CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

ORDENS PARA QUÊ?

Ordens para quê?

 

 

Ninguém dá ordens para se crescer,

É a Natureza que o tem que fazer,

Ela nunca se esquece, tem memória eterna,

Ela tem toda a sabedoria mas nunca estudou,

Ela é o maior sábio que Deus fabricou,

E será sempre ela quem nos governa.

 

As suas ordens serão sempre cumpridas,

Para nascer e para morrer, nunca são abolidas,

Dela pouco ou nada sabemos,

Mas pensamos que dela sabemos tudo,

Porque temos inteligência para o seu estudo,

Mas das suas atitudes nada percebemos.

 

Nascemos, crescemos e vamos vivendo,

Mas dentro do prazo ela nos vai amadurecendo,

Até que ficarmos maduros que a satisfaça,

E assim vamos vivendo na nossa ilusão,

Dentro da sua eterna reclusão,

E com um grande abraça ela nos tapa.

 

Ordens à natureza ninguém as pode dar,

Ela tem as suas regras apenas para acatar,

Mesmo que com elas não concordemos,

Apenas nos podemos proteger e nada mais,

Assim como fazem todos outros animais,

Pois as lutas com ela sempre perdemos.

 

Quem julga o homem que é para a desafiar?

Pois ele paga para viver e nela morar,

Mas a Natureza não quer renda em dinheiro,

Ela faz – se pagar apenas de outra forma,

Que é a sua única e rija norma

De nos reclamar de volta de corpo inteiro.

 

 

 

Tavira, 19 de Outubro de 2010 - Estêvão

Submited by

sexta-feira, março 8, 2013 - 12:54

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 17 semanas 3 dias
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7749

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Poesia/Meditação UM SONHO 0 836 12/21/2012 - 11:39 Português
Poesia/Geral À ESPERA DE UMA VIAGEM 0 831 08/26/2012 - 15:07 Português
Poesia/Pensamentos A JUVENTUDE PASSA 2 583 06/16/2012 - 10:49 Português
Poesia/Meditação A VOZ DO DINHEIRO 0 720 04/29/2015 - 16:14 Português
Poesia/Amor AO AMOR NÃO INTERESSA O TEMPO 0 443 02/17/2013 - 13:20 Português
Poesia/Meditação AS MINHAS PERNAS 0 645 11/29/2013 - 12:46 Português
Poesia/Meditação BRINCAR COM O FOGO 0 561 02/07/2013 - 11:38 Português
Poesia/Meditação GANHAR UM AMIGO 0 522 05/12/2013 - 11:19 Português
Prosas/Pensamentos 34- O HOMEM 6 1.683 03/21/2018 - 16:04 Português
Poesia/Meditação À LAREIRA DA FÉ 0 827 07/20/2013 - 12:28 Português
Poesia/Meditação A LUA 0 543 10/27/2012 - 00:43 Português
Poesia/Meditação A SAUDADE DÓI 0 545 06/15/2013 - 09:49 Português
Poesia/Meditação A SAUDADE DÓI 0 418 06/15/2013 - 09:50 Português
Poesia/Meditação A TERRA QUE EU PISO 0 6.377 09/10/2014 - 10:35 Português
Poesia/Meditação A ALMA TAMBÉM SANGRA 0 877 02/04/2013 - 10:57 Português
Poesia/Amor A BELA ADORMECIDA 0 1.757 04/22/2012 - 11:38 Português
Poesia/Meditação A CAÇA E O CAÇADOR 0 1.319 12/30/2015 - 10:58 Português
Poesia/Geral A CHUVA 0 411 01/24/2013 - 11:44 Português
Poesia/Meditação A CHUVA NÃO PÁRA DE CAIR 0 422 02/09/2013 - 12:50 Português
Poesia/Meditação A CONSCIÊNCIA 0 1.017 07/22/2015 - 10:28 Português
Poesia/Meditação A COR DA ALMA 0 748 10/02/2012 - 10:03 Português
Poesia/Alegria A COR DO CÉU 4 427 06/25/2012 - 13:49 Português
Poesia/Meditação A COR DO TEMPO 0 494 01/16/2013 - 11:59 Português
Poesia/Amor A COR DOS TEUS OLHOS 0 733 12/02/2012 - 18:55 Português
Poesia/Intervenção A DESGRAÇA DE UMA NAÇÃO 0 562 03/09/2016 - 12:28 Português