CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Fumo os meu cigarros

Fumo o meu cigarro
O vinho já azedou,
A noite está fechada

Vadios levam xutos no cú
E quando nos deita-mos
A pensar
Tudo são histórias
Contadas para adormecer
Mas não adormecemos,
Com medo

Algo vai acontecer
E no sono
Deslumbra-se,
Uma previsão
Que quando despertamos
Pensamos já ter vivido
Esse momento
Nas ruas solitárias
Ao nosso andar
Povoadas de gente,
Que nos recorda
Esse pensamento
Que foi sonhado

Escarro de vida,
Porque cospes
Na face
Daqueles que nada têm
Já esqueces-te
A tua memória
E negas-te o teu passado
Numa tampa de esgoto
Rodeada em desgosto

Não penses
Tu que pensas,
Deixa o teu ego
Alguma vez reparas-te?
Que o teu acordar
É igual
Sem novidades
Nunca sentiste o choque
Do cheiro de escape
Pela manhã…
O bafo a vinho barato
Do sem abrigo
Que te deseja bom dia
Quando vais trabalhar,
E te estende a mão trémula?

Esperas como um louco
A tua dose,
Anseias como um menino
O colo da mãe
És fraco
E a noite cai,
Ela te emborca
Abraça
E seduz,
Como nunca uma mulher o fez
E cedes,
Prolongas-te,
Num prazer sem fim
Desmaia-as numa atracção
Os poucos carros
Perseguem a madrugada
E tu realmente
Descansas,
À vontade

Submited by

segunda-feira, março 28, 2011 - 18:52
No votes yet

jgff

imagem de jgff
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 16 semanas
Membro desde: 07/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 176

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of jgff

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Arquivo de textos Imagina-se, depois pensa-se em entrar 0 219 12/18/2012 - 21:33 Português
Poesia/Arquivo de textos Manhã 1 426 03/31/2011 - 02:31 Português
Poesia/Arquivo de textos A vida é uma arte cruel 0 407 03/30/2011 - 19:56 Português
Poesia/Arquivo de textos Olhar o spleen de Candido dos Reis 0 492 03/30/2011 - 19:32 Português
Poesia/Arquivo de textos O sono do pensar 0 439 03/30/2011 - 19:19 Português
Poesia/Arquivo de textos Nada se encontra 0 345 03/30/2011 - 19:15 Português
Poesia/Arquivo de textos A procura da resposta pela dor 0 366 03/30/2011 - 19:12 Português
Poesia/Arquivo de textos Um fado cantado 0 445 03/30/2011 - 19:05 Português
Poesia/Arquivo de textos Poema sobre um taxi e um escarro que se saiu 0 902 03/30/2011 - 19:00 Português
Poesia/Arquivo de textos O sossego das palavras 0 333 03/30/2011 - 18:47 Português
Poesia/Arquivo de textos Escolha 0 389 03/30/2011 - 18:42 Português
Poesia/Arquivo de textos História sobre pétalas e uma ponte 0 350 03/30/2011 - 18:36 Português
Poesia/Arquivo de textos Compreensão 0 396 03/30/2011 - 18:27 Português
Poesia/Arquivo de textos Sopro 0 508 03/30/2011 - 18:20 Português
Poesia/Arquivo de textos Gaivotas 0 523 03/28/2011 - 21:00 Português
Poesia/Arquivo de textos Memória 0 432 03/28/2011 - 20:50 Português
Poesia/Arquivo de textos Gozar a morte 0 482 03/28/2011 - 20:46 Português
Poesia/Arquivo de textos Fumo os meu cigarros 0 528 03/28/2011 - 18:52 Português
Poesia/Arquivo de textos Não se encontra a resposta que procuramos 0 599 03/28/2011 - 18:50 Português
Poesia/Arquivo de textos A morte de uma paixão 0 390 03/28/2011 - 18:49 Português
Poesia/Arquivo de textos Verão de Março 0 349 03/28/2011 - 18:48 Português
Poesia/Arquivo de textos O dia nasceu chuvoso 0 601 03/28/2011 - 18:46 Português
Poesia/Arquivo de textos A taberna 0 470 03/28/2011 - 18:45 Português
Poesia/Arquivo de textos O passo 0 395 03/28/2011 - 18:44 Português
Poesia/Arquivo de textos Banco de jardim 0 675 03/28/2011 - 18:43 Português