CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

III – Os apeadeiros são de partir não de ficar

 
Hora e lugar marcado lugar de partidas e chegadas de pessoas sozinhas a fazerem-se acompanhar em multidões anónimas sentem-se menos sós bancos frios desapossados de nada repletos de gente que se levanta sai ignora olha sorri mente com o cúmulo da certeza a serem conhecidos de uma outra hora outras horas mais redundantes e coloridas atravessam estações. Era noite gelada como se o frio trepasse por nós acima a fazer estremecer o coração aquecido por palavras sonhos enlaces de nada a serem tudo preenchiam carruagens vazias. Desencontro. Estou aqui em frente a X vou até aí. Caminhos circulares em desencontro ofegante suspenso no tempo e nas partículas de humidade a encherem razões. Estavas em frente a Y e do X ao Y corri ao telefone presa ao calor da tua voz e do momento. Vi-te de costas sombras negras a cobrir a calçada estou a ver-te viras-te enterneceste-te. Disfarçaste. Enterneci-me disfarcei banalidades encontros de apeadeiros de partidas e chegadas onde ninguém fica.

Partimos.
 
Cumplicidades atípicas normalizadas por memórias que não existiam ou talvez sim talvez sim. Não. Talvez sim. O olhar a estrada a correr o mar holofotes de luzes a rasgar a noite sorrisos derretiam ao luar ali dentro longe da luz do frio do rumor da tempestade.

- É o teu namorado não é?
- Hum? Quem?
- Ele, é que é o teu namorado.
- Ahh, errrr não não, ele? Ahahah não. Somos amigos apenas.
- Mas ele gosta de ti.
- Não, acho que não.
- Gosta gosta. Vê-se pela maneira como te olha.
- Hum? Como? Qual maneira? Olha normal como tu.
- Não não. Nota-se que gosta de ti, vê-se. Gosta. E muito.
 
Sorri. Apenas sorri. Sim o encantamento estava ali bem visível. Eramos amantes mesmo antes de o sabermos ou estarmos ou sermos ou caso haja uma alínea no Manuscrito das Relações, assim daquelas em letras pequenas para ninguém ler:
 
“Há amantes que o são sem saberem mas são a sentir por serem mais além pertencerem à classe do inimaginável do improvável do amor súbito e inaudito que assombra e persegue. Há.”
 
E se assim essa alínea existir. Há. Mil e uma centena milhares de anos a caminhar lado a lado ora cruzando estradas ou vogando em pontes trémulas e extintas.

Reencontram-se.
 
Cumplicidades amores ao toque toques de pele na pele a fundir paixões. Estrada mais estrada e luzes a rasgar a noite impassíveis à nossa passagem e o frio a gelar os ossos de coração a escaldar de febre descontrolada a controlar rumos de navios abandonados à deriva cá dentro. Ternuras a saltar pelas têmporas a serem contidas retidas distantes à força sem sucesso tão perto demasiadamente perto explodem em palavras abafadas ao som inesperado de Novelos da Paixão a suster suster-nos a descambar derreter para ficar ficarmos pararmos o tempo ali parar eternidades. Tenho que ir. Olhas-me. Dá-me um abraço. Tenho de ir. O tempo parou parou parou suspiros morreram morreram ali em nós sem respirar na força na intensidade na alegria no fulgor do momento que não estávamos a acreditar não acredito não pode ser isto não está a acontecer. Se pudesse ter-te-ia dissolvido no meu corpo ficar contigo ou tu comigo assim um só a serem dois. Não é justo ir embora partir para não voltar virar as costas para não chorar perder as peças de nós nos passos da noite daquela noite um último olhar virar as costas sair conter conter parar.

Respira segue não olhes para trás adeus A adeus seguir M voar a não sentir O chão fechar a porta subir escadas fechar T a porta ainda aí estás vontade de voltar abrir a porta descer a correr as escadas abrir a porta correr para ti voltar aos teus braços esquecer o mundo E aos teus abraços esquecer que existimos um sem o outro guardar guardar-te fechar a porta.
 
Fui-me deitar.

Não sei se dormi se sonhei se acordei se fechei sequer os olhos ao som da tua voz. Ficámos abraçados assim aquecidos suspensos nas horas que pararam no tempo que não existe. Existe.
 
Acordámos?

Submited by

quarta-feira, novembro 14, 2012 - 05:31

Prosas :

No votes yet

Inesofia

imagem de Inesofia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 39 semanas
Membro desde: 11/30/2009
Conteúdos:
Pontos: 141

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Inesofia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Romance I – Blue Raincoat de intermitências a sós 0 698 07/08/2014 - 03:12 Português
Prosas/Romance V – What a mess i leave run run 0 512 06/02/2013 - 22:01 Português
Poesia/Amor ...(a)mais 2 596 04/13/2013 - 00:57 Português
Prosas/Contos II – Dei os beijinhos todos ao Bu 0 462 04/12/2013 - 18:58 Português
Poesia/Amor ...(in)fusões 0 479 02/08/2013 - 07:49 Português
Poesia/Paixão ...(â)magos dos sentidos 2 784 12/20/2012 - 14:37 Português
Prosas/Romance V – You gave me songs to sing 0 720 12/18/2012 - 06:39 Português
Prosas/Romance III – Os apeadeiros são de partir não de ficar 0 516 11/14/2012 - 05:31 Português
Pintura/Figurativo "Curtains" by IGarcia 0 1.280 11/02/2012 - 04:31 Português
Prosas/Contos Bateu a meia-noite no relógio de parede (IV) 0 767 11/02/2012 - 04:16 Português
Pintura/Figurativo "À Flor da Pele" 0 1.084 09/25/2012 - 08:32 Português
Prosas/Contos Intimidades (in memoriam of...) 0 832 09/25/2012 - 07:49 Português
Prosas/Romance A Incógnita de nós 0 605 09/25/2012 - 07:37 Português
Videos/Arte ...Poison (audio-video-art) 0 1.169 08/17/2012 - 04:22 Português
Poesia/Desilusão (Tr)ause(u)nte 0 507 08/02/2012 - 04:33 Português
Videos/Arte ...its dark outside 0 1.124 08/02/2012 - 04:31 Português
Videos/Arte ...fica 0 1.375 07/11/2012 - 03:15 Português
Poesia/Amor ...fica 1 916 06/30/2012 - 08:19 Português
Poesia/Pensamentos ...its dark outside 0 1.005 06/06/2012 - 00:53 Português
Poesia/Pensamentos ...in veritas satire 0 716 05/08/2012 - 03:44 Português
Poesia/Amor Keep(it) 1 585 04/28/2012 - 22:28 Português
Poesia/Amor ...intimacy - take one 1 938 04/13/2012 - 20:02 Português
Poesia/Geral Spaces between... 1 618 04/01/2012 - 15:23 Português
Poesia/Amor ...D(e)ar 2 732 03/29/2012 - 22:49 Português
Poesia/Pensamentos ...poison 2 723 03/24/2012 - 17:16 Português