CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Regresso às Origens

Marta, estava deliciada com a sua menina,
Havia perdido um filho e por isso decidira a ela, dedicar a sua vida,
Já não se importava, tão pouco, quando o seu marido, ia para a jogatina,
Pois, passava o tempo todo com a sua filha, entretida.

Havia decidido criar a sua cria, fora daquela agitação,
A cidade tinha se tornado núcleo de uma forte evolução.

Os carros desfilavam na rua, potentes, roncosos, sonoros demais,
As pessoas agitavam os seus esqueletos de um lado para o outro, cheias de pressa,
Ora, era para o emprego, trabalho, casa, ou até mesmo eventos sociais,
Pareciam baratas tontas ou formigas tarefeiras, andavam todos depressa.

Não queria aquela confusão para a sua pequena,
Tinha saudades das suas origens, da sua terra, da sua casa verdadeira,
Queria sair dali, daquela casa, mesmo tendo muita pena,
E, que até Américo, achava a decisão dela, uma perfeita doideira.

Mesmo assim, foi embora,
Pegou na filha e partiu rumo à aldeia, de onde ela, nunca devia ter saído,
Pegou em meia dúzia de tarecos e roupas, e foi porta fora,
Nem sequer olhando para trás, como se tivesse, há muito tempo, ido.

 

À sua espera, tinha Maria, a sua cunhada estimada,
Entusiasmada, com a sua decisão, pois tinha ela também, uma vida sozinha,
Havia tempo, que Jacinto, não aparecia, e não a fazia sentir, sequer amada,
Havia tempo, que estava ali perdida na escuridão, calada, quietinha...

Com a vinda delas, ao menos, estaria acompanhada e protegida,
Também ela, com a morte da avó, havia sofrido,
Não, pela companhia, mas pela maneira que ela, a mantinha presa à vida...
Se não fosse por ela, muitas vezes, àquela solidão, não teria sobrevivido.

Agora e outra vez, tinha ganho alento para viver,
Tudo seria diferente, com a vinda desta criança,
A casa estaria viva outra vez, com ela de um lado para o outro, a correr,
Afinal, e para ela, haveria esperança.

 

 

 

 

 

 

 

Submited by

sexta-feira, dezembro 9, 2011 - 23:26

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

joanadarc

imagem de joanadarc
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 semanas 6 dias
Membro desde: 07/18/2011
Conteúdos:
Pontos: 1571

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of joanadarc

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos És perfeito 2 1.309 07/22/2011 - 09:27 Português
Videos/Música paixão 0 1.476 07/21/2011 - 17:46 Português
Musica/Poesia "Bem que se quis" 0 2.995 07/20/2011 - 22:13 Português
Poesia/Pensamentos Doce(nte) 4 885 07/19/2011 - 10:45 Português
Musica/Poesia Music 0 1.824 07/18/2011 - 22:05 Português
Fotos/Pessoais joana darc 0 3.112 07/18/2011 - 20:18 Português