CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A dança dos corvos

Manhã de domingo, sol brilhante reluzente
Luzes radiantes no infinito parecem dançar
Céu de extasiante azul se mostra ao infinito
Aos poucos nevoa surge, mansa e serena
O sol outrora radiante perde seu brilho
O azul do céu cinza torna-se, o brilho se apaga
Portões aberto, campo santo pronto a esperar
Tumba limpa a aguarda o corpo que abrigará
Cortejo adentra campo santo a esperar
Sepultamento se fará todos seus lugares a guardar
Poucas pessoas passo a passo a seguir a urna
Tristes cabisbaixos olhos úmidos de lágrimas
Tumba aberta aguarda corpo que repousara
Céu triste, acinzentado a chorar também esta
Neblina suave cobre o cotejo triste a caminhar
Do céu cinzento de aspecto pesado e turvo
Aves negras chegam ao cerimonial
Negras, como breu das trevas como a cor do luto
As primeiras três chegam, num bailar suave
Dançando um balé dantes jamais visto
Rodeiam e sobem e descem serenas e silenciosas
Aventuram-se a no ar plainar, sem vento ou brisa
Mais negras aves chegam aos pares como casais
Sete agora dançam sobre a tumba, desce a urna
Num plainar suave, tranqüilo sem pressa sem angustia
Descem e sobem no ar, batem suavemente as asas
Para o silêncio não transgredir, e a dor não ferir
Mais duas aves chegam e se posicionam mais alto
Os corvos dançam a dança da despedida
E uma roda e esta se faz, com estrela de sete pontas
Os últimos a chegar mergulham por dentro da roda
De maneira da tumba a se aproximar
E a quase nela adentrar, pessoas se assustam
A lápide cobre a tumba e aos pares os corvos se afastam
Sobrando três a bailar, uma dança delicada como se algo levassem
Todos partiram, e os corvos bailavam em roda com suave continuar
Num choro contido a olhar para o chão um homem passa
Pergunto: quem faleceu senhor?
Minha mãe responde
E os três bailarinos somem já partiram perdidos no horizonte
Dançando e dançando se afastaram os corvos
A névoa começa a se dissipa o choro acaba
E o sol volta a brilhar reluzente com antes
Os corvos se foram a outra tumba dançar.

Submited by

quinta-feira, junho 25, 2009 - 04:24

Poesia :

No votes yet

marialds

imagem de marialds
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 14 semanas
Membro desde: 03/31/2009
Conteúdos:
Pontos: 2887

Comentários

imagem de Poetaminas

Re: A dança dos corvos

Uma situação que se vê constantemente mas que pessoalmente,não é fácil passar. Ler este texto fez-me voltar à mente agumas situações tristes e relativamente recentes. Dolorosas, tristes e definitivas para a vida de qualquer ser humano.
Seu texto mostra a tristeza num cortejo da vida e da morte. Muito bom, amiga! beijos

imagem de Danielagomes

Re: A dança dos corvos

Adorei o poema,
A observação perfeita de uma situação transformada numa bela poesia.
Como já disse antes,adimiro seu trabalho e agradeço pelos comentários as minhas poesias e críticas.

Grande beijo :-)
Da amiga,

Daniela Gomes

imagem de marialds

Re: A dança dos corvos

Obrigado as duas comentaristas, foi dificil de escrever, pois foi um fato real que presencie no cemitério da minha cidade; acredito que não seja bem uma poesia, mas uma descrição poética de um sepultamento.
Resolvi escrever pois, a maneira como os corvos voavam como num balé, me encantaram, talvez isto não tenha ficado bem descrito.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of marialds

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza Separação 0 587 07/22/2015 - 19:11 Português
Poesia/Geral Veja 0 989 07/19/2014 - 02:55 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 752 03/02/2014 - 01:55 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 1.045 03/02/2014 - 01:47 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 626 03/02/2014 - 01:41 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 1 1.291 12/20/2013 - 20:17 Português
Prosas/Outros Frase 0 810 11/27/2013 - 23:50 Português
Fotos/Natureza Flores popularmente chamadas de "Damas da Noite" 0 1.415 11/27/2013 - 23:44 Português
Poesia/Geral Noite de Solidão 0 1.155 11/27/2013 - 22:23 Português
Poesia/Geral Fria Madrugada 2 1.225 11/27/2013 - 21:34 Português
Poesia/Geral Cotidiano 2 857 11/17/2013 - 23:57 Português
Poesia/Fantasia Ser em Sombras 0 765 05/11/2013 - 23:30 Português
Poesia/Geral A Flor da Pele 2 993 06/24/2012 - 20:48 Português
Poesia/Geral Solidão de nos Dois. 2 972 06/17/2012 - 19:39 Português
Poesia/Geral Passagem 0 756 06/17/2012 - 01:57 Português
Poesia/Geral Momentos 1 1.225 03/30/2012 - 09:04 Português
Poesia/Geral Teu Perfume 0 1.214 03/30/2012 - 04:04 Português
Poesia/Geral Espectro 0 964 03/30/2012 - 03:56 Português
Poesia/Geral Na Face do Menino 2 1.026 01/22/2012 - 02:59 Português
Poesia/Geral Tombados 0 832 01/21/2012 - 02:32 Português
Fotos/Paisagens Estrada de nuvens. 0 2.464 01/15/2012 - 21:38 Português
Poesia/Haikai Sem Titulo 0 1.039 01/15/2012 - 21:00 Português
Poesia/Haikai Sem Título 0 953 01/15/2012 - 20:59 Português
Poesia/Tristeza Apenas Lembranças 0 927 01/15/2012 - 20:56 Português
Poesia/Soneto Livro de bolso 0 2.086 09/17/2011 - 04:15 Português