CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O Arrumar das Botas

Maria chamara Marta, para as coisas da avó, darem um destino,
Tinha tido uma cerimónia de pompa e circunstância, com banda e tudo à mistura,
Até o padre da aldeia, havia vestido o seu melhor hábito e tinha mandado tocar o sino,
Ela era acima de tudo, muito estimada e por todos considerada uma excelente criatura.

Deram toda a sua roupa à paróquia, aos mais necessitados,
Quanto aos seus pertences pessoais, decidiram repartir pelo seu herdeiro e herdeira,
Os seus netos, a sua família mais chegada, os seus postiços filhos amados,
Toda a sua vida, ali numa arca de madeira, de todo o seu passado, hospitaleira.

Jacinto estava inconsolável, Américo só pensava em vir embora,
Marta estava grávida e sentia-se muito cansada,
Maria, chorava cada vez que pensava nas suas palavras, naquela hora,
Se alguém aqui sofria, eram os dois irmãos, que estavam sozinhos, sem a sua avó amada.

Dias passaram e Maria, decidiu abrir a arca de madeira, onde guardara os pertences da finada,
Havia um vestido de finos trajes, que da avó, não seria certamente,
Uma data de livros antigos, velhos de grossa lombada,
Uma série de fotografias, dela e de uma data de gente.

Nunca havia visto aquelas fotografias, nem imaginava algum dia, encontrar tal coisa ali,
Tinha imagens dela, do seu casamento, com o seu marido, da sua filha quando era pequena,
De lugares lindos, de momentos de felicidade, de lugares e gentes que não eram dali,
Que vida tão alegre, era esta que desconhecera…porque teria a felicidade, saído de cena.

E os pequenos, também os encontrou, que eram tão bonitos,
Já imaginava se tivesse um filho de Jacinto, iria ter concerteza, aqueles cachos,
Que mãe teria sido aquela, que abandonara os seus filhos, tão formosos, sem defeitos,
Que tipo de mulher, ela seria, para a mãe, deixar tamanhos berbicachos.

Num pacote, enrolado por uma fita branca, estava um fino monte de papéis,
Uma carta escrita à mão, recebida há uns anos atrás,
Num envelope, estava um pedaço de cabelo e dois anéis,
E uma fotografia de uma moça grávida, com “Verónica” escrito por detrás.

Era a mãe do seu marido, mais nova, grávida, jovem,
Devia ter menos de dezasseis anos, porque tinha ainda um rosto de miúda,
Que mal havia deixado de sujar as cuecas, mas com um ar de desdém,
E possivelmente, estaria ali contrariada, pois estava com ar de trombuda.

Como que se fosse movida por algo superior a ela,
Decidiu abrir a carta, que alguém havia escrito a Josefa e enviado à sua morada…
Era uma carta da sua filha Verónica, onde contava o que havia sido dela,
E contava também, que um dia havia de voltar…voltar para os braços da sua família amada.

Submited by

terça-feira, dezembro 6, 2011 - 01:02

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

joanadarc

imagem de joanadarc
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 24 semanas
Membro desde: 07/18/2011
Conteúdos:
Pontos: 1571

Comentários

imagem de DouglasFagundesMurta

Fiquei impressionado

fIQUEI IMPRESSIONADO COM O TEXTO. bELO TRABALHO!

imagem de apsferreira

Poeta, romancista, com a

Poeta, romancista, com a imaginação à altura,

tu continuas a imprimir a tua história,

com muito interesse, e belamente.

Gosto de ler-te,

:-)

imagem de joanadarc

Obrigado Caro Albano, Já

Obrigado Caro Albano,

Já havia sentido a tua falta por aqui, é sempre com um enorme gosto que recebo as tuas apreciações.

Joana

imagem de joanadarc

Caro Rui, Tu nem sabes o

Caro Rui,

Tu nem sabes o quanto quero eu chegar ao fim, pois até a mim, esta história me envolve de tal forma, que muitas vezez abdico de até mesmo estudar, para escrever mais um episódio dela.

Até porque já tenho outra em mente, e não posso fazer tanta coisa ao mesmo tempo, como ja dizia o ditado: a pressa é inimiga da perfeição.

Beijo-te

Joana

imagem de RZorpa

Aprecio-te imenso a coerencia

Aprecio-te imenso a coerencia e a vontade que cada vez mais se sente, de chegar ao fim... Mas realmente o que apetece é conhecer o próximo passo. Aguardo-te... 

Beijo imenso!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of joanadarc

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos O Elo 7 1.276 11/25/2011 - 23:56 Português
Poesia/Pensamentos O Zé da Rosa 5 556 11/16/2011 - 18:08 Português
Poesia/Pensamentos Matutar 2 1.376 11/16/2011 - 15:48 Português
Poesia/Pensamentos Consumição 4 1.829 11/14/2011 - 15:20 Português
Poesia/Pensamentos O Casamento de Maria 4 1.048 11/13/2011 - 20:54 Português
Poesia/Pensamentos A Despedida de Solteiro 2 1.090 11/06/2011 - 19:55 Português
Videos/Música Pai 1 1.798 11/06/2011 - 17:40 inglês
Poesia/Pensamentos A Mudança 0 1.155 11/05/2011 - 23:43 Português
Poesia/Pensamentos Os Amigos - Américo e Jacinto 0 473 11/05/2011 - 23:33 Português
Poesia/Pensamentos O Regresso do Caminhante 2 744 11/05/2011 - 16:09 Português
Poesia/Alegria Hoje quero ser criança 4 1.976 11/04/2011 - 12:11 Português
Poesia/Pensamentos A Boda de Marta 0 671 11/03/2011 - 22:32 Português
Poesia/Dedicado Já não tenho medo 10 2.380 11/03/2011 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos Cabaré Ié-Ié 2 472 11/02/2011 - 18:56 Português
Poesia/Pensamentos A história da Lavadeira 2 828 11/02/2011 - 18:52 Português
Poesia/Pensamentos Ida a Lisboa 2 485 11/02/2011 - 00:51 Português
Poesia/Pensamentos "Verónica" 4 729 11/01/2011 - 17:12 Português
Poesia/Pensamentos A Rapariga da Aldeia 2 1.084 11/01/2011 - 04:47 Português
Poesia/Pensamentos A Avózinha 3 514 10/31/2011 - 17:55 Português
Poesia/Pensamentos O Caminhante 3 761 10/31/2011 - 16:10 Português
Poesia/Pensamentos PersonaLidaDe 2 804 10/31/2011 - 00:10 Português
Poesia/Pensamentos Estrela-do-Mar 2 1.055 10/31/2011 - 00:07 Português
Poesia/Amizade O telhado do Vizinho 2 700 10/30/2011 - 19:00 Português
Poesia/Pensamentos A Lavadeira do Rio 1 792 10/29/2011 - 10:37 Português
Poesia/Fantasia Árvore de Natal 0 608 10/29/2011 - 00:15 Português