CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

"Coisas" 6ª história do livro: "Estrelas Apagadas"

"COISAS"

 

 

 

 


F
oram as mãos, que taparam o sol e é pelas mãos que o sangue chega há lua.
Ainda temos o antídoto para o veneno que contamina o mundo inteiro. “ Nós precisamos de abraçar as pessoas que amamos. Se escolher-mos, a boa parte, esta não nos será tirada . Porém, temos a tendência a acreditar de que amamos as coisas que fazemos com as nossas próprias mãos; então, andamos preocupados e inquietos com muitas coisas... – Podemos usar as nossas mãos para curar e, podemos, certamente, usar as nossas mãos para ajudar... Podemos usar as nossas mãos como antídoto, para levar ao mundo o espírito da Paz. “ Muitos, de entre nós, falam do amor, mas, não fazem muito para o mostrar. Esses deviam de pôr, suas mãos, para suas preces”.
Não continuemos a beber somente água: Tomemos, também, um pouco de vinho...
Podemos usar as nossas mãos para magoar.
- Então! Não é das nossas mãos que provém o verdadeiro amor?!
... A prova está no céu: O céu inspira o Homem e, o homem usa o rosto para afiar o Homem; o Homem usa as mãos, para mostrar ao Homem a inspiração do céu; que, suas mãos usou. O Homem foi feito pelo céu e com ele se elegeu um pouco da noção do verdadeiro amor. Mas, o amor! É apenas uma palavra que foi feita para explicar (rapidamente) “e sem sentido”, os actos desconhecidos do próprio amor.
O Homem construiu uma estátua nas memórias da recordação que o céu lhe enviou; expô-la ao mundo; mas... A estátua não tinha braços nem mãos... Mas, precisava de um nome. Como tudo tem que ter um nome... O Homem começou a dar nomes às coisas, como hás obras e, chamou a obra do céu, com um nome do céu... Para valorizar a obra das suas mãos, chamou-lhe: “ Deusa do amor ”.
Os Homens achavam, em si próprios, que, com as próprias mãos faziam o que eram e o que são; então, chamaram-se a si próprios (Coisas) Porque: “Uma Deusa do amor, acima de tudo, tinha que ter mãos ”.
- Pois que o Homem anda enganado: Quando olha suas mãos e as coloca numa estátua; ao amor.
“ Diz-me: Porque andas tão animado? Como podes amar sem as tuas mãos?!”
- Conheço a obra, sem obra das mãos e, o amor... O verdadeiro amor é assim: Sem mãos. (As pessoas temem aquilo que realmente acabam por ser: (Coisas) e, as coisas, não podem “ tocar umas nas outras” – Poder, até podem; mas: Não o sabem”).
As coisas não têm sentimentos; mas, as pessoas têm.
É preciso muita paciência e muita humildade para se ser humilhado com o amor que se dá hás pessoas...
- Então, Podes usar as tuas mãos para ajudar...
- Ou, podes usar as tuas mãos para magoar.
- Algumas pessoas falam do amor, mas, não fazem muito para o mostrar.
- Algumas pessoas não podem fazê-lo...
- Nós - precisamos abraçar as pessoas que amamos.
- Alguns de nós, não podemos abraçar as pessoas que amamos; porque: A distância nos corta os braços...
Mas, temos o amor: O VERDADEIRO AMOR.

FIM
 

Submited by

segunda-feira, dezembro 20, 2010 - 02:01

Ministério da Poesia :

No votes yet

antonioduarte

imagem de antonioduarte
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 21 semanas 1 dia
Membro desde: 01/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 2570

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of antonioduarte

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Cartas «… Fui Feliz?» 0 1.596 08/02/2012 - 23:22 Português
Poesia/Arquivo de textos “Morte ou verdade” 0 380 08/02/2012 - 23:14 Português
Poesia/Intervenção “Apupo” 1 761 07/15/2012 - 17:48 Português
Poesia/Meditação “Caindo com Glória” 0 358 07/06/2012 - 01:00 Português
Poesia/Arquivo de textos “Sejam pecados” 2 703 07/04/2012 - 11:29 Português
Poesia/Desilusão “Amor? Ou Vontade nas entranhas” 1 615 07/03/2012 - 10:19 Português
Poesia/Pensamentos “Tal Vez…” 0 596 07/01/2012 - 02:52 Português
Poesia/Arquivo de textos “Elevação Equivoca” 0 638 06/29/2012 - 00:39 Português
Poesia/Arquivo de textos “A Oriente” 1 556 06/28/2012 - 00:51 Português
Poesia/Geral “Por além, onde a terra fica calada" 2 453 06/25/2012 - 00:42 Português
Poesia/Geral “Já me sobra nos olhos o desígnio dos versos 2” 0 391 06/25/2012 - 00:33 Português
Poesia/Arquivo de textos “Sentindo” 1 941 06/23/2012 - 16:20 Português
Poesia/Geral “Tempestade no olhar” 0 875 06/21/2012 - 23:42 Português
Poesia/Geral “Mágoa” 6 786 06/21/2012 - 23:38 Português
Poesia/Geral “Leva-me… Oh Vento” 1 597 06/13/2012 - 23:57 Português
Poesia/Geral “Não posso ficar” 0 382 06/11/2012 - 23:37 Português
Poesia/Geral “Sonhei, muitas luas como consolo” 3 562 05/21/2012 - 08:22 Português
Poesia/Geral “No derrame dos desejos ” 0 721 05/14/2012 - 22:58 Português
Poesia/Desilusão “Já me sobra nos olhos o desígnio dos versos 1” 0 1.265 05/09/2012 - 08:40 Português
Poesia/Geral “Oito Rimances” 0 478 05/05/2012 - 23:20 Português
Poesia/Tristeza “Amor inerente” 2 441 05/05/2012 - 23:13 Português
Fotos/Monumentos No silêncio da voz 0 1.205 05/04/2012 - 17:33 Português
Poesia/Geral “Na Boca da Saudade” 2 450 05/03/2012 - 00:12 Português
Poesia/Meditação “Com vertendo” 0 475 05/02/2012 - 23:00 Português
Poesia/Geral “Fluindo, no horizonte de mim” 2 442 05/02/2012 - 22:36 Português