CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um curandeiro chamado Tempo

Era uma vez, uma jovem e bonita princesa, que todo o santo dia, fizesse chuva, sol, vento, calor, frio, neve ou gelo, ela estava sempre lá, no cemitério, sentada no mesmo banco de jardim que ficava mesmo em frente à campa do seu falecido amor, chorando, chorando, lamentando…! Essa princesa tinha um nome que se apropriava à maneira de ser dela. Chamava-se Tristeza. Tristeza teve sempre uma vida desafortunada! Era uma pessoa realmente triste devido às linhas tortuosas que o seu destino lhe traçou. O último grande golpe que o destino cravou no seu já cansado e ensanguentado coração, foi a perda do seu sapo que se transformou em príncipe ao tentar salvá-la do inferno das masmorras. Essa última grande perda na sua vida, transformou-a numa rã que mergulhou bem fundo no charco da depressão.
No entanto, o charco estava seco de vida, então, a princesa que se transformou em rã, viu-se foçada a sair daquele lamaçal, porque não tinha comida para poder sobreviver.
Quando saiu do charco, a rã virou princesa novamente. Continuava triste, pois sentia-se erradamente culpada pela morte do seu príncipe encantado. Tristeza estava muito magra. Já comia, mas muito pouco, estava pálida, mal sorria…então o Tempo que passava todos os dias pela princesa e a via sempre a chorar, tão magra e tão pálida, resolveu finalmente atuar.
Tempo era muito reservado e recatado, tentava passar sempre despercebido a toda a gente apesar de ser bonito e apresentar-se bem. Ele era um Mago. Tinha poderes especiais, podia transformar-se em tudo que quisesse. Então, transformou-se num rapagão, muito musculado, vestido de guerreiro, aproximou-se da princesa, sentou-se energicamente ao seu lado com um grande sorriso que transmitia alegria, vitalidade e confiança e perguntou virilmente:
“ Rapariga bonita, porque estás a chorar?!”
“ Estou a chorar porque sinto falta do meu guerreiro! Perdi-o numa batalha! Morreu para me salvar, é por isso que eu não consigo com a sua perda me conformar!”
“ Se me deres tempo, com um simples sopro, numa rajada de vento, arrasto de vez do teu coração tamanho sofrimento!”
“ Oh, nobre cavaleiro, tua bravura faz-me lembrar o meu amor, ainda me pões mais agastada! Faz depressa o que entendes fazer, tenho o coração a arder, já estou por demais cansada!”
Subitamente, a princesa assustou-se porque ele desapareceu tão rápido quanto apareceu.
“ Que personagem tão misteriosa, será ele um Mago?!” perguntou a si própria a princesa, que ficou muito intrigada.
Tempo nesse momento transformou-se em vento, entrou pelas narinas da princesa e percorreu um longo caminho até chegar ao coração da Tristeza, onde estava a sua eterna rival, a Dor. Dor era um dragão fêmea que se alimentava do coração das pessoas que tinham problemas, flamejava pela boca enquanto que pedacinho a pedacinho ia comendo os seus corações. Ao ver que uma vez mais o Tempo estava a querer ocupar-lhe o lugar, iniciou uma luta feroz com ele, e mais uma vez, graças às suas magias poderosas, a Dor foi derrotada. Quando morreu, transformou-se em cinzas, sendo consumida pelo seu próprio fogo. Com essas cinzas, Tempo fez o que tinha dito à princesa. Arrastou-as para sete reinos de distância dali, enterrou-a a sete palmos de profundidade, e no segundo seguinte estava de novo ao lado da princesa. Surpreendida, ela assustou-se e saltou. Primeiro saltou de susto e depois de alegria, com um enorme sorriso de orelha a orelha.
“ Rapariga bonita, qual a razão desse teu sorriso tão repentino?!”
“ É graças a Deus e a ti que eu hoje usufruo deste sorriso! Muito obrigado, já não arde o meu coração! Ai, como estás ferido! Pelos vistos, lutar pela tua própria vida foi preciso!”
Subitamente, Tempo transformou-se em chuva e num gesto simbólico baptizou a princesa como princesa Alegria.
“ A partir de hoje, chamas-te Alegria!” disse-lhe sorrindo. Também sorrindo a princesa perguntou-lhe:
“ Diz-me então agora, falso cavaleiro, qual é o teu nome verdadeiro? E o que és tu realmente, um anjo ou um feiticeiro?!”
Ele sorriu para a princesa e disse:
“ O meu nome verdadeiro é Tempo, e das almas eu sou o curandeiro.”
E desapareceu para sempre. Alegria nunca mais o viu e do coração dessa bonita princesa, nunca mais correu nem o mais pequeno fio de tristeza.»

