CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Portão de ferro

Portão de ferro
Grande e gigantesco portão de ferro fascinava-me toda a vez que o via.
Diziam que pertencia a uma fazenda do século XVIII, um lindo túnel de árvores a se cruzar, conduzia-nos a uma casa em ruína.
Vizinhos mais próximos diziam ouvir a noite barulho de correntes a se arrastar, gemidos dos negros escravos e o chicote do feitor a cortar o ar.
E então gritos humanos parecidos com uivos eram ouvidos e gemidos calados pelo o açoite ou pela morte.
Sempre que passava enfrente ao portão de ferro minhas pernas tremiam, olhavam aquela relva e seca que nunca verde ficava.
Minha imaginação me levava a pensar que havia ossos humanos sob esta relva.
O tempo passava e meu fascínio pelo portão de ferro aumentava.
A busca de segredos me fascina e históricos ainda mais.
Vencido o medo adentrei ao portão, um zelador pessoa de fisionomia rústica, me disse:
-Entra moça não fica espiando, tem muita lenda neste lugar, mas nunca vi nada.
Com medo aceitei o convite, afinal não estava só, havia dois amigos comigo.
Caminhar sobre aquele tapete amarelado de grama seca sempre fora meu sonho.
O caseiro então explicou que era uma grama especial que tinha vindo da Europa para não sujar os vestidos das senhoras da época.
Andamos uns vinte metros e chegamos à gigantesca casa que se via da rua, só restavam ruínas, tijolos sentados sobre uns sobre os outros, gigantescos comparados com os de hoje, cimento não havia estavam juntos por uma espécie de barro vermelho, o reboco era grosso e estava a despencar pela infiltração de água.
Lindos azulejos brancos e azuis vindos da Europa quebrados, poucos podiam se enxergar as figuras desenhadas
Na época fique com medo de pegar um dos que ainda estava inteiro para mim.
Mas meus amigos levaram consigo dois azulejos os quais ainda estavam inteiros que retravam figuras da época.
E hoje os tem em seus lares como objetos de decoração e guardam um pedaço da história de sua cidade.
Mais distante da casa atrás das ruínas estava à senzala esta o tronco onde os escravos eram castigados com fortes argolas presa a ele, mostravam que os castigos da época eram cruéis.
Nas paredes da senzala havia as mesmas argolas pelo chão elas se espalhavam, o zelador ainda disse.
-Não era um tempo nada bom, moça!
A rua onde passávamos era tudo fazenda; as charretes traziam os donos da casa até o portão de ferro e ai eles desciam e andavam pelo aquela caminho que parecia de pasto seco até a casa grande.
Hoje a historia se perdeu; o lote foi vendido e tem um conjunto de apartamentos, no local onde era o lindo e antigo portão de ferro.
Nunca ouvi comentários que tivessem sido achados quaisquer resquícios de ossos humanos no local.

Submited by

quinta-feira, junho 18, 2009 - 05:36

Prosas :

No votes yet

marialds

imagem de marialds
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 30 semanas
Membro desde: 03/31/2009
Conteúdos:
Pontos: 2887

Comentários

imagem de Zezinho

Re: Portão de ferro

Belo texto e bom refletir!vivemos em um tempo diferente mas tudo parece tao igual.Abrs querida.Gostei muito :-)

imagem de marialds

Re: Portão de ferro

Caro Zézinho,este texto faz parte de um série de crônicas de minhas memórias de criança que hoje as crianças da família ouvem como estória que é história pois é baseado em fatos reais, antes de dormirem escrevi há muitos anos agora estou corrigindo e resolvi publicar este testo da minha primeira passagem pela cidade de Pelotas.
E aproveito para corrigir a quilometragem, de distância desta cidade a Porto Alegre são 289KM.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of marialds

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza Separação 0 713 07/22/2015 - 20:11 Português
Poesia/Geral Veja 0 1.052 07/19/2014 - 03:55 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 834 03/02/2014 - 02:55 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 1.103 03/02/2014 - 02:47 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 0 689 03/02/2014 - 02:41 Português
Prosas/Pensamentos Pensamentos 1 1.392 12/20/2013 - 21:17 Português
Prosas/Outros Frase 0 919 11/28/2013 - 00:50 Português
Fotos/Natureza Flores popularmente chamadas de "Damas da Noite" 0 1.492 11/28/2013 - 00:44 Português
Poesia/Geral Noite de Solidão 0 1.244 11/27/2013 - 23:23 Português
Poesia/Geral Fria Madrugada 2 1.390 11/27/2013 - 22:34 Português
Poesia/Geral Cotidiano 2 969 11/18/2013 - 00:57 Português
Poesia/Fantasia Ser em Sombras 0 835 05/12/2013 - 00:30 Português
Poesia/Geral A Flor da Pele 2 1.109 06/24/2012 - 21:48 Português
Poesia/Geral Solidão de nos Dois. 2 1.061 06/17/2012 - 20:39 Português
Poesia/Geral Passagem 0 788 06/17/2012 - 02:57 Português
Poesia/Geral Momentos 1 1.348 03/30/2012 - 10:04 Português
Poesia/Geral Teu Perfume 0 1.304 03/30/2012 - 05:04 Português
Poesia/Geral Espectro 0 1.087 03/30/2012 - 04:56 Português
Poesia/Geral Na Face do Menino 2 1.140 01/22/2012 - 03:59 Português
Poesia/Geral Tombados 0 872 01/21/2012 - 03:32 Português
Fotos/Paisagens Estrada de nuvens. 0 2.629 01/15/2012 - 22:38 Português
Poesia/Haikai Sem Titulo 0 1.124 01/15/2012 - 22:00 Português
Poesia/Haikai Sem Título 0 1.006 01/15/2012 - 21:59 Português
Poesia/Tristeza Apenas Lembranças 0 1.003 01/15/2012 - 21:56 Português
Poesia/Soneto Livro de bolso 0 2.171 09/17/2011 - 05:15 Português