CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

MEU ULTIMO AMOR

POEMAS DE UM SONHADOR

MARTINIÁCEA.

Não senti nem mesmo seu eflúvio
E caem de meus olhos grande dilúvio,
Por não ter contigo noites gozadas,
Não pude acariciar estes seios
Nem mesmo em devaneios
E ver nossas roupas rasgadas.

Que saudade deste olhar de amante
Como o brilho do puro diamante;
Lembro-me agora de suas risadas
Como também de seus enleios
Trocava sua cor em veraneios
E eu na areia procurava suas pegadas.

Há de lembrar dos tempos pretéritos
Poderia ter grandes méritos
Como algo grande penetrante
Você não iria parar de abrolhar
Para mim seu divino olhar
E vendo eu, em seus olhos, o amor brilhante.

Fiz em noite uma feita
Mas não saiu perfeita;
Você não apareceu ao nosso encontro oculto,
Vi não clarão da lua, você mariposa,
Sei que outro tornará esposa
Suplicarei por ti que seja culto ².

Quando no orago entrar
E seu amado encontrar
Há de ver em um canto um vulto, eu sei,
Escutará o gemido da raposa
Não quero que seja mariposa
A mulher que tanto amei.

O que me resta é a saudade
Talvez a veja pela cidade
Com seus amores remidos,
Nesta ora farei um rogo
Mas não pense que seja um jogo
é saudades de seus ardentes gemidos.

Oh! Minha linda rosácea
Mas prefiro à martiniácea
Pois são mais raras eu sei,
Como você e seu floreio
Quis ser seu esteio
Olhos claros que tanto amei.

De que adianta a saudade
Se não vivo esta realidade;
Você vive neste enleio
Lançando o medo em mim
Minha flor, mais bela que jasmim;
Acabe com este devaneio

Acabe também com este delírio
Pois me colocaste neste martírio
e ainda irá se afogar
Em meus quentes beijos,
Terá realizados seus desejos
E meus braços a te afagar.

Se preferir deplorar
E se minha pessoa adorar;
Será a mulher mais consumida,
Aclamarei ao demiurgo
Virarei até dramaturgo
Olhos claros, amor de minha vida.

Mas se preferir com outro reinar
Ficarei a imaginar
Onde foi que errei;
Às vezes o poeta vive em devaneios
Não pude beijar os seios
Da mulher que tanto amei.

Sem ter em você os dedos tocados
Fiz estes pobres rimados;
E não vi nenhum dos seus;
Será que teve medo
Achastes que era cedo
Adeus, olhos claros, Adeus.

CUBA.

Ao chegar à terra prometida
Você um pouco arrependida
Feriu-me o coração;
Pensei que seria seu dono
Mas você me causou dano
Fazendo me lembrar daquela oração.

Que fiz a você minha mariposa
Queria que fostes minha esposa
Mas preferiu a libertinagem,
Ao invés de ardentes beijos
Preferiu só, satisfazer seus desejos,
Morena de grande bagagem.

Deixaste meu coração em excídio
Em muitos homens causaste genocídio
Por essa beleza e este coração de anfisbena.
Gostava de usar de chicana
Fazer amor até no meio da cana
Por ser bela e obscena.

Gostava de fazer amor e azorragar
E suas roupas rasgar;
Dizem que gosta de ficar suada
Gostava de amor com excesso
Quase não tinha regresso
Pois a vulva muito molhada.

JUVENTUDE.

De que adianta o coração
Se ele vive na solidão
Sem ter você mo meio
Para voltar a florescer
E jamais te esquecer
Tirando-me deste enleio.

Gostava com você engrazar
Para meus devaneios realizar;
Ligando neste corpo penetrado
Pelas loucuras da juventude
Reforçando em nossa cama o estrado.

Para fazer-mos amor com loucura
Minha fêmea, pois és uma doçura;
Tão linda como uma plêiade,
A amarei tanto no plenilúnio
Como também no novilúnio
Minha lenda flor da idade.

Quero um amor sem cheganço
Pode até acontecer que balanço
Neste amor tão secreto em meu peito.
A apertar meu coração
Gostaria com você fazer aquela oração
Que só você consegui dar feito e jeito.

Saiba que jeito tem para tudo
Farei amor com você até ficar mudo
Esta talvez não seja sua idéia
Juntos em um semicúpio quente
Sempre faço diferente
Minha única e pura semidéia.

Quero saciar em seu meio
Sentindo o calor deste seio
Sei que ainda não sãos meus,
Mas para que não tenha desavença
Contento-me somente com sua presença
E fico aqui minha princesa, Adeus.

O DEVASSADOR; PIEDADE CANIBAL.