Submited by

quinta-feira, outubro 18, 2012 - 12:19

Prosas :

Average: 5 (1 vote)

Jose Vidas

imagem de Jose Vidas
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 31 semanas
Membro desde: 09/28/2012
Conteúdos:
Pontos: 348

Comentários

imagem de deborabenvenuti

Um curandeiro chamado tempo

Só o tempo mesmo é capaz de curar todas as feridas. Bonita fábula!
Abraços

http://oacendedordecoracoes.blogspot.com.br

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Jose Vidas

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Fábula Um curandeiro chamado Tempo 1 1.029 06/13/2014 - 20:58 Português
Anúncios/Outros - Procura-se Procuro baterista, baixista, trompetista de vara, teclista e UMA VOCALISTA AFRICANA OU AFRO DESCENTENTE 0 1.284 07/02/2013 - 23:50 Português
Prosas/Fábula O Sonho da Cotovia 0 918 07/02/2013 - 23:20 Português
Fotos/Arte Digital Fantasy Art 0 1.056 07/02/2013 - 22:49 Português
Fotos/Arte Digital The Legendary Tigerman 0 1.089 07/02/2013 - 22:45 Português
Fotos/Natureza As cores do Outono 0 905 03/13/2013 - 14:59 Português
Fotos/Outros FRONTEIRA ENTRE O SONHO E A REALIDADE 0 1.237 03/13/2013 - 00:10 Português
Poesia/Desilusão MARIONETA 0 714 03/13/2013 - 00:05 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.152 02/21/2013 - 15:18 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.257 02/21/2013 - 15:16 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 2.300 02/21/2013 - 15:13 Português
Fotos/Gentes e Locais Aldeia Medieval em Póvoa Dão 0 1.390 02/21/2013 - 15:10 Português
Poesia/Fantasia A Casa dos Espelhos 0 688 02/21/2013 - 14:56 Português
Poesia/Pensamentos O Que a Palavra Pode Ser e Fazer 1 550 01/21/2013 - 15:52 Português
Poesia/Desilusão A VOZ DO DESENCANTO 2 693 01/13/2013 - 21:07 Português
Fotos/Abstracto QUADRO NATURAL 0 982 01/12/2013 - 17:05 Português
Poesia/Amor O Alfabeto do Amor 0 740 10/29/2012 - 02:29 Português
Poesia/Pensamentos Como é duro, o silêncio! 2 448 10/19/2012 - 12:31 Português
Prosas/Fábula A Estrela do Amor 0 861 10/18/2012 - 11:02 Português
Poesia/Geral Vida Sazonal 0 777 10/18/2012 - 10:42 Português
Fotos/Religião Páscoa no interior Beira Alta 0 1.106 10/15/2012 - 00:41 Português
Fotos/Paisagens Uma Luz ao fundo do túnel 0 1.157 10/15/2012 - 00:19 Português
Fotos/Artes Coração do avesso, coração travesso 0 1.212 10/15/2012 - 00:14 Português
Poesia/Fantasia Terei Alguma Chance? 0 694 10/13/2012 - 23:37 Português
Poesia/Tristeza Lágrimas Silenciosas 0 658 10/13/2012 - 23:24 Português