CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Lavo as Mãos Como Pilatos

Se por todas as razões que desconheço, me encontrar paralisada quando chegar o momento de me dividir em duas, nada me espanta, pois já nada me resta, a não ser algumas gotas de suor morno, que me escorrem pela face rugosa e negra de um cansaço que me segue, desde que o mundo é mundo. Na terra, jaz morto um pedaço da minha fome, e já nada me pertence, sempre que olho o céu e o encontro acoplado a uma abóbada colorida pronta para me dar as boas vindas, e a quem se quiser encontrar comigo, para se inteirar de um mundo que só espera morrer para remissão dos seus pecados. Se por algum motivo, chegar até mim a abundância, tomarei nas minhas mãos as rédeas de um sonho acostumado a viajar no espaço, ocupando-me das coisas mais singelas que a vida tem.

Deus, foi raras vezes um companheiro fiel, pois depositou em mim toda a esperança de me poder sentir eu própria, o resgate de todas as manhãs e me redimir de todos os cansaços impostos por outra face de um mundo que espera e desespera por encontros finais. Mas em verdade me foi dito, que estes encontros nem sempre se assemelham a causas determinantes esventradas da terra e apadroadas por rostos cansados pelo movimento que a circunda. O efeito esvoaçante que vestiu o Homem e o depositou em terra firme, trouxe novas formas de pensar, construídas e edificadas a partir da Fonte, mas a terra não se conseguiu manter no seu movimento de rotação e desfez-se em pedaços, para que cada um deles, representasse a verdade, que tomada ou recebida, seria uma parte do nosso corpo aberto ao tratado do Universo.

As águas das nascentes já irrigam os campos, e nas searas, o trigo desponta dourado como o sol do verão. Há um renascer das madrugadas, sempre que me fixar nesta era que me pertence, tanto quanto me pertenceu, aquele que se fez Homem-Deus no meio de todos os homens e mulheres que o seguiram, e após, o vestiram de luto. As suas vestes eram de puro linho e a sua casa era de pura argamassa, e o meu corpo sofria por todas as noites que passavam, sem lhe poder dizer, que também aqui, morava alguém, e que apesar das vestes bordadas a ouro, havia uma inflexão dos movimentos de um corpo, quase a morrer de sede. Na verdade, serão precisos registos próprios de ADN, capazes de humedecer os sentidos, e os adubar para a longa viagem que finalizará o todo universal do meu corpo, mas continuo lavando as minhas mãos, tal como Pilatos, naquele tempo em que os rios irrigavam as oliveiras, e as preparavam para os novos frutos que dariam luz ao novo mundo.

(A Voz do SiLêncio)

Submited by

quarta-feira, março 31, 2010 - 19:39
No votes yet

ÔNIX

imagem de ÔNIX
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 18 semanas
Membro desde: 03/26/2008
Conteúdos:
Pontos: 4027

Comentários

imagem de Mefistus

Re: Lavo as Mãos Como Pilatos

Genial Onix;
Boa alegoria no titulo, perfeita na construção.

Muito bom mesmo!

imagem de ÔNIX

Re: Lavo as Mãos Como Pilatos Para Mefistus

Obrigada Mefistus pela presença

Beijos

imagem de mariacarla

Re: Lavo as Mãos Como Pilatos

Uma reflexão que nos transporta ao inicio prendendo-nos num texto escrito com grande sensibilidade ao olhos de quem lê.

Feliz Páscoa

beijinho

Carla

imagem de ÔNIX

Re: Lavo as Mãos Como Pilatos Para Carla

Olá Carla

Sempre atenciosa para co as minahs palavras

Agradeço de coração

Beijos

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of ÔNIX

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Acordar da Manhã 2 1.565 03/22/2018 - 22:16 Português
Poesia/Amor Céu 2 1.624 03/14/2018 - 22:25 Português
Poesia/Meditação Vida lá fora 5 1.251 03/14/2018 - 22:24 Português
Poesia/Dedicado Saudações 2 1.932 03/01/2018 - 11:13 Português
Fotos/Corpos Rendas 1 2.956 03/27/2016 - 03:20 Português
Poesia/Meditação Selváticas Emoções 0 1.165 01/17/2012 - 23:36 Português
Poesia/Meditação Talvez 2 1.361 01/17/2012 - 21:35 Português
Poesia/Meditação Jardins Aquáticos 1 1.257 01/04/2012 - 23:07 Português
Poesia/Meditação Eram rosas os meus olhos 1 1.935 12/27/2011 - 23:48 Português
Poesia/Meditação Verdes lembranças 0 1.771 12/15/2011 - 15:50 Português
Poesia/Meditação Se eu fosse só eu 0 1.537 12/09/2011 - 11:19 Português
Poesia/Meditação Bruma Intemporal 1 1.610 12/07/2011 - 02:03 Português
Poesia/Meditação Eras 1 1.688 12/06/2011 - 21:49 Português
Poesia/Meditação Vão-se os Modos, Esvai-se o Tempo 0 1.080 12/01/2011 - 21:29 Português
Poesia/Meditação Pensamento invulgar 1 1.874 11/30/2011 - 00:21 Português
Poesia/Meditação Dor 0 4.121 11/24/2011 - 13:45 Português
Poesia/Meditação Extraviados 6 2.882 11/23/2011 - 12:12 Português
Poesia/Meditação Bom Dia 1 2.461 09/29/2011 - 22:16 Português
Poesia/Tristeza Um nada somente 1 1.584 09/14/2011 - 12:23 Português
Prosas/Outros Sol da Manhã 0 1.544 09/12/2011 - 10:24 Português
Poesia/Amor Nu 0 1.860 09/07/2011 - 11:07 Português
Poesia/Amor Tu 2 1.383 08/30/2011 - 01:57 Português
Poesia/Meditação Só Alma 1 1.340 08/26/2011 - 10:23 Português
Poesia/Meditação O Avesso de Mim 2 1.392 08/23/2011 - 22:26 Português
Poesia/Meditação Grãos D'Ouro 3 1.686 08/23/2011 - 22:22 Português