O homem não é o único animal
Que pensa, mas é o que faz mal,
Talvez por seu cérebro incompreensível
Mas é o único que pratica o lucro
Pois nada é; senão xucro;
E seu fim será terrível, seu insensível.

O homem é o único que maltrata e passa,
Mas também o único que sofre devassa;
Abate seu irmão sem piedade
Por ignorância e ingratidão
Depois na velhice vice na solidão
E não respeita nem mesmo a idade.

O animal vive até o fim unido
As pessoas no final banido;
Por seus familiares nos asilos retidos;
Choram por seus crimes restando
E seu encéfalo lembrando
De seus delitos cometidos.

A pessoa acha que pensa
Passa a vida toda em desavença.
As doutrinas são para os sábios
Os animais matam para existir
As pessoas para destruir
E se arruínam por seus lábios.

As pessoas alegram-se com o sofrimento
Não são capazes de evitar o banimento
Dos inofensíveis animais;
Não comem a própria espécie ainda
Mas será abjeto de berlinda
Quando todos virarem canibais.

Não escapará do corte da adaga
Por não moldar sua saga;
A terra já não tem seu manto
Os animais todos em extinção
As pessoas somente na usurpação
Vivendo com o desencanto.

Perdendo seu manto a mãe terra
As pessoas viverão em guerra;
Seu manto trazia o frescor
Que protegia a fonte e a vida,
Retardando para eternidade sua ida
Espectro, as pessoas, verde sua cor.

Como agora estás verde de fome
Mata a própria espécie e come;
Não adianta fazer motim
Seus dias estão contados
Seus pensamentos atados
Assistindo seu próprio fim.

Vejam os Palestinos e Judeus;
O que lhes restam; pedir a Deus,
Matando uns aos outros na Terra Santa.
Todos lutam por ganância
A maioria perdida na ignorância
Mas todos com sede na garganta.

A única coisa que acalenta e devassador
É fazê-lo sentir dor;
Dor é indicação de culpa
A culpa sempre procura o castigo
Aperta a dor que esta contigo
E com arrependimento peça desculpa.

Serão banidos os devassadores
Bem aventurados os pacificadores
Pois são chamados filhos da terra;
Terão como herança a boa vida
Serão alegres em sua partida
E ao devassador sobrará a guerra.

Obs. Escrevi este poema em dezembro de 1972, em protesto por ver os políticos com o maior descaso com a natureza; até quando isto irá durar? Se alguém quiser alterá-lo, ou até mesmo modifica-lo poderá fazer sem ressentimentos e autorização que a Mãe Terra agradecerá.

O SISTEMA.

Terminada uma tragédia
Começa a comedia;
Alguns serão julgados
Para o árbitro determinar
O réu poder explicar
Mas nem todos são invocados.

Vem a refutação insuficiente
Deste ou daquele delinqüente
As condições são julgadas
Mediante circunstancias atenuantes
Às vezes algumas agravantes
E quase todas sempre atenuadas, apagadas.

S ao punidos pela economia interna
De uma pena com sanção externa
Pode-se modificar abreviando-se
Para o criminoso alegria
Para a vitima agonia
Em alguns casos, prolongando-se.

Permite-se modular uma sentença
Sobre o disfarce de uma doença;
É pratica de nossos tribunais
Acham que a internação cura
Ficam ai praticando loucura
Inocentando estes canibais.

Punem apenas o corpo do demente
E não cuidam da alma do delinqüente,
Sá pensam nos mecanismos negativos
Coloca-se alma neste suplicio paralítico
E tratam o corpo que é político
E não cuidam dos efeitos positivos.

Até médicos julgam com seus instrumentos
Os Estados não fazem investimentos
O corpo padece
A mente se desfaz
Ninguém faz
O tempo esquece;

O corpo na sela
Os olhos na tela
De grande rebelião
Os governantes atacam
Os seguranças matam
Todos sem religião.

Ai vem os direitos humanos
O problema vem desde os romanos
Só aparecem com corpos deitados.
Ai finalizou o direito
Que não foi com respeito
Direitos humanos atados

Atitudes estranhas
Pois ficou fora das entranhas.
Fiscalizem o incipiente
De que adianta chegar ao final,
O que devem fazer afinal?
Pois nosso sistema é inclemente.

A NAÇÃO SERIA OUTRA.

O interrogatório é um meio perigoso
De chegar ao conhecimento da verdade
Às vezes até por humildade
O acusado, confessa seu gozo,

O suplicio judiciário é um ritual político
Se é pobre, pena,
Se for rico condena em cena
Em multa; o pobre labuta paralítico.

O suplício desenrola-se depois da morte
A justiça louva-se de suas forças
Desde os tempos das forcas
Dependendo o condenado da sorte.

A forca não perde sua presa
Não temos hoje mais regícidas,
Pois os reinados são para os suicidas
E a nobreza vive na represa.

