CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Fôlego

Nada fui
Sou ninguém
Nunca pretendi ser
Prezo pelo benefício da vontade
E não mais quero saber

Deixarei as perguntas ficarem no ar suspensas
Sem razão, sem trégua, sem deixar de existir
Amortecidas em reticências
Amontoadas em suas deficiências
Petrificadas em suas irrelevâncias
Agora elas me contemplarão à distância
Fora de alcance, como, antes, fazia, eu

Assim, despretenciosamente
Desprendido do tempo, madrugado
Numa peculiar manhã de céu azul e sol resplandecente
Olharei pra cima e cegarei a espreguiçar
Expurgar, esquecer, enxergar
Tomar meus sonhos em abraços
Na liberdade de outros ares

Sem medo de sentir medo, sentirei
Como as árvores sentem os ventos
Sem medo de consentir, consentirei
Em perspectiva iminente, revendo
A beleza transparente das coisas
Tão nobres e tão encantadoras
Tão claras e tão belas quanto reais

Vislumbrando a mansidão do firmamento
Extasiado de volição e vazio de pensamentos
Descansarei meu olhar evasivo num sorriso ameno
Convencido de que vivera pouco, embora, bastante
Suficiente pra saber que viver é bom
Melhor do que tudo que tenho feito

Nada transpõe a essência de estar vivo...

Seria
Uma reviravolta
Um ponto sem volta
Uma estação no meio de eras
Uma reverência para a despedida
Um presente único e plausível
Única descoberta
Unívoco...

Viver é autofagia!

Feitio que, por si, se prontifica
O instinto voraz de vitalidade instiga
Extingue-se o alimento ao se extinguir o instinto
Vegeta, faminto, o indivíduo a racionalizar o indefinível
E a vida, raquítica, pede, clama, reclama, chora, implora, se arrasta...
Persiste!

Virtuoso e elevado é o inestimável valor da vida

Não tem culpa nem justificativa
Não tem perdão nem arrependimento
Não tem recompensa nem merecimento
Não tem angustia e não tem tormento

Tenho que viver...

Preciso viver e logo mesmo que breve
Pois tanto faz que tanto faça
Da vida, nenhum porquê se leva
E eu, malicioso e quase certo, desconfio
Que felicidade seja, simplesmente, a própria vida.

Viverei...

Resquício que seja de significante
Indiferentemente à custo e benefício
Neste ínfimo lapso de infinidade concedido
Qualquer pouco que não se pague com a própria vida
Qualquer surto tênue de sabedoria obsoleta adquirida
Qualquer razão, paixão, desventura enganosa descrida
Qualquer poesia ludibriosa de escrita bem polida
Qualquer rabisco, pintura, imagem turva, rastro de tinta
Qualquer mau traçado risco de vida...

Poema publicado recentemente no meu primeiro livro pela WAF chamado IMPRESSÕES. Também encontrado juntamente com outros no meu blog

http://carlinhoscavalcanti.blogspot.com/

Obrigado à todos

;-)

Submited by

quinta-feira, fevereiro 18, 2010 - 15:43

Poesia :

No votes yet

carlfilho

imagem de carlfilho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 32 semanas
Membro desde: 05/25/2009
Conteúdos:
Pontos: 519

Comentários

imagem de CristinaPastore

Re: Fôlego

gostei de ler mas essas palavras

Sem medo de sentir medo, sentirei
Como as árvores sentem os ventos
Sem medo de consentir, consentirei
foram que mais chamaram minha atenção. Parabéns pelo poema!

imagem de Henrique

Re: Fôlego

Deixarei as perguntas ficarem no ar suspensas
Sem razão, sem trégua, sem deixar de existir...

O inestimável valor da vida aqui relatada!!!

:-)

imagem de MarneDulinski

Re: Fôlego

LINDO POEMA, GOSTEI MUITO, TIVE FÔLEGO PARA LÊ-LO DE PRINCIPIO AO FIM, ASSIM COMO TIVESTE FÔLEGO PARA ESCREVÊ-LO, DEU UM BELO RESULTADO, ACONTECENDO ESTE LINDO TEXTO!
Meus parabéns,
Marne

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of carlfilho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Anticorpo 0 607 09/18/2014 - 19:09 Português
Poesia/Geral Deixa 0 635 01/30/2014 - 21:10 Português
Poesia/Tristeza A Morte do Meu Sorriso 0 720 09/12/2013 - 21:13 Português
Poesia/Geral O Número 1 394 03/15/2013 - 18:48 Português
Poesia/Geral Os animais 3 805 03/15/2013 - 18:39 Português
Poesia/Geral Parceria Eterna 2 1.210 11/27/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Boa Noite 4 1.101 11/27/2012 - 17:56 Português
Poesia/Tristeza Caixeiro Viajante 1 877 11/26/2012 - 21:41 Português
Poesia/Tristeza Coração Notívago 2 1.011 11/26/2012 - 21:26 Português
Poesia/Geral Pulvi es (et pulverem reverteris) 2 1.368 11/23/2012 - 23:29 Português
Poesia/Geral A Idéia Assombra 1 972 11/23/2012 - 16:57 Português
Poesia/Fantasia O Misantropo 3 1.277 11/23/2012 - 16:45 Português
Poesia/Geral Isto Posto 4 748 11/21/2012 - 20:23 Português
Poesia/Paixão Desarme 1 566 11/21/2012 - 19:39 Português
Poesia/Geral Estranho Decorrer 1 762 11/20/2012 - 23:08 Português
Poesia/Amor Meu Amor Imaginário 1 679 04/20/2012 - 19:22 Português
Poesia/Soneto Soneto do Rei Álacre 0 784 01/11/2012 - 17:20 Português
Poesia/Meditação Faz toda a diferença 0 710 01/10/2012 - 16:00 Português
Poesia/Meditação Gosto Daqui... 1 628 12/16/2011 - 03:13 Português
Poesia/Amizade Adenium 0 760 12/15/2011 - 14:36 Português
Poesia/Fantasia O Tédio 0 694 12/09/2011 - 14:33 Português
Poesia/Fantasia Devida Verve 0 686 12/07/2011 - 14:16 Português
Poesia/Tristeza Asfalto 1 943 11/28/2011 - 20:47 Português
Poesia/Tristeza Punhais 0 689 11/28/2011 - 17:57 Português
Poesia/Fantasia Idas 0 1.011 11/08/2011 - 21:55 Português