CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

RUA XIS.


(um poema de minha mocidade, 1980}.

RUA XIS

Rua de asfalto que me leva além
Das ruas iguais, visual tal daqui
Mas nelas, indo e vindo, sou ninguém
Em rememórias de tudo que sofri...

sofri ao ver quintal com varal colorido
em favela meio tom a palácios misturados.
Povo falante, elegante, povo sofrido
Risos, apenas risos, tetos de desgraçados...

desgraçados tais genitores e meio-irmãos
De lar alegre e triste que ao tempo resiste,
recriando-se em meu olhar, no meu trajeto,
meu desencanto num furinho do concreto...

de concreto plantas perfiladas nas ruas
De mulher-comércio, ruído me faz escutar
Balada silenciosa, o entardecer recua
Quando cabisbaixo retorno ao meu lar.

Rua de asfalto que me leva além
Do particular que minha rua tem,
Outras nos levam a tantas direções
Levando conosco as mesmas emoções...

emoções tão iguais em ruas diferentes
Tão iguais que vagando a gente sente
Que a melhor rua é a rua ausente
Dos mapas traçados de nosso presente...

presente postes e semáforos por que passo;
Slogans, placas de lata, carros, poluição,
Mas a minha rua é só um pedaço
Do progresso, um grão da construção...

construção inacabada resume o vício
Dos bandoleiros, suas ciladas, o lugar
Nas ruas feias de muros grafitados
De quem faz da rua, da rua seu lar.

O que mais posso ver daqui, longe da Rua Xis
Senão sinais de riqueza, sua divisão,
Transeuntes que nunca antes eu nunca quis
Pela diferença que fere meu coração...?

meu coração um canto me faz cantar:
Rua Xis de pedra e concreto te fiz
Na cidade vazia pro mundo passar
Passando o tempo que antes eu era feliz.

(Rehgge, 1980)

Submited by

quarta-feira, junho 13, 2012 - 23:38

Poesia :

Your rating: None (6 votes)

REHGGE

imagem de REHGGE
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 semanas 6 dias
Membro desde: 06/08/2012
Conteúdos:
Pontos: 225

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of REHGGE

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza vendavais. 0 298 12/30/2019 - 20:22 Português
Poesia/Pensamentos que poema tirar da cartola. 0 404 12/27/2019 - 01:32 Português
Poesia/Arquivo de textos sr. Jones. 0 392 12/27/2019 - 01:21 Português
Prosas/Outros sr. Jones. 0 235 12/27/2019 - 01:19 Português
Poesia/Amor além da carne e dos sentidos. 4 1.132 12/22/2019 - 15:30 Português
Ministério da Poesia/Dedicado homenagem a Júlio Saraiva, maluco, poeta e jornalista 2 3.472 12/13/2019 - 15:56 Português
Poesia/Geral um toque de sensibilidade. 1 1.036 02/28/2018 - 19:20 Português
Ministério da Poesia/Fantasia QUEM SABE SE EU TIVESSE O DOM 0 3.076 05/01/2013 - 00:17 inglês
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.571 03/31/2013 - 21:11 inglês
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.291 03/31/2013 - 21:11 inglês
Poesia/Intervenção bananas, ó 0 3.328 02/12/2013 - 22:08 Português
Poesia/Geral do tempo decrescente. 0 3.097 02/12/2013 - 16:59 Português
Poesia/Erótico (in)concluso. 0 2.861 02/11/2013 - 22:38 Português
Poesia/Dedicado nem só de poemas vive o poeta, mas de todo sonho possível. 0 3.014 12/15/2012 - 22:16 Português
Poesia/Amor AREALVA 0 3.298 12/01/2012 - 23:54 Português
Ministério da Poesia/Geral mãos. 0 3.059 11/24/2012 - 16:30 Português
Poesia/Geral águas passadiças. 0 3.227 11/24/2012 - 16:18 Português
Poesia/Soneto 2 sonetos ordinários numa noite não menos ordinária no Bairro do Bixiga, SP. 0 3.329 08/11/2012 - 23:34 Português
Poesia/Intervenção da corrupção. 1 3.446 08/01/2012 - 21:31 inglês
Ministério da Poesia/Soneto à face do dia. 0 3.080 07/29/2012 - 22:07 Português
Poesia/Geral O CANTO DO UIRAPURU 0 3.235 07/27/2012 - 22:27 Português
Ministério da Poesia/Desilusão FLOR DE CACTO // flor de cactus 0 3.354 07/15/2012 - 23:42 Português
Poesia/Dedicado CANÇÃO AO MEU QUERIDO BRASIL 1 2.724 07/09/2012 - 07:02 Português
Poesia/Geral Que saudade de tudo que reside em mim 0 3.000 07/06/2012 - 22:46 Português
Poesia/Soneto POR QUE A VIDA É ASSIM 0 3.125 06/29/2012 - 22:57 Português