CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

PINTINHOS PARA TODOS OS LADOS

Eu tive um vizinho que vivia de braço engessado. Quando conseguia tirar o gesso do braço, quebrava a perna. Quando curava a perna, abria o pulso. Quando não batia a cabeça no poste, prensava o dedo na porta do fusca, ou então quase se esquartejava fazendo a barba.

Acredito que, algumas pessoas tenham propensão a acidentes.
O Zamarian, meu amigo, tinha propensão a incidentes, a interferências. Estava sempre onde não era chamado. Metia o nariz em tudo. Era muito curioso, meio desastrado.

De manhã, ele virava café com leite na toalha, ou derrubava o pão com manteiga no chão. Durante o dia, ele se sujava de graxa nas portas das padarias. Em tinta fresca, ele sempre colocava o dedo.  Nos aniversários, ele deixava cair a cobertura mole do bolo no sapato. Nos casamentos, ele conseguia tropeçar no vestido da noiva.

Um dia, nós tínhamos aproximadamente 14 ou 15 anos, o Zamarian me convidou para ir visitar sua tia na cidade de Americana. Era a primeira vez que eu viajava sozinho e estava muito eufórico. Chegamos lá, no sábado `a tarde, e no domingo cedo estávamos na praça da matriz, nos preparando para conhecer a cidade.
Uma larga avenida se estendia da porta da igreja e terminava na estação do trem. Fomos descendo vagarosamente, tentando imitar a calma e a lentidão do pessoal da região.
Quando percebemos, estávamos nos aproximando de uma roda de respeitáveis senhores que tranquilamente, em círculo, conversavam sobre alguma coisa. No meio deles, no chão, havia uma caixa de sapatos.

O Zamarian deve ter sentido uma atração muito forte pela caixa. Não resistiu. Deu uma corridinha, chutou a caixa arremessando tudo para o ar.
Meu Deus! Foi pintinho pra todo lado!
Ficamos surpresos e apavorados. Alguém mais agressivo podia nos pegar, e... Mas, ninguém reagiu. Recolheram os pintinhos calmamente e continuaram a conversa.

Era como se não existíssemos. Porque?
Por algum motivo não interferimos naquela situação. O mundo continuou girando, e fomos ignorados. Hoje, analisando aquele acontecimento, eu tenho consciência que podemos dizer em público, o que fazemos, o que experimentamos, o que abandonamos e no que acreditamos, sem sermos ouvidos.
Hoje, podemos semear novas idéias, criticar a ortodoxia, o racionalismo, o fundamentalismo sem que não nos dêem atenção.
Podemos nos expor a cada momento sem em nada interferir. Podemos ser ouvidos ou ignorados.
Talvez por isso, a agressividade na comunicação tem atingido o extremo, fabricando até homens-bombas.  Não adianta mais chutar a caixa dos pintinhos e sair. Será uma interferência inoportuna ou irresponsável.

Naquela situação não houve a comunicação desejada, apenas uma interferência numa situação desconhecida. Fomos infrutíferos porque desconhecíamos totalmente nossos receptores. Temos que aperfeiçoar nossa comunicação. A leitura de bons escritores, romancistas e poetas podem nos ajudar. O conhecimento do nosso idioma, da nossa gramática, mais ainda. Vemos em blogs e sites erros muito grosseiros. Como emissores de sonhos e verdades, temos que estar preparados porque é nossa missão.  Nosso código de comunicação está alicerçado em nosso conhecimento.
Se estivermos devidamente preparados, se soubermos como falar, como escrever e a quem nos dirigir, com certeza estaremos contribuindo para um mundo melhor.

J.Thamiel - Uma mensagem para você

Submited by

sexta-feira, maio 20, 2016 - 13:20

Prosas :

No votes yet

J. Thamiel

imagem de J. Thamiel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 10 horas
Membro desde: 05/02/2016
Conteúdos:
Pontos: 2530

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of J. Thamiel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Fantasia SEMIDEUS 0 31 12/17/2018 - 10:41 Português
Poesia/Geral M É R I T O 0 78 12/07/2018 - 10:54 Português
Poesia/Geral CASTRO ALVES, O POETA INFANTE 0 127 11/30/2018 - 10:49 Português
Poesia/Meditação REFLETINDO COM A GALINHA 0 179 11/29/2018 - 15:02 Português
Poesia/Geral P R I S Ã O 3 142 11/25/2018 - 19:22 Português
Poesia/Meditação A T R I L H A 0 100 11/23/2018 - 17:24 Português
Poesia/Geral DESPEDIDA 2 146 11/20/2018 - 13:33 Português
Poesia/Geral MADORNA 0 201 11/06/2018 - 12:22 Português
Poesia/Geral FORMIGAS 2 225 10/29/2018 - 19:58 Português
Poesia/Gótico O RITUAL NEGRO 0 235 10/18/2018 - 16:01 Português
Poesia/Geral Ê X T A S E 0 206 10/18/2018 - 13:59 Português
Poesia/Meditação QUASE CONTRITO 0 405 10/15/2018 - 13:19 Português
Poesia/Geral Y EL TIEMPO PASÓ 0 257 09/26/2018 - 16:19 Português
Poesia/Geral EL TIEMPO 0 373 09/26/2018 - 16:13 Espanhol
Poesia/Geral NÃ0 ME SIGA 0 275 09/25/2018 - 19:06 Português
Poesia/Geral ETERNIDADE PRA QUÊ? 0 311 09/17/2018 - 12:50 Português
Poesia/Geral Y EL TIEMPO PASÓ 0 296 09/12/2018 - 12:26 Espanhol
Poesia/Geral ONTEM FOI SEXTA-FEIRA 0 232 09/08/2018 - 13:02 Português
Poesia/Meditação I N T RO S P E C T O 0 201 09/07/2018 - 18:15 Português
Poesia/Pensamentos O CAMINHO DO SOL 0 229 08/30/2018 - 17:40 Português
Poesia/Geral E O TEMPO PASSOU... 0 349 08/24/2018 - 12:27 Português
Poesia/Geral FUTURO DO PRETÉRITO 1 307 08/11/2018 - 13:48 Português
Poesia/Geral A s a u d a d e 0 342 07/30/2018 - 16:14 Português
Poesia/Dedicado DEUS, Ó DEUS! AGORA ME RESPONDES 0 762 07/24/2018 - 12:41 Português
Poesia/Geral S A U D A D E... 0 585 07/12/2018 - 12:12 Português