CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O campo da alma

 


Figos maduros secam no parapeito da janela.

 

Ainda me lembro dos pingos de mel dos teus olhos
quando brilhavam mesmo nos dias frios de Inverno.

 

Os picapaus namoravam no interior de uma árvore
plantada há mais de um século por um pastor
que procurava no doce dos frutos suculentos
um antídoto para a amargura que o assolava
nos dias em que palmilhava terrenos selvagens
sem que pudesse ouvir a bela voz de uma qualquer flor.

 

O campo da alma onde o perfume se despia
para tomar banhos no riacho que atravessava os montes
encontrava nas roupas gastas pelo tempo
um aliado que o ajudasse a furar as sombras da pele
e a descobrir um novo cântico para remendar a nostalgia.

 

Já não há figos no parapeito da janela...

 

Ainda me lembro das casas feitas de granito ou de xisto
acolherem o teu sorriso quando eu já não estava.

 

As nuvens cinzentas chocavam umas como as outras;
um escárnio ensurdecedor povoava os tímpanos,
enlouquecia a escrita a tinta da china de cor preta,
escondia no núcleo do teu ego contagiante
o carisma com que enlaçavas os poemas que te escrevia.

 

A planície mudou de cor, transformou-se em pálida seara
que centrifuga as minhas células com lâminas afiadas.
O pó dos caminhos fustiga-me os olhos feridos
pelos solavancos  de azeitonas verdes e amargas
que ainda permanecem na oliveira antiga já esquecida.

 

Agora já não quero pensar no passado e tu surgiste.

 

Há um vazio profundo que se acerca de mim sorrateiramente
e quando dou por mim já não suporto a dor que ele me causa.
Depois penso como a tua presença no meu coração
me faz crescer uma esperança avassaladora e alegre
de poder voltar a sentir-me vivo e respirar tranquilamente
rumo à felicidade que sempre me escapou entre os dedos.

 

O campo da alma tem um horizonte sem fim,
dois belíssimos rasgos paralelos de imagens
que me observam através da distância que nos separa
unidas apenas pelo brilho das estrelas fascinantes...

 

Mas eu não posso gostar de ti
porque se tudo for uma ilusão que me desiluda
sei que tudo em mim será poente definitivo.

 

rainbowsky

Submited by

quinta-feira, maio 5, 2011 - 01:19

Poesia :

No votes yet

rainbowsky

imagem de rainbowsky
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 5 semanas
Membro desde: 02/20/2010
Conteúdos:
Pontos: 1944

Comentários

imagem de nunomarques

"Agora já não quero pensar no

"Agora já não quero pensar no passado e tu surgiste.

Mas eu não posso gostar de ti
porque se tudo for uma ilusão que me desiluda
sei que tudo em mim será poente definitivo."

Há imagens que se levantam e permanecem. Há momentos que se prolongam no tempo e há sempre a magia das tuas palavras.
Abraço
 

imagem de Odete Ferreira

O campo da alma

Belo, imagético, profundo pela diversidade de estados de alma, por vezes expressos em belas antíteses...

Poesia...

:)

imagem de neomiro

Se me permites, o passado já

Se me permites, o passado já lá foi, e os figos decerto, que já apodreceram no parapeito, avança e continua, pois és alma que pela dor inflingida, cresce mais bela que o ferimento côncavo desse amor perdido. Excelente.

imagem de MarneDulinski

O campo da alma

Lindo poema, gostei muito, meus parabéns!

Destaco essa linda estrofe:

Há um vazio profundo que se acerca de mim sorrateiramente
e quando dou por mim já não suporto a dor que ele me causa.
Depois penso como a tua presença no meu coração
me faz crescer uma esperança avassaladora e alegre
de poder voltar a sentir-me vivo e respirar tranquilamente
rumo à felicidade que sempre me escapou entre os dedos.

Nosso abraço,

Marne

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of rainbowsky

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Na dobra dos beijos 4 2.122 03/13/2018 - 16:46 Português
Poesia/Tristeza Aquela outra lágrima 11 974 03/10/2018 - 10:42 Português
Poesia/Dedicado Posso falar-te... 4 861 03/08/2018 - 18:10 Português
Fotos/Outros Grito de melancolia 1 2.435 03/08/2018 - 18:10 Português
Poesia/Tristeza Escreves ou não? 5 1.131 03/08/2018 - 18:08 Português
Poesia/Tristeza Frieza 3 1.326 02/27/2018 - 09:52 Português
Poesia/Intervenção Gestos relevantes 1 1.133 01/31/2012 - 00:02 Português
Poesia/Tristeza Mais que uma viagem 1 1.821 12/27/2011 - 00:44 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte III de III 2 1.289 12/22/2011 - 14:59 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte II de III 2 1.414 12/22/2011 - 14:41 Português
Culinária/Bolos TARTE DE MAÇÃ DO RAIN 1 1.528 11/28/2011 - 01:34 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte I de III 8 1.662 11/23/2011 - 14:42 Português
Poesia/Tristeza Delírios 1 1.447 11/08/2011 - 19:42 Português
Poesia/Tristeza A verdade chega 3 1.523 11/01/2011 - 14:29 Português
Poesia/Tristeza A dimensão 1 1.628 10/27/2011 - 21:31 Português
Poesia/Tristeza Formas difíceis 3 1.533 10/25/2011 - 15:07 Português
Poesia/Tristeza Sanguessugas transversais 0 1.581 09/01/2011 - 21:12 Português
Poesia/Tristeza No avesso da alma 2 2.179 08/20/2011 - 23:27 Português
Poesia/Tristeza Luz fugitiva 2 2.294 08/15/2011 - 21:35 Português
Poesia/Tristeza VIOLA ODORATA 1 2.657 08/06/2011 - 00:23 Português
Poesia/Pensamentos Murmúrio e subtileza 6 1.175 07/18/2011 - 19:44 Português
Poesia/Tristeza Sentimento 2 1.656 07/10/2011 - 12:52 Português
Poesia/Desilusão Correndo para o abismo 2 1.641 06/28/2011 - 00:52 Português
Poesia/Meditação O campo da alma 4 1.873 06/14/2011 - 12:32 Português
Poesia/Intervenção Défice geométrico 1 1.504 05/03/2011 - 22:49 Português