O poder no Brasil é trífido
O povo sempre na opressão,
A eles pertence o poder, com pressão;
Judiciário não deixe de ser temido.

O Executivo é para obras
O povo te elege e vive sua pena
A justiça vendo o erro não condena
Para o cidadão apenas as sobras.

Resta ao legislativo fiscalizar
Para o povo poder reinar
Com júbilo; mas ficam a treinar,
E a corrupção não deixa realizar

Judiciário; banem a corrupção,
Para o Brasil seguir tranqüilo
Antes que digam; o que é aquilo;
Um povo amado em erupção.

Se isto vier a acontecer,
Peço as forças armadas
Que faz pela Pátria amada
Não deixe o mau político desaparecer.

Pois eles governaram com erronia
Terão que devolver a nação
Tudo que rapinaram sem ação
Deixando nosso povo nesta agonia.

Desde 1964 governos com equivocação
O povo sempre iludido com seus votos
Soldados que são devotos
Quase todos os políticos sem vocação.

Soldados com as fronteiras; zelo,
Com o patrimônio também
Ao povo digam amém
Dos inaptos políticos; farelo.

Pois os maus políticos
Foram os causadores formadores
Desta corrupção, e acham que são doutores;
Deixando todos nós paralíticos.

Cidadão de nossa Pátria amada
Não façam enleios
Vocês são os esteios
Desta Pátria idolatrada.

Aos soldados lauréis
Pela Pátria sua glória
Pelo povo a história
Pela paz, volta aos quartéis.

Guardem as lazarinas
Não abatem o cidadão honesto
Não façam nada funesto
Pois o povo são nossas minas.

Não pratiquem sevícias
Protejam a humanidade
Cuidado com as crianças e as de mais idade
Pois todos são relíquia.

Temos que praticar linha dura
Contra a corrupção sangrenta
Pois o cidadão já não agüenta,
Mas com democracia, não a ditadura.

Os soldados foram treinados
Para dar ao povo segurança
E também garantia de esperança
Quando acabar os maus reinados.

Aos civis cabe o poder
Mas sem corrupção, cobarde;
Antes que seja tarde
E sua vida se perder.

Dezembro de 1973, entristecido de ver como a corrupção avança por este Rincão abençoado chamado Brasil.

NOITE EM CLARO.

Ao som da nênia
Algum olho estava nédio
Muitos estavam com tédio
E o corpo infestado de tênia.

Como? Não saia da taberna
Era um individuo tabaréu
Já chegou a ser réu
Vivendo em caverna.

Já viveu na Armênia
Não gostava de remédio
Cursou apenas o médio
E sua irmã era Gemia.

Não sabemos ao certo sua genitura
Quanto às aulas era gazeio
Vivia em devaneio
E foi apaixonado por uma criatura.

Gostava de uma escultura
E também de um belo seio,
Não abria mão de um bom passeio
E era uma pessoa de boa cultura.

Estava com a vida no zênite,
Queria estudar biologia
Mas praticou a zoologia
Viveu, padeceu com sua renite.

Era muito paladínico
De grande experiência
E dotado de muita inteligência
As vezes era clínico.

Sua morada agora, coberta de cipolino,
Tinha na cabeça circunvolução
Falava em fazer uma revolução
Apenas cantando nosso hino.

Em sua cabeça permaneceu delitescência
Não ligava para a doença
Tinha muita fé e crença,
E não soube explicar a ciência.

Às vezes tinha delírio
Pois vivia pedindo
Que quando fosse indo
Em seu túmulo, cultivasse o lírio.

Fazia tudo com eficiência
Participava até de sentença
Picado por melança pelas bandas de Florença,
Com animais e pessoas benevolência.

Já viveu em grande martírio
Em todo mal punha findo,
Se tivesse ia logo repartindo
Não fazendo julgamento temerário.

Quando fazia suas caminhadas
Pelas campinas verdejante,
Tomava e ensinava o viajante
A arte da capara, não molhadas ²

Que saudades dos conselhos seus
Muitas vezes científicos
Às vezes até magníficos
Adeus, meu amigo, Adeus. (1977)

AS DESPEDIDAS.

Lembra-te das despedidas
Que nós fazias nos finais
Grandes festas repartidas
E a dança que não esqueço jamais.

Como é bom ter pensamentos
De coisas e tempos pretéritos
Mas o que restou só foram lamentos
E você com grandes méritos.

De vê-la para a vida despertar
Que os sabores de seus beijos
Que muitos ficaram a desejar
Saciaram uma noite meus desejos.

Lembra-te do aperto de seus braços
Quentes envolvendo meu corpo
Como foram bons aqueles abraços
Só faltando o corpo-a-corpo.

Repentinamente alguém a chamou
Assustada você partiu
Foi embora e me deixou
E nem se quer se despiu.

