CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

NAQUELE TEMPO

NAQUELE TEMPO

 

                                             De menino não tenho saudades

                                             Quero ser agora como sou

                                             Parece mentira mas é verdade

                                             Estou muito bem como estou

 

                                             Para matar a vossa curiosidade

                                             Ao porquê vou responder

                                             Daquela tenra idade

                                             Agora tenho muito que dizer:

             

                                             Era uma vez uma criança

                                             Que nasceu numa aldeia pobre

                                             Que um dia sofreu mudança

                                             P´ra uma sociedade nobre

 

                                             Foi precisa muita pujança

                                             Vontade, personalidade tem

                                             Muita luta, resistência cansa

                                             Mas venceu, hoje é alguém.

 

                                             Seus pais eram pescadores

                                             Numa cabana viviam

                                             Onde criaram dez amores

                                             Mas seis deles logo morriam

 

 

 

 

                                             Sofrendo na alma as dores

                                             Mas p´ra vida sempre sorriam

                                             Mesmo com falta dos amores

                                             Para os filhos sempre corriam

 

                                             Esta criança a nascer foi última

                                             Mas foi primeira a vencer

                                             De ser pobre foi vítima

                                             Valeu a pena viver

 

                                             De ter muita auto - estima

                                             Carregou a sorte consigo

                                             Para a vida ficar em cima

                                             E um dia sentir – se vivo

 

                                             Passou fome e muito frio

                                             Todo o tipo de carências

                                             Sempre teve muito brio

                                             Também muita paciência

 

                                             Para ganhar este desafio

                                             Sempre com turbulência

                                             Mas, no fim conseguiu

                                             Ganhar o jogo da vivência

 

                                             Aos dez anos aprendeu a ler

                                             Muita vontade mostrou

                                             Amava a sua escola e ter

                                             Coisas que viu e gostou

 

 

 

 

                                             Para as pessoas que amou

                                             E principalmente saber

                                             O que a sorte lhe reservou

                                             E o que conseguiu aprender

 

                                              A sua professora adorava

                                              Este simples menino

                                              Depressa o convidava

                                              P´ra estudar de pequenino

 

                                              Ele depressa aceitava

                                              Esta dádiva divina

                                              E assim concretizava

                                              O seu sonho de menino.

 

                                              Este menino fez – se gente

                                              E família constituiu

                                              Com luta de muito crente

                                              Na vida sempre impeliu

 

                                              Ao lado da amada sente

                                              Amor e muito brio

                                              Três amores consente

                                              A felicidade conseguiu.

2003-Estêvão

Submited by

terça-feira, maio 22, 2012 - 11:51

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 17 semanas 5 dias
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7749

Comentários

imagem de KeilaPatricia

Ficou muito bom... Lindo e

Ficou muito bom... Lindo e saudoso...

Abraço, ...)...(@

:)

imagem de José Custódio Estêvão

Poemas

Olá Keila!

Muito obrigado pelos comentários.
Um abraço
Estêvão

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Pensamento 0 341 12/20/2019 - 17:18 Português
Poesia/Meditação Pensamento 0 213 12/20/2019 - 17:13 Português
Poesia/Amor Três coisas 2 258 12/12/2019 - 18:00 Português
Poesia/Geral AS ONDS DO MAR 5 2.401 12/09/2019 - 13:23 Português
Poesia/Fantasia O MEU NOME 0 893 12/14/2018 - 11:36 Português
Poesia/Meditação O TEMPO LEVA TUDO 0 1.159 09/28/2018 - 15:56 Português
Prosas/Pensamentos 34- O HOMEM 6 1.686 03/21/2018 - 16:04 Português
Poesia/Amor VERMELHO 0 1.366 09/04/2017 - 10:13 Português
Poesia/Amor UMA ORQUÍDEA PARA TI 0 1.985 07/17/2017 - 10:50 Português
Poesia/Meditação AS PEDRAS DOS RIOS 0 2.324 06/07/2017 - 09:54 Português
Prosas/Pensamentos PENSAMENTOS 34 0 1.741 05/24/2017 - 11:09 Português
Poesia/Amor AMO-TE COMO ÉS 0 1.726 05/24/2017 - 10:59 Português
Poesia/Meditação SABER SER FRELIZ 0 965 05/09/2017 - 16:51 Português
Poesia/Amizade TU 0 1.159 04/21/2017 - 11:52 Português
Poesia/Meditação PARA DE TE QUEIXAR 2 1.137 03/26/2017 - 20:34 Português
Poesia/Meditação PARA QUÊ MATAR? 5 2.368 03/24/2017 - 12:31 Português
Poesia/Meditação CHEGAR, VER E VENCER 0 1.724 03/13/2017 - 15:57 Português
Poesia/Amor BEIJOS TEUS 0 1.392 02/22/2017 - 11:12 Português
Poesia/Amor OLHANDO O MAR 0 971 02/08/2017 - 11:26 Português
Poesia/Amor SAUDADE 0 1.556 02/01/2017 - 11:29 Português
Poesia/Geral FRIO 0 1.076 01/26/2017 - 11:27 Português
Poesia/Geral FRIO 0 1.197 01/26/2017 - 11:23 Português
Poesia/Fantasia AS ONDAS DO MAR 0 1.049 01/11/2017 - 10:49 Português
Poesia/Meditação AMANHECEU OUTRA VEZ 0 1.265 01/04/2017 - 12:22 Português
Poesia/Alegria RIR 0 2.159 12/21/2016 - 10:58 Português