CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Óperas, guia para iniciantes - O BARBEIRO DE SEVILHA - Resenhas.


Histórico
 
A crítica à Sociedade foi uma vertente muito ativa na literatura dos séculos XVII e XVIII, num reflexo direto das novas ideias Iluministas que escancararam as injustas condições em que vivia o povo, em contraponto aos privilégios gozados pela aristocracia, pelo clero e por outras camadas privilegiadas.
E dentre vários autores que se especializaram nesse segmento brilhou o talento de Beaumarchais (Pierre-Augustin Caronde, 1732-1799, França) que além de outros reconhecimentos, teve duas de suas três sátiras de costumes transformadas em óperas por composito-res de escol como Paisiello (Giovanni Battista, 1740-1816, Itália atual) e Rossini que fizeram a primeira, “O Barbeiro de Sevilha”; e Mozart que se encarre-gou da segunda, “As Bodas de Fígaro”, uma conti-nuação da primeira.

A obra de Beaumarchais foi publicada pela primeira vez em 1775 e já no ano seguinte, 1776, foi levada à cena lírica por Paisiello que à época desfrutava de muito prestígio, embora hoje esteja semiesquecido, tal qual a sua versão.

Porém, quando Rossini, em 1816, pretendeu fazer nova Ópera sobre a comédia de Fígaro, foi naquela primeira versão que ele buscou o suporte de que necessitava para compor uma das óperas que mais se destacaram em todos os tempos, como bem se vê nos dias atuais pelo arrebatamento que ainda causa em críticos especializados, em simples diletantes e, até, no público leigo.

O processo de recriação da peça de Paisiello não foi uma tarefa fácil para Rossini em razão do prestígio daquele compositor e das inevitáveis cobranças e comparações que o seu trabalho suscitava.

Todavia, graças a sua genialidade, ele concluiu parcialmente o trabalho em apenas uma quinzena. A exiguidade de tempo não foi uma opção sua, devendo-se mais ao curto prazo que lhe foi conce-dido pelo Duque Cesarini que contava estrear du-as* peças no Carnaval daquele ano, previsto para meados de fevereiro.

E a pressa no processo deu azo para a ocorrência de vários acontecimentos singulares e até hilários, como, por exemplo:

1) Embora trabalhasse arduamente, Rossini não conseguiu apresentar para a noite de estreia a “Abertura” da Ópera e usou, então, a “Abertura” de outra obra, “Elizabeth, Rai-nha da Inglaterra”, que havia sido encenada anos antes, com pouca repercussão e que estava esquecida na ocasião. O fato hilário foi que vários autoproclamados “entendi-dos”, “eruditos”, “especialistas” etc. viram (sic) naquela Abertura postiça, vários ele-mentos e personagens de “O Barbeiro”. No-te-se, pois, que a prepotente jactância por presumida erudição não é um fenômeno dos dias de hoje, sendo um pecado tão antigo, quanto à história do homem...

2) E as “trocas”, os “empréstimos” não se res-tringiram a esse fato, pois algumas Árias de outras obras também foram usadas, como, por exemplo, “Ecco Ridente in Ciello” que originalmente pertence a “Aureliano em Palmira” e a famosa “La Calunnia” que compõe o acervo de “Sigismondo”...

3) Ademais a ária cantada na cena “Lição de Música” acabou tendo a sua partitura extra-viada e como Rossini recusou-se a escrever outra, até hoje os Sopranos são liberados para executarem a ária que lhes agradar, com a única exigência de que tenha alguma relação com o contexto.
Improvisações que acrescentaram um sabor mais picante ao prazer de se escutar a obra-prima de um jovem de vinte e quatro anos de idade que soube, como raríssimos, dar ao Mundo um de seus mais belos momentos.

Nota do Autor – A primeira obra para o evento foi “Torvaldo e Doliska” que atualmente está esquecida; sendo a segunda a inesquecível “O Barbeiro de Sevilha”, que desde a sua estreia no Teatro Argentina, em Roma, conquistou a admiração geral.

 

São Paulo, 28 de fevereiro de 2015.

Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, Verão de 2015.

Submited by

sábado, fevereiro 28, 2015 - 16:44

Prosas :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 26 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 1.928 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.465 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.322 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.364 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.423 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 1.636 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.723 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.588 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.420 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.421 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.407 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 1.737 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.187 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.075 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 1.973 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.352 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.282 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.133 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.501 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.391 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.575 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.363 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.450 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 857 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.054 12/12/2015 - 16:54 Português