CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O Julgamento

Um dia, pela manhã: Olhou o espelho e observou o seu rosto:
- Esta é a minha imagem; a imagem do meu rosto ...
- Exclamou Anónimo,um rosto igual a todos os outros rostos; todas as manhãs se olham através do espelho; um rosto que se prepara, igual a qualquer outro rosto, que se prepare para o julgamento do Mundo.
- Será que preparo a imagem reflectida no espelho, para ser julgada? ... Ou, será que olho no espelho para julgar o julgamento, que, julgo; o Mundo julgar? ... ou será que não existe julgamento que julgue o sêr; além, pela glória, ou, aparência que o rosto lhe quer dar!? ... Esta não é a minha imagem; a minha aparência, esta é a imagem do meu rosto! ... O meu rosto... A imagem exterior que preparo para ser julgada por um Mundo cego; que, preparo para os olhos enganar.
- Concluiu Anónimo, que, a imagem reflectida no espelho era a cumplicidade do próprio espelho e que juntos conspiravam a si próprio com o simples prosaico de os seus olhos enganar; Anónimo sabia... Anónimo tinha a certeza de que a sua aparência, através da sua imagem: Queria trabalhar. Então olhava o espelho e via o que os olhos lhe queriam mostrar; depois, Anónimo desaparecia por completo, deixando apenas os seus olhos a julgar o julgamento que só ele próprio queria julgar e, não julgava o injusto da aparência que o Mundo pudesse julgar, mas sim o justo que não se justificava com um simples olhar... Não...
Não; não que: Tinha que espreitar bem fundo; então: Encheu os olhos com o reflexo, reflectidos no fundo do espelho e viu a vizinha apaixonada por ele:
- Não pode ser?! ... Como é que eu olho para mim e consigo ver outros?
-Exclamou Anónimo, bastante intrigado; sabia que o espelho o queria enganar e quanto mais se envaidecia mais enganado ficava. Começou a imaginar o Mundo inteiro assim: Enganado pelos olhos; dava-se-lhe a entender que a mentira saia de casa todos os dias, trajando o engano, com o gosto que julgou no espelho justificado no sorriso de um esgar.
- (O segredo está no coração dos Homens; o que os deixa apavorados, amedrontados... Então o contemplar do espelho, que lhes mostre o engano que vai enganar; e, sente-se contente: Quando se engana a si próprio; maquinando o enjenho, ensaiado de fronte ao espelho).
- Pausadamente, apagou a vida, dentro do túmulo e saiu: Para julgar o julgamento nos olhos do Mundo:
- As árvores enfortaleciam e davam as suas sementes há terra, como pagamento do tributo da sua própria vida... As sementes germinavam, atirando-se de encontro ao sol; com o intúito apontado ao alto: Ao céu; como finalidade do seu caminho. Talves que no céu se encontrasse a disponibilidade que guia os seres a caminharem para debaixo da terra... Para debaixo dos pés dos seus frutos... Talves que a terra désse frutos amargos e doces e esses frutos servissem para alimentar a vida e não a cobiça...
- Talves que o Mundo enterre seus mortos para encorajar seus frutos a alimentarem novos frutos; para consumo do tempo, provisionando a terra; que, assim: Eclode com vida; talves que o mundo esteja ocupado a olhar; a saborear a vaidade em frente há outra face do espelho; usurpando-se de si próprio sem se aperceber que, o que o espelho lhe reflecte é apenas o papel que que embrulha o presente... Talves que o Mundo esteja na verdade cego e que apenas veja por instinto, apenas aquilo que quer ver: O próprio umbigo... Talves, então, porque tem fome e o espelho lhe mostre o pó que a terra vai comer.

----------------------Fim-------------------

Submited by

terça-feira, maio 4, 2010 - 19:47

Prosas :

No votes yet

antonioduarte

imagem de antonioduarte
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 semanas 6 dias
Membro desde: 01/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 2570

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of antonioduarte

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral “Ruas fartas” 2 591 01/16/2011 - 05:58 Português
Poesia/Poetrix “Saudade” 4 1.340 01/16/2011 - 05:47 Português
Poesia/Geral “Boca primitiva” 6 1.269 01/16/2011 - 05:41 Português
Poesia/Meditação “Galardão” 6 876 01/16/2011 - 05:31 Português
Fotos/Natureza Crinas da Estrela 0 1.042 01/16/2011 - 04:57 Português
Fotos/Natureza Mais perto do estrelado 0 860 01/16/2011 - 04:51 Português
Fotos/Paisagens Lagoa comprida 2 1.172 01/16/2011 - 04:43 Português
Fotos/Natureza O Descanso da Serra 2 1.522 01/16/2011 - 04:37 Português
Fotos/Natureza Flor da Magnólia 0 1.112 01/15/2011 - 06:54 Português
Poesia/Poetrix “Bons olhos” 6 521 01/15/2011 - 05:49 Português
Poesia/Poetrix “Fundo de tempestade” 2 581 01/14/2011 - 04:25 Português
Poesia/Poetrix “Borboto de primavera” 2 1.572 01/13/2011 - 03:19 Português
Poesia/Soneto “Segredo ou mágoa” 4 556 01/12/2011 - 02:45 Português
Poesia/Geral “Tão-somente” 0 478 01/12/2011 - 02:22 Português
Poesia/Poetrix “Música do suor largado” 1 563 01/10/2011 - 22:39 Português
Poesia/Geral “Um pouco assim” 2 529 01/10/2011 - 04:48 Português
Poesia/Soneto “Tomara” 2 567 01/05/2011 - 19:35 Português
Poesia/Soneto “Soneto de voz beijada” 4 408 01/05/2011 - 03:34 Português
Poesia/Geral “Eram Apontadas” 0 674 01/04/2011 - 02:04 Português
Poesia/Geral “A Que Vencia” 0 658 01/04/2011 - 01:30 Português
Poesia/Soneto “Quinteto” 0 793 01/04/2011 - 01:10 Português
Poesia/Geral “Abandono” 0 1.103 01/04/2011 - 01:03 Português
Poesia/Geral “Poses do destino” 0 1.072 01/04/2011 - 00:56 Português
Poesia/Tristeza “Agrura” 0 798 01/03/2011 - 03:12 Português
Poesia/Gótico “Escuro vertido” 1 2.019 12/29/2010 - 00:20 Português