CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Óperas, guia para iniciantes - A FLAUTA MÁGICA - Personagens e Prefácio


 

Autoria – Mozart (Wolfgang Amadeus – 1756-1791 – Áustria)
Libreto – Emmanuel Schikaneder.


Personagens:

Rainha da Noite – interpretada por uma Soprano.

Tamino, o príncipe – interpretado por um Tenor.

As três damas, Aias da Rainha da Noite - interpretadas por duas Sopranos e uma Mezzo Soprano.

Papageno – interpretado por um Barítono.

Monostatos – interpretado por um Tenor.

Pamina, a princesa – interpretada por uma Soprano.

Três gênios – interpretados por uma Soprano, uma Mezzo Soprano e uma Contralto.

Dois sacerdotes – interpretados por um Tenor e um Baixo.

Sarastro – o Grão Sacerdote, interpretado por um Baixo.

O orador – interpretado por um Baixo.

Papagena – interpretada por uma Soprano.


Época e local

Egito, num local próximo aos templos da deusa Isis e do deus Osíris. Passado remoto.

Prefácio

Além de sua beleza superior, essa obra de Mozart também se destaca por outras particularidades, sendo a primeira delas, o fato de não derivar doutra obra pré-existente, como é habitual ao gênero.

Baseada apenas na concepção do compositor e do libretista, o célebre Schikaneder – ousado aventureiro, talentoso poeta, bem sucedido empresário e maçom rigoroso – ela apresenta (ria), segundo alguns eruditos, uma segunda particularidade por estar a serviço de certos ideais políticos e filosóficos.

Conforme Nathan Broder, autor de um importante livro sobre as operas mozartianas, a simbologia que impregna o texto, os cenários, os figurinos etc. prestou-se para diversas opiniões, como, por exemplo, à dos alemães da década de 1790, que analisaram a obra sob a perspectiva da Revolução Francesa e, por isso, equipararam a Rainha da Noite ao déspota Luis XVI; Tamino ao povo; Pamina à liberdade; Papageno aos ricos (talvez em razão de sua plumagem) etc. Aliás, essa visão germânica, fazia de Mozart e do libretista “verdadeiros artistas guerreiros pela liberdade”. Por outro lado, na conservadora Áustria, a Rainha da Noite, o símbolo do mal, seria a representação da Filosofia jacobina, cuja filha, a República, seria salva, paradoxalmente, por um príncipe; ou seja, por um membro da Monarquia. Outras correntes viam a Ópera como um relato metafórico da Maçonaria daquele tempo, sendo a Rainha da Noite Maria Tereza (Valburga Amália Cristina, 1717-1789, Imperatriz da Áustria); Monostatos¸ os padres jesuítas; Tamino¸ José II (Imperador da Áustria – 1741-1780); Pamina, o povo austríaco e Sarastro, o célebre e estudioso chefe dos maçons de Viena, Ignaz Von Born etc.

Contudo, essa tendência de “ver” no texto e na música significados ocultos foi diminuindo com o passar do tempo e atualmente a Ópera é vista apenas como ela sempre foi: uma das magníficas contribuições do gênio mozartiano à Cultura do mundo.

Uma obra que atinge o grande público através de vários formatos e que deixa em cada um a satisfação de ter presenciado um dos ápices da criação artística.
 


São Paulo, 12 de março de 2015.

Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, Verão de 2015.

Submited by

quinta-feira, março 12, 2015 - 20:41

Prosas :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 27 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 1.937 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.473 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.328 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.368 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.433 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 1.647 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.732 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.595 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.435 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.438 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.425 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 1.750 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.190 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.088 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 1.980 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.366 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.291 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.142 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.512 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.407 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.584 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.372 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.458 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 869 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.065 12/12/2015 - 16:54 Português