CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Incompreensível (Como Tantos Outros)

A minha solidão é corrosiva,
Corrompe a carne a cada injunção
Destas centúrias mortas em procissão,
Pois que minha cegueira é abrasiva,

Quando o sibilo aprazível não vem
E o indizível postula um não-querer,
O ritmo do meu verso é autofágicoser,
Traz a Peste e torna a lástima aquém,

Assim, a tortuosidade faz sua morada,
E eu acabo por repetir a con-dicção malograda
De apenas assistir enquanto me consumo.

Cada nova icterícia poética que promulgo,
Propõe as mesmas bilirrubinas sem vulgo,
Pois atesto o fracasso com mais este insumo.

 

 

Submited by

terça-feira, janeiro 11, 2011 - 00:33

Poesia :

No votes yet

malentacchi

imagem de malentacchi
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 11 semanas
Membro desde: 06/22/2009
Conteúdos:
Pontos: 704

Comentários

imagem de Henrique

a tortuosidade faz sua morada

Como tantos outros em que a solidão corrompe a carne com cegueiras!!!

 

Um desaguar bem intenso!!!

 

:-)

imagem de malentacchi

A linha entre a solidão que é

A linha entre a solidão que é necessária e a que é sintomática é bem tênue. Por vezes nos pegamos pulando para o lado em que a solidão corta e o corte não é na carne, é na alma.

 

Obrigado por ler e comentar!

 

Um abraço fraternal

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of malentacchi

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Poesia/Aforismo ... 1 585 12/22/2009 - 10:25 Português
Fotos/ - 1676 0 690 11/24/2010 - 00:40 Português
Fotos/ - 3230 0 788 11/24/2010 - 00:53 Português
Videos/Perfil 440 0 717 11/24/2010 - 22:56 Português
Videos/Perfil 481 0 1.392 11/24/2010 - 22:58 Português
Videos/Perfil 482 0 1.146 11/24/2010 - 22:58 Português
Videos/Perfil 855 0 1.075 11/24/2010 - 23:04 Português
Poesia/Tristeza A Anomalia do Poeta Anônimo 2 427 03/01/2010 - 15:53 Português
Poesia/Tristeza A Arquitetura do Caos N'um Devaneio Vespertino 4 497 01/30/2010 - 11:37 Português
Poesia/Tristeza A Arte de Não Ser Proeza Alguma 2 447 09/02/2009 - 17:06 Português
Poesia/Tristeza A Casa das Almas Perdidas 0 488 06/17/2010 - 04:34 Português
Poesia/Tristeza A Conjectura da Falha 0 344 05/25/2010 - 23:38 Português
Poesia/Tristeza A Dança dos Pronomes Necrófagos 1 488 05/09/2010 - 22:41 Português
Poesia/Tristeza A Dialética dos Defuntos 1 354 03/14/2010 - 13:58 Português
Poesia/Tristeza A Doença do Verso Visceral 2 430 03/22/2010 - 18:46 Português
Poesia/Tristeza A Dor Vespertina 3 638 03/02/2010 - 03:31 Português
Poesia/Tristeza A Exumação de Todas As Minhas Mortes 0 726 12/21/2010 - 05:48 Português
Poesia/Tristeza A Filosofia dos Túmulos 0 1.403 12/21/2010 - 05:50 Português
Poesia/Tristeza A Indigestão de Cronos 4 440 09/10/2010 - 12:55 Português
Poesia/Tristeza A Mesma Lápide Ainda Sangra 2 429 10/28/2009 - 07:34 Português
Poesia/Tristeza A Proeminência da Falha 0 875 12/17/2010 - 05:19 Português
Poesia/Tristeza A Ressurreição que Não Acontece 1 515 04/07/2010 - 17:02 Português
Poesia/Desilusão A Valsa dos Espectros 3 479 08/24/2009 - 22:51 Português
Poesia/Soneto Ab Imo Pectore 1 459 09/10/2010 - 13:00 Português
Poesia/Meditação Ainda Ontem Perguntei ao Destino... 2 489 08/21/2009 - 11:50 Português