CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO

A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO

 

A maior desgraça de uma Nação,

É nunca sair do chão,

Que, em vez de produzir riqueza,

Que todo o povo deseja,

Apenas produz mais ricos,

E os pobres apanham uns picos,

Que os ricos deixam cair,

E olham para os pobres a rir,

Quando se dobram até ao chão,

Com mágoa no coração,

Por serem eles que fazem os ricos,

E no fim apanham os picos,

Chorando de revolta velada,

Com medo de alguma pancada,

Pois sendo os pobres que dão,

Tudo o que criam do chão,

Para engordar uns quantos,

Quando eles são tantos,

Que apanham as migalhas,

Sem admissão de falhas,

Trabalhando a vida inteira,

Chamados de sem eira nem beira,

Engordando a alta classe,

Levando bofetadas na face,

Do Sol, da chuva e do vento,

Para ganharem o seu sustento,

E a maior parte não é sua,

É pequenina e vivem à mingua,

Para criar os colossos,

Que fiquem inchados de grossos,

Sempre com o rei na barriga,

E a sua força os mitiga,

São um grupo pacífico de revoltados,

Que ficam sempre calados,

Com medo das chicotadas,

Que levam nas costas ensanguentadas,

Mas se um dia se revoltarem,

E as suas gargantas gritarem,

Para dizer basta de escravidão,

Sendo elevados do chão,

Os ricos fogem com o dinheiro,

Para um país estrangeiro,

E os pobres ficam sozinhos,

E continuam pobrezinhos.

 

Tavira, 3 de Outubro de 2012-Estêvão

Submited by

quarta-feira, março 9, 2016 - 12:28

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 semanas 3 horas
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7732

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Pensamentos A VIDA 0 135 04/06/2016 - 10:12 Português
Poesia/Dedicado AR É VIDA 0 295 04/06/2016 - 09:56 Português
Poesia/Meditação NADA ME PERTENCE 2 610 03/31/2016 - 10:22 Português
Prosas/Pensamentos AURÉOLA 0 395 03/30/2016 - 10:59 Português
Prosas/Pensamentos UM TROVÃO 0 227 03/23/2016 - 11:09 Português
Poesia/Meditação SE NÃO SE PLANTAR 0 269 03/23/2016 - 10:55 Português
Poesia/Dedicado O GOSTO DE APRENDER E ENSINAR 2 856 03/18/2016 - 11:32 Português
Prosas/Pensamentos A TERRA 0 188 03/16/2016 - 11:51 Português
Prosas/Outros ATÉ O MAR 0 257 03/09/2016 - 12:33 Português
Poesia/Intervenção A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO 0 408 03/09/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado A MÚSICA 2 392 03/06/2016 - 13:06 Português
Poesia/Meditação ERRAR É HUMANO 2 292 03/06/2016 - 13:03 Português
Prosas/Pensamentos HUMANOS 0 247 03/02/2016 - 11:27 Português
Poesia/Dedicado QUEM RIU DE MIM 0 351 02/24/2016 - 11:23 Português
Poesia/Meditação NUVENS PRETAS 0 216 02/17/2016 - 11:23 Português
Poesia/Amizade DORA 0 382 02/10/2016 - 15:51 Português
Poesia/Meditação POR FORA E POR DENTRO 0 412 01/27/2016 - 12:48 Português
Poesia/Intervenção QUEM TEM UNHAS 0 211 01/20/2016 - 11:09 Português
Poesia/Amor É UM SOFRER SEM QUERER 0 353 01/13/2016 - 11:13 Português
Poesia/Meditação VENCEDORES E VENCIDOS 0 415 01/06/2016 - 15:59 Português
Poesia/Meditação A CAÇA E O CAÇADOR 0 885 12/30/2015 - 10:58 Português
Poesia/Meditação SORTE 0 796 12/23/2015 - 15:55 Português
Poesia/Fantasia DANÇA DOS SONHOS 0 255 12/18/2015 - 10:46 Português
Poesia/Meditação OS PASSOS QUE EU DOU 0 341 12/09/2015 - 11:59 Português
Poesia/Meditação QUERO SER EU PRÓPRIO 0 567 12/02/2015 - 17:15 Português