CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Definhar, definhar e nunca morrer...

Antes tivéssemos da vida uma experiência benéfica.
No cerne da inocência cujo cinismo hediondo impera
Uma dúvida sobre a lição fica no ar impregnada
Apenas o aprendizado nos resta.

Ninguém é inofensivo!
Somos perversos e nocivos.
Esboçamos no rosto o sorriso maligno
E com olhar concentrado de desdém
Fitamos o próximo com fome de desesperados
Caminhamos altivos enquanto caem ao nosso lado
Passamos por cima de restos e pedaços
Desenhamos a indiferença em rastos
Tatuados nas costas dos cansados
Nos alimentamos de soberba.
A soberba seca nossos olhos
E molha nossos lábios
E continuamos desnutridos, inquietos, ávidos...

Esperamos nos dar bem...
Esperamos a desgraça de outrem
Fingimos não sabermos que cairemos também
(O medo do próximo...)
Começamos a matar sem conceber
No momento em que somos concebidos
Começamos a do ar morrer
No instante do primeiro suspiro
Da própria sobrevivência, adoecidos
(Escravos de nossas criações,
vítimas de nossos dons divinos)
Todo dia remoemos um equívoco
Todo dia equivocamos outro antídoto
Todo dia amargamos um castigo.
Feito animais furtivos, exaustos, sozinhos
Num canto, esquecidos... apodrecemos!
Ao mesmo tempo e da mesma forma
Definhamos, definhamos e nunca morremos...

Meu Deus! Meu Deus!
Pra onde vamos?... O que fazermos?...
Se pelo menos soubéssemos
Se pelo menos soubéssemos, morreríamos melhor
Isentos de culpa, transcenderíamos à um status maior
Num improvável céu qualquer tão prometido e esperado
Intermitentemente de vida, entrelaçado
Todo fim seria, por fim, feliz por ser desencantado.

Poema publicado recentemente no meu primeiro livro pela WAF chamado IMPRESSÕES. Também encontrado juntamente com outros no meu blog

http://carlinhoscavalcanti.blogspot.com/

Obrigado à todos

;-)

Submited by

segunda-feira, junho 29, 2009 - 20:29

Poesia :

No votes yet

carlfilho

imagem de carlfilho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 32 semanas
Membro desde: 05/25/2009
Conteúdos:
Pontos: 519

Comentários

imagem de Henrique

Re: Definhar, definhar e nunca morrer...

Bom poema, gostei de ler! :-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of carlfilho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Anticorpo 0 607 09/18/2014 - 19:09 Português
Poesia/Geral Deixa 0 635 01/30/2014 - 21:10 Português
Poesia/Tristeza A Morte do Meu Sorriso 0 720 09/12/2013 - 21:13 Português
Poesia/Geral O Número 1 394 03/15/2013 - 18:48 Português
Poesia/Geral Os animais 3 805 03/15/2013 - 18:39 Português
Poesia/Geral Parceria Eterna 2 1.209 11/27/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Boa Noite 4 1.101 11/27/2012 - 17:56 Português
Poesia/Tristeza Caixeiro Viajante 1 876 11/26/2012 - 21:41 Português
Poesia/Tristeza Coração Notívago 2 1.010 11/26/2012 - 21:26 Português
Poesia/Geral Pulvi es (et pulverem reverteris) 2 1.368 11/23/2012 - 23:29 Português
Poesia/Geral A Idéia Assombra 1 970 11/23/2012 - 16:57 Português
Poesia/Fantasia O Misantropo 3 1.277 11/23/2012 - 16:45 Português
Poesia/Geral Isto Posto 4 748 11/21/2012 - 20:23 Português
Poesia/Paixão Desarme 1 566 11/21/2012 - 19:39 Português
Poesia/Geral Estranho Decorrer 1 760 11/20/2012 - 23:08 Português
Poesia/Amor Meu Amor Imaginário 1 678 04/20/2012 - 19:22 Português
Poesia/Soneto Soneto do Rei Álacre 0 784 01/11/2012 - 17:20 Português
Poesia/Meditação Faz toda a diferença 0 709 01/10/2012 - 16:00 Português
Poesia/Meditação Gosto Daqui... 1 628 12/16/2011 - 03:13 Português
Poesia/Amizade Adenium 0 760 12/15/2011 - 14:36 Português
Poesia/Fantasia O Tédio 0 693 12/09/2011 - 14:33 Português
Poesia/Fantasia Devida Verve 0 685 12/07/2011 - 14:16 Português
Poesia/Tristeza Asfalto 1 942 11/28/2011 - 20:47 Português
Poesia/Tristeza Punhais 0 689 11/28/2011 - 17:57 Português
Poesia/Fantasia Idas 0 1.011 11/08/2011 - 21:55 Português