CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A CURVA DO RIO QUE FOI

***

à poetisa Claudia Alheli Castillo, a Claudinha,
consagro.

* * *

A CURVA DO RIO QUE FOI

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Onde o curiango faz ninhada
E a sucuri sua caçada

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Onde nasce a alvorada
E os peixes saem das locas antes
Num balé na madrugada

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Onde à sombra da noite
A chuva fina deságua
Em torrente
Sobre o barquinho
Que trouxe minha mágoa

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Onde os raios vívidos
Luminam a invernada
E os bichos acordam
Em pinotes fazem serenata

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Meio fio
Da saudade que ficou
Se a vi sumir depois da curva
E beleza de meus olhos levou

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio
Debaixo da frondosa palmeira
Bem no fundo
Pra em paz não ver mais
Teu aceno de adeus
Que na curva do rio se foi
Como onda passageira

Quando eu morrer
Quero ser enterrado
Na curva daquele rio,
Tanta vida lá presente
Vejo-me lá
Daqui da vida ausente

***

Submited by

sexta-feira, junho 22, 2012 - 22:20

Poesia :

Your rating: None (3 votes)

REHGGE

imagem de REHGGE
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 semanas 4 dias
Membro desde: 06/08/2012
Conteúdos:
Pontos: 225

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of REHGGE

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza vendavais. 0 297 12/30/2019 - 20:22 Português
Poesia/Pensamentos que poema tirar da cartola. 0 404 12/27/2019 - 01:32 Português
Poesia/Arquivo de textos sr. Jones. 0 392 12/27/2019 - 01:21 Português
Prosas/Outros sr. Jones. 0 233 12/27/2019 - 01:19 Português
Poesia/Amor além da carne e dos sentidos. 4 1.131 12/22/2019 - 15:30 Português
Ministério da Poesia/Dedicado homenagem a Júlio Saraiva, maluco, poeta e jornalista 2 3.471 12/13/2019 - 15:56 Português
Poesia/Geral um toque de sensibilidade. 1 1.035 02/28/2018 - 19:20 Português
Ministério da Poesia/Fantasia QUEM SABE SE EU TIVESSE O DOM 0 3.074 05/01/2013 - 00:17 inglês
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.567 03/31/2013 - 21:11 inglês
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.291 03/31/2013 - 21:11 inglês
Poesia/Intervenção bananas, ó 0 3.327 02/12/2013 - 22:08 Português
Poesia/Geral do tempo decrescente. 0 3.097 02/12/2013 - 16:59 Português
Poesia/Erótico (in)concluso. 0 2.860 02/11/2013 - 22:38 Português
Poesia/Dedicado nem só de poemas vive o poeta, mas de todo sonho possível. 0 3.013 12/15/2012 - 22:16 Português
Poesia/Amor AREALVA 0 3.297 12/01/2012 - 23:54 Português
Ministério da Poesia/Geral mãos. 0 3.059 11/24/2012 - 16:30 Português
Poesia/Geral águas passadiças. 0 3.226 11/24/2012 - 16:18 Português
Poesia/Soneto 2 sonetos ordinários numa noite não menos ordinária no Bairro do Bixiga, SP. 0 3.329 08/11/2012 - 23:34 Português
Poesia/Intervenção da corrupção. 1 3.446 08/01/2012 - 21:31 inglês
Ministério da Poesia/Soneto à face do dia. 0 3.080 07/29/2012 - 22:07 Português
Poesia/Geral O CANTO DO UIRAPURU 0 3.234 07/27/2012 - 22:27 Português
Ministério da Poesia/Desilusão FLOR DE CACTO // flor de cactus 0 3.354 07/15/2012 - 23:42 Português
Poesia/Dedicado CANÇÃO AO MEU QUERIDO BRASIL 1 2.724 07/09/2012 - 07:02 Português
Poesia/Geral Que saudade de tudo que reside em mim 0 3.000 07/06/2012 - 22:46 Português
Poesia/Soneto POR QUE A VIDA É ASSIM 0 3.124 06/29/2012 - 22:57 Português