CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Verão de Março

O vagabundo joga às palavras cruzadas
No jornal de ontem que encontrou no lixo
Deitado num cobertor roxo, florido,
Descalço numa montra de uma loja
Eu passo por ele
E olho para os seus pequenos olhos negros
Enquanto subo a Avenida dos Aliados
Com o meu casaco já velho e gasto
Usado sabe-se lá por quem
Com histórias em cada marca surrada pelo tempo
De décadas já vividas por aquele casaco castanho
Comprado numa loja de roupa em segunda mão
A fumar um cigarro com tabaco de enrolar
É mais barato e poupa-se uns trocos
Para beber umas cervejas
E sinto-me bem
Nesta tarde de verão em Março
Com o vento quente a soprar
Uma brisa carinhosa
Pelas artérias da cidade suja
Onde toda ela é jazz
Grupos de negros acompanhados com os seus sacos de plásticos
Falam e riem nas esquinas dos edifícios
Com as suas vestes cheias de exotismo africano
A burguesia espreguiça os seus lamentos
Nos poucos cafés abertos
E fala de arte, literatura, e música
Mas não entende os seus significados
Forma-se um riso de fachada
Vaidade ignorante
Sempre a olhar pelo canto do olho
A ver se os outros reparam
Na vida alternativa como eles dizem
Que levam
Vida onde parece que tudo está bem
Não me perguntem o que fazem para existir
Neste mundo atómico de frieza e crueldade
Que não vos sei responder
Mas tudo é tão belo
Quando a tarde chega ao fim
Veteranas prostitutas sentadas nos degraus da pensão
Outras com o pé na parede branca
A fumar cigarros
Esperando clientes
Mas o único que aparece é o tempo
Que elas já tão bem conhecem
E não as larga
Deixando marcas nos seus rostos
Nos vestidos
Já fora de moda
E nos corpos ressequidos
Sem esperança
O Porto morre
Nos braços de famílias que se passeiam
Aliás, agoniza-se durante a semana
De forma lenta e macabra
Até que assina a sua sentença de morte
Ao Domingo
É certo
Não podemos fazer nada
Está calor e as roupas secam nas varandas
Da Rua do Almada
Um gato aproveita os últimos raios de sol
E lambe-se deitado num caixote de lixo verde
Fantasmas assombram o busto de António Nobre na Cordoaria

Dizia ele
Mas na morte que lhe foi imposta
Celebrou a sua grandeza
Agora as ninfas e deusas que não teve
Todas as noites o beijam e acarinham
As estrelas brilham com mais força
Um lampião que se esqueceu de iluminar
Acende-se
O esplendor aparece
Eu acabo com o whiskey barato
Da minha garrafa de bolso
E deito-me no meu pequeno quarto
A pensar
De repente lembro-me de ti
E tudo se torna num sono de saudade
 

Submited by

segunda-feira, março 28, 2011 - 17:48
No votes yet

jgff

imagem de jgff
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 46 semanas
Membro desde: 07/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 176

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of jgff

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Arquivo de textos Levanta-se 0 305 03/28/2011 - 17:42 Português
Poesia/Arquivo de textos À noite no mesmo bar 0 434 03/28/2011 - 17:42 Português
Poesia/Arquivo de textos Solidão que se vê nos factos 0 341 03/28/2011 - 17:39 Português
Poesia/Arquivo de textos Uma rua, uma resposta 0 288 03/28/2011 - 17:38 Português
Poesia/Arquivo de textos O beijo num bar 0 313 03/28/2011 - 17:36 Português
Poesia/Arquivo de textos Uma resposta fugitiva 0 445 03/28/2011 - 17:34 Português
Fotos/ - 1827 0 379 11/23/2010 - 23:40 Português
Poesia/Geral Poemas 0 243 11/17/2010 - 23:04 Português
Poesia/Geral Poemas 1 183 09/30/2009 - 09:32 Português
Poesia/Geral Poemas 2 200 09/28/2009 - 16:19 Português