CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO

A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO

 

A maior desgraça de uma Nação,

É nunca sair do chão,

Que, em vez de produzir riqueza,

Que todo o povo deseja,

Apenas produz mais ricos,

E os pobres apanham uns picos,

Que os ricos deixam cair,

E olham para os pobres a rir,

Quando se dobram até ao chão,

Com mágoa no coração,

Por serem eles que fazem os ricos,

E no fim apanham os picos,

Chorando de revolta velada,

Com medo de alguma pancada,

Pois sendo os pobres que dão,

Tudo o que criam do chão,

Para engordar uns quantos,

Quando eles são tantos,

Que apanham as migalhas,

Sem admissão de falhas,

Trabalhando a vida inteira,

Chamados de sem eira nem beira,

Engordando a alta classe,

Levando bofetadas na face,

Do Sol, da chuva e do vento,

Para ganharem o seu sustento,

E a maior parte não é sua,

É pequenina e vivem à mingua,

Para criar os colossos,

Que fiquem inchados de grossos,

Sempre com o rei na barriga,

E a sua força os mitiga,

São um grupo pacífico de revoltados,

Que ficam sempre calados,

Com medo das chicotadas,

Que levam nas costas ensanguentadas,

Mas se um dia se revoltarem,

E as suas gargantas gritarem,

Para dizer basta de escravidão,

Sendo elevados do chão,

Os ricos fogem com o dinheiro,

Para um país estrangeiro,

E os pobres ficam sozinhos,

E continuam pobrezinhos.

 

Tavira, 3 de Outubro de 2012-Estêvão

Submited by

quarta-feira, março 9, 2016 - 12:28

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 semanas 2 dias
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7732

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor ASAS DE FOGO 0 562 05/13/2015 - 11:53 Português
Poesia/Meditação MISTÉRIOS DO SER 0 915 05/06/2015 - 11:16 Português
Poesia/Meditação A VOZ DO DINHEIRO 0 629 04/29/2015 - 16:14 Português
Poesia/Amor AMAR EM SILÊNCIO 0 478 04/22/2015 - 11:42 Português
Poesia/Amor ORAÇÃO 0 611 04/15/2015 - 10:04 Português
Poesia/Meditação O INFERNO ESTÁ NA TERRA, NÃO NO CÉU 0 379 04/08/2015 - 11:52 Português
Poesia/Meditação DESCONTROLO 0 909 04/01/2015 - 12:16 Português
Poesia/Meditação QUEM MANDA? 0 868 03/25/2015 - 11:12 Português
Poesia/Meditação PARAR É MORRER 0 524 03/18/2015 - 12:59 Português
Poesia/Meditação GUERREIRO DA VERDADE 0 1.179 03/11/2015 - 11:29 Português
Prosas/Pensamentos OS RIOS 1 2.144 03/08/2015 - 15:41 Português
Poesia/Meditação ANDAR ÀS CEGAS 0 1.169 03/04/2015 - 11:46 Português
Poesia/Meditação VIVER E RECORDAR 0 689 02/25/2015 - 12:10 Português
Poesia/Meditação OS DIAS ASSINALADOS 2 824 02/19/2015 - 12:38 Português
Poesia/Meditação DIAS ASSINALADOS 0 1.505 02/18/2015 - 13:18 Português
Poesia/Meditação SÓ SILÊNCIO NÃO 0 593 02/11/2015 - 12:30 Português
Poesia/Meditação SOU DO MEU PENSAMENTO 0 383 02/04/2015 - 11:00 Português
Poesia/Amor PALAVRAS APENAS 0 505 01/28/2015 - 11:13 Português
Poesia/Meditação OLHANDO O CÉU 0 575 01/14/2015 - 11:35 Português
Poesia/Meditação OCULTO 0 505 01/07/2015 - 18:02 Português
Poesia/Meditação SEREI CARNE OU ESPÍRITO? 0 615 12/31/2014 - 11:14 Português
Poesia/Meditação EU SOU ASSIM! 0 618 12/24/2014 - 11:30 Português
Poesia/Amor AS ROSAS TAMBÉM FALAM 0 570 12/17/2014 - 11:33 Português
Prosas/Pensamentos SERPENTES 0 748 12/11/2014 - 12:45 Português
Poesia/Meditação A GUERRA 0 599 12/11/2014 - 12:34 Português