CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Tudo

Imaginam que sou imune,
não importa para onde rume.
Mas abaixo do cartaz de "não fume"
pressinto teu perfume
e reviro meu ciúme.
Como noite sem vagalume,
choro sem queixume.

A você me dei
como nunca fizera,
pois só tu, agora sei,
é meu Tempo e minha Era.

Por ti eu soube o que é felicidade.
Tu fostes o afeto derradeiro
e o destino desse meu paradeiro.
Por você eu soube do amor verdadeiro
e do afeto nesse doce cativeiro.

Teu sorriso preencheu minha vida,
adiando a hora da partida.
Se outra fonte secou,
contigo outro tempo chegou.
E mesmo que digam: não!
Insistirei no tema,
pois é inútil brigar com a pena
que sempre te descreve como Poema.

Por tudo isso, só a ti eu leio,
és meu fim e meu meio.
Livro raro. Raro livro,
minha paixão e meu motivo.

Pelos caminhos que já andei,
pelas cruzes que já carreguei
e pelas sementes que plantei,
hoje sei:
tú me fizestes rei.

Mas a beleza do instante foi frágil,
e a voracidade da feiúra foi ágil.
Mas o que fiz? Por que aquela incúria,
por que o pavor daquela fúria?

Um silêncio me barra.
A dor, em tudo esbarra.
Ainda carrego a aliança,
ainda carrego a esperança
que tu saias das fotografias
e de novo habites os meus dias.

Agora que entardeci,
resta-me a impressão
do que já padeci
e daquilo de que já ri.
Dos desejos que senti,
de tua beleza que eu vi
e de tua voz que ouvi.
E do amor que por ti senti.

Tu me destes a ventura havida.
Dela, guardo o possivel
para esquecer o horrível
pesadelo de tua ida.

Agora vago entre o tédio da rotina,
o opaco na retina
e o vicio da nicotina.
Esperando pela mão assassina,
ou pelo convite da estrecnina;
ou a fuga pela heroína.
Inútil tentar Macunaíma,
pois estão mortos os heróis.
Na noite ti perdi, entre outros faróis.

Submited by

sábado, janeiro 23, 2010 - 18:50

Poesia :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 4 anos 32 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Comentários

imagem de MarneDulinski

Re: Tudo

MARAVILHA DE POEMA, GOSTEI DEMAIS!
ENTRE TANTAS ESTROFES LINDAS, QUE ME DEIXARAM NA DÚVIDA, QUAL É A MAIS LINDA, ESCOLHI ESTA
Teu sorriso preencheu minha vida,
adiando a hora da partida.
Se outra fonte secou,
contigo outro tempo chegou.
E mesmo que digam: não!
Insistirei no tema,
pois é inútil brigar com a pena
que sempre te descreve como Poema.

Meus parabéns, fabiovillela, por tão lindo Poema!
Marne

imagem de FlaviaAssaife

Re: Tudo

Fábio,

Forte e intenso. Talvez mostre um pocuo do que vai no teu interior tão sofrido...

Bj

imagem de emiliafigueiredo

Re: Tudo

O MEU QUERIDO AMIGO TUDO INDICA QUE ESSE AMOR VAI MORRER CONTIGO!COMO EU GOSTAVA DE TE VER FELIZ!LINDOS POEMAS OS QUE ESCREVES MAS SEMPRE NESSA NOSTALGIA DA TUA AMADA LILIANE ABRAÇO MILA

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Poesia As Cidades e as Guerras - A Canção de Saigon 0 7.249 11/20/2014 - 15:05 Português
Videos/Poesia As Cidades e as Guerras - A Canção de Bagdá 0 6.162 11/20/2014 - 15:02 Português
Videos/Poesia As Cidades e as Guerras - A Canção de Sarajevo 0 8.722 11/20/2014 - 14:58 Português
Poesia/Dedicado Negra Graça Poesia 0 847 11/20/2014 - 14:54 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Final - O Contrato Social 0 955 11/19/2014 - 21:02 Português
Poesia/Dedicado A Pedra de Luz 0 634 11/18/2014 - 15:17 Português
Poesia/Amor Chegada 0 1.028 11/16/2014 - 15:33 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XIX - A Liberdade Civil 0 571 11/15/2014 - 22:04 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XVIII - A teoria da Vontade Geral 0 1.014 11/15/2014 - 22:01 Português
Poesia/Dedicado Partidas 0 1.078 11/14/2014 - 16:13 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XVII - A transição para a Liberdade Civil 0 488 11/14/2014 - 15:06 Português
Poesia/Amor Diferenças 0 718 11/13/2014 - 21:25 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XVI - A Liberdade Natural 0 1.128 11/12/2014 - 14:46 Português
Poesia/Amor Tramas 0 845 11/11/2014 - 01:47 Português
Poesia/Geral A mulher que anda nua 0 956 11/09/2014 - 16:08 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XV - Emílio e a pedagogia rousseauniana 0 1.171 11/09/2014 - 15:21 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XIV - A transição para o Estado de Civilização 0 595 11/08/2014 - 15:57 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XIII - O homem no "Estado de Natureza" 0 581 11/06/2014 - 22:00 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XII - As Artes e as Ciências 0 404 11/05/2014 - 19:47 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XII - A Religião 0 738 11/03/2014 - 14:58 Português
Poesia/Geral Os Finados 0 762 11/02/2014 - 15:39 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte XI - O amor e o ódio 0 460 11/01/2014 - 15:35 Português
Poesia/Geral A Canção de Bagdá 0 815 10/31/2014 - 15:04 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte X - As grandes linhas do Pensamento rousseauniano 0 626 10/30/2014 - 21:13 Português
Prosas/Outros Rousseau e o Romantismo - Parte IX - A estada na Inglaterra e a desavença com Hume 0 1.111 10/29/2014 - 14:28 Português