CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

VENTO DE VOZES LENTAS …

A noite espalha-se pelo meu olhar
como um arfar que tudo pinta e despinta.

Entorna-se sobre o meu pensar como caos inerte.

Agita-se no meu estar
como leves passos a queimar as quimeras
numa multidão de feras perdidas nos meus braços.

Palavras desaparecidas… rasgadas folhas de Outono.

Tons tristes como bagaços mortos
onde os olhos remam amargas correntes,
onde se afundam moribundas mãos em dor.

Cai o céu como um véu sobre as primaveras
de uma fogueira acesa em grito.

As estrelas murmuram o tempo como fantasia
em espontânea ardência onde me vejo.

Versos despedaçados,
como malmequeres desfolhados em pranto.

Mendigo instante a rastejar o silêncio,
solidão que o luar atalha e beija,
tilintares de amar em vão.

Vento de vozes lentas,
desdenhos exaustos sobre a pele do ar,
mar de cantigas entontecidas por urtigas.

Brumas serpenteadas em delírio,
gestos torturados por tanta mágoa,
gotas de água suja onde torpeça a minha sede.

Sombra de anseios e eternidades,
orlas findas na miséria,
almas adormecidas.

Tanto saber que a nada sabe,
tanta procura por encontrar em mim.

Miragens,
faróis de gente
flutuando ao acaso pelas poeiras do ser.

.
.
.
.

Submited by

sábado, dezembro 29, 2012 - 21:44

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 5 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.984 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.606 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.215 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.136 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.984 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.007 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.683 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.681 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.420 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.826 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.246 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.362 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.626 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.816 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.158 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.870 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.737 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.746 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.917 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.558 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.463 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.386 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.425 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.751 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.656 01/16/2015 - 20:47 Português