CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

GRITOS

 

                                                  

 

GRITOS

                                            Pedras que comem gente

                                            E gente que pedras comem

                                            Mas há gente que consente

                                            Que haja gente que nada comem

 

                                            Tão dura é a vida de gente

                                            Que de gente não têm nada

                                            De nada servem os dentes

                                            Quando de nada é tratada

 

                                            São duras e pedras frias

                                            Que gente usa no seu lar

                                             Pedras que fazem sangria

                                              Na gente que espera dar

 

                                              Pedras quentes já não usam

                                              A gente com pouca vida

                                              Pedras quentes também cansam

                                              Se a vida não for sentida

 

                                              Grandes pedras não removem

                                               São usadas como o nada

                                               Para si todas comem

                                               Todas elas são pesadas

 

                                                Pedras soltas nada dizem

                                                São mudas por natureza

                                                 Pesam muito e nada fazem

                                                 São pesadas como a pobreza

 

                                                  Revoltem - se pedras pequenas

                                                 Mas não são precisas armas

                                                  Param as mãos sem pena

                                                  Usem a voz em tom de farpas

 

                                                  Entre as pedras há faíscas

                                                  Quando aquecem os lombos

                                                  São duras e muito artistas

                                                  Correm de tombo em tombo

 

                                                  Não há sossego na serra

                                                  No mar e em todo o mundo

                                                  Usam as pedras na guerra

                                                   E as do mar estão no fundo

 

                                                  Calem – se e deixem viver

                                                  Ou gritem até chorar

                                                  Pedras não deixam de ser

                                                  Corpos que sabem gritar

 

 

 2003-Estêvão

 

 

 

Submited by

sexta-feira, junho 1, 2012 - 09:55

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 16 semanas 4 dias
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7749

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Pensamento 0 337 12/20/2019 - 17:18 Português
Poesia/Meditação Pensamento 0 208 12/20/2019 - 17:13 Português
Poesia/Amor Três coisas 2 256 12/12/2019 - 18:00 Português
Poesia/Geral AS ONDS DO MAR 5 2.386 12/09/2019 - 13:23 Português
Poesia/Fantasia O MEU NOME 0 887 12/14/2018 - 11:36 Português
Poesia/Meditação O TEMPO LEVA TUDO 0 1.149 09/28/2018 - 15:56 Português
Prosas/Pensamentos 34- O HOMEM 6 1.677 03/21/2018 - 16:04 Português
Poesia/Amor VERMELHO 0 1.358 09/04/2017 - 10:13 Português
Poesia/Amor UMA ORQUÍDEA PARA TI 0 1.978 07/17/2017 - 10:50 Português
Poesia/Meditação AS PEDRAS DOS RIOS 0 2.312 06/07/2017 - 09:54 Português
Prosas/Pensamentos PENSAMENTOS 34 0 1.717 05/24/2017 - 11:09 Português
Poesia/Amor AMO-TE COMO ÉS 0 1.720 05/24/2017 - 10:59 Português
Poesia/Meditação SABER SER FRELIZ 0 961 05/09/2017 - 16:51 Português
Poesia/Amizade TU 0 1.153 04/21/2017 - 11:52 Português
Poesia/Meditação PARA DE TE QUEIXAR 2 1.134 03/26/2017 - 20:34 Português
Poesia/Meditação PARA QUÊ MATAR? 5 2.357 03/24/2017 - 12:31 Português
Poesia/Meditação CHEGAR, VER E VENCER 0 1.717 03/13/2017 - 15:57 Português
Poesia/Amor BEIJOS TEUS 0 1.384 02/22/2017 - 11:12 Português
Poesia/Amor OLHANDO O MAR 0 964 02/08/2017 - 11:26 Português
Poesia/Amor SAUDADE 0 1.539 02/01/2017 - 11:29 Português
Poesia/Geral FRIO 0 1.072 01/26/2017 - 11:27 Português
Poesia/Geral FRIO 0 1.187 01/26/2017 - 11:23 Português
Poesia/Fantasia AS ONDAS DO MAR 0 1.044 01/11/2017 - 10:49 Português
Poesia/Meditação AMANHECEU OUTRA VEZ 0 1.239 01/04/2017 - 12:22 Português
Poesia/Alegria RIR 0 2.149 12/21/2016 - 10:58 Português