CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

COGNIÇÃO DO TEMPO

Estonteante queda
embalada por voz melíflua
em tom inútil de mágoa intensa
enquanto escrevo meras feridas do sentir.

Tento anular
o capricho obsceno
que meu grito cospe fel sinistro,
abraçando-me ao fundo cego da dor estática na alma.

Choram-me
letras dislexias num enigma
de palavras tristes em labirintos
emocionalmente alienados num sofisma de solidão.

Despejo das mãos
resíduos do sofrer em poema
à deriva pelo núcleo do meu ser
anómalo à linguagem dos sonhos.

Caio zero
num olhar distante de mim nada.

Desprezo o dom
da reflexão gatafunhada
tudo num todo às costas de uma loucura
que me assoberba rascunhos de inspiração.

Sou leitura traumatizada
pelo verbo ter pouco na cognição do tempo.

Sou fala
argumentada no vazio
que espairece no abdómen de um poema
espevitado por poeira numa bandeja de desilusões.

Acredito
ser flagrante delito
que me zanga as visões desentorpecidas
por vontade de seguir até ao frontispício de gente.

Submited by

sexta-feira, dezembro 4, 2009 - 01:07

Poesia :

No votes yet

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 13 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Comentários

imagem de MarneDulinski

Re: COGNIÇÃO DO TEMPO

LINDO POEMA, GOSTEI MUITO!
gostei no todo!
Meus parabéns,
md

imagem de FlaviaAssaife

Re: COGNIÇÃO DO TEMPO

Henrique,

Uma reflexão interna das diversas fases da vida que nos deixa marcas e feridas.

Gostei. Bjs :-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 37.528 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.771 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.455 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.288 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 2.139 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.117 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.937 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.798 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.724 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.951 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.509 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.493 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.785 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 3.128 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.435 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.976 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.985 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.998 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 3.139 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.646 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.614 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.541 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.561 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.840 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.832 01/16/2015 - 20:47 Português