CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Onde Estás, Minha Mãe...?

Pingou cada lágrima do desespero ao ver-te partir,
minha querida...,
Ao ver-te ir, assim, da nossa vida...

Pinga o tempo desde então, na procura de uma razão
que me faça aceitar
e permita-me compreender
eu ter que ver a morte te levar, assim,
de nós, mas de mim,
sem me deixar interceder, nem sequer nada me perguntar...

Apenas, fez-se soar esse toque de clarim, tão estridente,
num repente,
que causou uma tão tamanha ferida, impertinente,
no meu coração...

Eu preciso encontrar uma razão, que seja capaz de justificar
uma perda em minha vida, com uma tal dimensão...
Algo que tenha um fundamento
que justifique, e que faça com que eu aceite ficar
com a alma perpetuamente a chorar,
e assim combalida
Algo que erradique este perpétuo lamento, da minha vida,
um lamento que tem sido o único argumento do meu coração,
desde então...

Eu precisava encontrar algo
que pudesse erradicar aquele horror que foi,
e que continua a ser,
o pavor de ver alguém ser-me arrancada assim,
alguém que toda a vida fora como um pedaço de mim,
e que possa justificar uma tal perda tão irremediável
A perda de uma pessoa que nos é tão preciosa e querida
Aquela  Alma briosa que, pela sua natureza,
nesta empresa é-nos a mais fiável

Eu precisava de encontrar algo
que pudesse tapar este buraco imenso
Um incenso que fizesse atordoar a dor desta minha ferida
que parece querer permanecer caprichosa no meu coração
para todo o resto da minha vida

Algo que pudesse apagar este sentir opaco
que me atormenta
e que me lança num tremendo buraco
Que me lança neste imenso vácuo
que me entontece e me adormenta o coração

Eu quedo-me na impotência de não poder partir em tua busca
Universo fora
em cada hora em que me tem faltado a tua mão,
desde então

Eu quedo-me na impotência
de não poder te trazer de volta, para o a meu lado,
uma contingência que me deixa totalmente consternado...

Eu quedo-me na eminência de não ter capacidade
para entender as leis por que o Universo faz-se reger,
quando ele nos faz perder
uma parte tão importante da nossa essência
e até do nosso ser
Uma parte tão essencial da nossa vida,
porque o faz sem qualquer clemência,
o que deixa-nos de Alma perdida, e partida de antemão
quando faz-nos perder, sem que nos mostre uma razão,
uma pessoa que nos é assim tão querida
de um modo tão fatal
tão brutal, e tão sem compaixão

Tudo isto deixa-me abismado e ultrapassa, em muito,
aquilo que foi-me legado pela compreensão...

apsferreira

(Em memória da minha Mãe, cujo aniversário teria sido ontem)

 

www.albanosoaresferreira.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, dezembro 15, 2011 - 02:03

Poesia :

No votes yet

apsferreira

imagem de apsferreira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 44 semanas
Membro desde: 09/21/2009
Conteúdos:
Pontos: 3457

Comentários

imagem de Nostalgia

Maravilhosa dedicatória a uma

Maravilhosa dedicatória a uma mãe,
Que se pudesse lê-la, 
Estaria orgulhosa do filho que tem.

Também perdi a minha,
Já lá vão dois meses,
E saudades dela, eu já tinha

Mesmo antes de partir,
Derivado à distância
A nos dividir.

A morte é implacável,
Não escolhe a sua vítima,
Por isso, a vida é inolvidável.

Um caminho a percorrer,
Com coragem e garra
Sem desse amor esquecer.

Ela não se apagará
Do seu coração,
E assim, ela viverá.

broken heart

Parabéns pelo poema
 

 

 

 

 

imagem de apsferreira

Obrigado, Nostalgia, por a

Obrigado, Nostalgia, por a tua participação

que enriquece tanto o meu texto,

:-)

imagem de Odete Ferreira

A saudade

A saudade de seres queridos e sobretudo a impotência perante o que é da vida natural,

leva a uma surda revolta. Fica a sensibilidade de prestar tão bela homenagem em palavras de cetim!

Abraço

imagem de apsferreira

Obrigado, Odete Sinto-me

Obrigado, Odete

Sinto-me muito feliz e orgulhoso

por você ter gostado,

:-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of apsferreira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Dedicado Deixa-me Dizer-te, Meu Amor... 8 818 03/07/2012 - 16:44 Português
Poesia/Aforismo Como Sente O Poeta 6 874 03/03/2012 - 22:50 Português
Poesia/Dedicado Tu És Como A Serpente 4 964 02/24/2012 - 17:23 Português
Poesia/Dedicado O Toque de Midas 6 666 02/19/2012 - 19:02 Português
Poesia/Intervenção Crise 7 1.236 02/15/2012 - 16:52 Português
Poesia/Desilusão Tu Matas-me O Amor... 0 1.393 02/04/2012 - 16:37 Português
Poesia/Amor Eu Preciso Do Teu Amor 0 1.037 02/04/2012 - 05:11 Português
Poesia/Meditação A Tua Vida Vale A Pena...? 2 522 02/02/2012 - 15:49 Português
Poesia/Meditação Aquela Loucura, afinal... 2 688 02/02/2012 - 03:49 Português
Poesia/Meditação Para Quê Amanhcer...? 0 301 02/02/2012 - 03:35 Português
Poesia/Intervenção Povo Que Lavas No Rio 0 469 02/01/2012 - 23:34 Português
Poesia/Amor A Loucura, que Perdura no Meu Coração 2 476 02/01/2012 - 22:17 Português
Poesia/Amor Eu preciso tanto, de ti... 6 928 02/01/2012 - 01:20 Português
Poesia/Meditação Reflexão 0 568 01/29/2012 - 05:21 Português
Poesia/Fantasia Olha aí, Catraia... 2 617 01/28/2012 - 06:51 Português
Poesia/Meditação Desabafo 4 866 01/26/2012 - 11:25 Português
Poesia/Meditação Esconjuro, ao Amor 0 727 01/15/2012 - 19:37 Português
Poesia/Dedicado Assim, Que A Chuva Parar 3 823 01/14/2012 - 22:52 Português
Poesia/Aforismo Agonia 0 732 01/11/2012 - 18:03 Português
Poesia/Meditação Na Vida Tenhamos Hombridade 2 951 12/28/2011 - 01:07 Português
Poesia/Paixão O Beijo 4 589 12/28/2011 - 00:38 Português
Poesia/Amor Uma Carta, ao Meu Amor... 2 989 12/19/2011 - 23:51 Português
Poesia/Tristeza Um Dia, Sem Sol 4 1.002 12/17/2011 - 15:22 Português
Poesia/Dedicado Onde Estás, Minha Mãe...? 4 1.333 12/15/2011 - 19:15 Português
Poesia/Dedicado Para Além da Ilusão 7 936 12/15/2011 - 19:03 Português