CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Encontro fatal

Morava na mesma rua. Quase na frente um do outro. Nunca se encontraram. Ela saia logo cedo toda manhã e ficava até o final da tarde no serviço. A noite estudava para o concurso. Não era de sair nos finais de semana e não tinha muitas amizades. Ele acordava sempre tarde. Passava quase a noite toda jogando e bebendo com os amigos. A casa estava quase sempre cheia de pessoas. Um vai e vem cotidiano.
Ela gostava de escrever cartas pessoais, poemas e diários. Ele mal sabia escrever o próprio nome. Abandonara a escola logo cedo e não quis nem saber de estudar. Ela sempre trabalhou e, com o passar dos anos conseguira economizar uma pequena quantia que a ajudaria a fazer a faculdade. Tinha perdido os pais ainda criança e sempre deu um jeito de vencer na vida apesar das intempéries. Ele havia saído de casa e recebia uma pensão dos pais que tinha boa vida financeira.
Ele não pretendia sair aquele dia. Tinha marcado com uns amigos para fazerem uma festinha com umas meninas e as esperavam. Ela tinha tirado o dia para descansar. Era ponto facultativo e no dia seguinte era feriado.
Ela recebeu uma ligação para que fosse até o serviço terminar um arquivo que ficara pendente e que deveria ser enviado o mais urgente possível. Saiu em sua moto biz rumo ao serviço.
Ele olhou para seus amigos que reclamavam da cerveja e da carne dizendo que não daria para a festinha que haviam planejado. Ficou enfurecido e falou que iria buscar mais. Saiu em sua camionete.
Ela tentou desviar da criança que atravessou a rua. Na velocidade que vinha, a moto subiu à calçada e o atingiu quando saia da loja de bebidas com um engradado de cerveja. Com o impacto os dois caíram estirados no chão. Curiosos e pessoas próximas os ajudaram até a chegada do socorro médico.
Ambos foram atendidos no mesmo hospital em estado grave. Ele quebrou algumas costelas e teve o pulmão perfurado. Ela sofreu fraturas expostas em uma das pernas e um dos braços.
Foi no corredor do hospital, dias depois, que se conheceram. Conversaram bastante e marcaram de sair quando recebessem alta do hospital.
Saíram a tarde e foram ver o por do sol na beira do rio. Depois partiram para uma lanchonete. Conversaram bastante e na volta ela deu-lhe uma carona em sua moto. Estavam parados no último semáforo antes de chegaram em suas casas quando foram atropelados pelos fugitivos que eram perseguidos pela polícia.
Agora dois corpos são sepultados um na frente do outro.

Texto: Odair José, o Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

quarta-feira, maio 2, 2018 - 03:25

Prosas :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 21 horas 12 minutos
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 3267

Comentários

imagem de Nyrleon

Gostei, bem levado.

Gostei, bem levado.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Poesia/Tristeza Borboleta 0 531 05/19/2015 - 18:43 Português
Críticas/Jogos Brasil! Ame-o ou deixe-o! 0 722 05/30/2014 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos Buraco negro de uma eterna solidão 0 151 12/27/2018 - 20:13 Português
Poesia/Amor Busco o seu olhar na minha mente 0 14 03/22/2019 - 18:39 Português
Poesia/Geral Cáceres - Paixão de Poeta 1 812 03/05/2010 - 03:37 Português
Poesia/Dedicado Cáceres - Paixão de Poeta 0 910 07/29/2015 - 14:20 Português
Poesia/Dedicado Cáceres 231 anos - Parabéns Princesa! 4 469 10/06/2009 - 21:34 Português
Prosas/Outros Cáceres 231 anos! 0 679 11/18/2010 - 22:51 Português
Poesia/Alegria Cáceres em versos e reversos 0 612 07/14/2015 - 22:37 Português
Poesia/Amor Cada minuto 1 374 07/13/2014 - 23:04 Português
Poesia/Amor Cada minuto 0 460 09/12/2014 - 00:43 Português
Poesia/Amor Cada verso é uma gota de suor 0 531 05/29/2014 - 19:23 Português
Poesia/Meditação Cadáveres ambulante 1 1.022 06/23/2010 - 19:21 Português
Poesia/Desilusão Caminhos 2 526 07/17/2010 - 22:23 Português
Poesia/Desilusão Caminhos Diferentes 1 640 06/21/2009 - 06:32 Português
Poesia/Canção Canção do não retorno 6 988 07/22/2009 - 19:46 Português
Poesia/Tristeza Castigo ou maldade? 4 390 07/28/2009 - 12:38 Português
Poesia/Tristeza Cativo às amarras da saudade 1 618 05/12/2010 - 19:42 Português
Poesia/Desilusão Cativo às amarras da saudade 0 88 02/04/2019 - 23:27 Português
Poesia/Amor Chegada e partida 0 767 06/18/2011 - 00:32 Português
Prosas/Pensamentos Cidade sem Cabaré 1 717 04/29/2010 - 20:35 Português
Prosas/Contos Coisas do Amor 0 937 01/21/2011 - 20:01 Português
Poesia/Amor Colapso 2 430 05/29/2014 - 19:12 Português
Poesia/Amor Como disfarçar este sentimento? 0 561 05/09/2015 - 00:36 Português
Poesia/Canção Como Esquecer? 1 707 06/28/2009 - 04:57 Português