ DO DESENCANTO 2 500 01/13/2013 - 21:07 Português
Fotos/Abstracto QUADRO NATURAL 0 756 01/12/2013 - 17:05 Português
Poesia/Amor O Alfabeto do Amor 0 604 10/29/2012 - 02:29 Português
Poesia/Pensamentos Como é duro, o silêncio! 2 349 10/19/2012 - 12:31 Português
Prosas/Fábula A Estrela do Amor 0 652 10/18/2012 - 11:02 Português
Poesia/Geral Vida Sazonal 0 554 10/18/2012 - 10:42 Português
Fotos/Religião Páscoa no interior Beira Alta 0 898 10/15/2012 - 00:41 Português
Fotos/Paisagens Uma Luz ao fundo do túnel 0 928 10/15/2012 - 00:19 Português
Fotos/Artes Coração do avesso, coração travesso 0 977 10/15/2012 - 00:14 Português
Poesia/Fantasia Terei Alguma Chance? 0 576 10/13/2012 - 23:37 Português
Poesia/Tristeza Lágrimas Silenciosas 0 528 10/13/2012 - 23:24 Português