Eu aqui deitado em minha mangueira
Olhando o brilhar da lua,
Ainda bem querida Ângela Pereira,
Que não consegui ver você nua
A lembrança permaneceu
Nunca mais nos falamos
O que foi bom; que ninguém esqueceu.

MOR.

Quando as faces coravam
E os corações disparavam,
Talvez encontrasse o amor
Com ardentes beijos
Quentes desejos
Sem nenhum clamor.

Um bom relacionamento sexual
Vem de uma ligação emocional
Com a amada não pode frenesiar
Com coisas banis.
Não relembre fatos anais
Para você e seu amor saciar.

A paixão é intensificada
Pela constante ficada,
Saiba que amor não tem dono
Não tem pergunta
Não tem resposta
E pode mudar a cada ano.

O vigor pode ser em qualquer idade
Basta apenas ter criatividade,
Para um começo romântico.
Não fique discutindo
E tão pouco mentindo
Leve-a para ver o atlântico.

Em apenas uma semana
Sua pele ao sol, que bacana,
Terão um amor infernal.
Capaz de causar inveja
Não importa que alguém veja
Pois um grande amor é fenomenal.

Os grandes amores
São repletos de louvores
Trate seu amor com louvaminha
Caminha em tempo luarento
Com sua amada ao frescor do vento
Você com a sua eu com a minha.

Até o coração de um belicoso Mor,
Torna-se idiota diante do amor;
Pois até os Brutos também amam
Não deixe seu coração arredio
E seu pensamento ficar vadio
Pois somente os idiotas clamam.

O SENHOR.

Deus de toda consolação
Consola-nos em toda tribulação
Minha esperança em vós é um esteio
Procurava uma estrela radiante
E encontrei em vós a mais brilhante
Pois nunca nos deixaste em enleio.

E com esta confiança
Sempre terei esperança,
Porque minha glória
É o testemunho de minha consciência
Pois tenho em tudo a ciência
De traçar sempre o caminho da vitória.

Ensinou-nos a suportar com paciência
E com sabedoria usar a inteligência
Faça tudo com sinceridade
Estenda sua mão amiga
Afaste-se da intriga
E pratique toda simplicidade.

Não há ação sem reação
Seja adepto da consolação
Até da vida desesperamos
Seja solidário
Catalogue em seu diário
Pois a morte; esperamos.

Faça sempre boa ação
Não pratique burlação,
Reparta o centeio
Deixando seu irmão amparado,
Isto é o que temos esperado
Desta governação sem esteio.

Procure com zelo os dons espirituais
Deixando de lado os maus rituais,
Porque o que fala em língua desconhecida
Não fala aos homens
E a virtude não ao tens
E sua palavra será esquecida.

Mas o que profetiza
Tudo em sua vida realiza;
Não fale em vozes inanimadas
Pois o que profetiza edifica a igreja
Para que assim seja
E as pessoas serem amadas.

As palavras devem ser esclarecidas
Se possível até repetidas, parecidas,
Porque se a trombeta der sonido incerto,
Ninguém sairá para combater
E certamente o inimigo irá bater
Por isso ensina-te o que é certo.

Agora se não acreditar em Deus criatura
Não coma e beba por dias, e será escultura,
Pois as pedras não têm sentimentos
Se ainda vives em enleio
Acaba de vez com este devaneio
Se não, viveras em tormentos.

COMO EVITAR.

Um coração esperançoso
Realiza qualquer desejo
Jamais será embaraçoso
Desde que proporcione ensejo.

Um governante deve governar com firmeza
Mas deve ser flexível
Deve sempre usar a franqueza
Para não ser exigível.

Brasileiro profissão esperança
De tanto escutar promessa
E viver sem bonança
Cuidado políticos, o povo tem pressa.

Vivem prometendo os políticos
Em toda eleição que teremos Bona-xira;
Mas antes de tornarmos paralíticos
Terão que agüentar nossa ira.

Seus pensamentos é uma verdadeira astúcia
Conseguem tudo sem esforço,
Vocês estão ensinando ao povo malícia
E no final serão chamados de corço.

A BENÇÃO SALICA.

O fogo e a lenha
E o tacho aquecido
O amor que tenha
Do tempo esquecido

O fogo no fogão
Ao lado do progresso
Grande igual a um vagão
Lembranças de regresso.

Que saudades de minha avó
E daqueles tempos pretéritos
A garganta chega a dar nó.

Daquela água fervente e o pó
Daquela senhora de méritos
Que jamais chamei de vovó.

Que saudades do feijão engrossado
Naquele aquecido fogão
Se pudesse voltar ao passado
Não seria mais pagão?

No sabor do amassado
Que levava no vagão
Que delicia daquele assado
No recheio do pão.

Agora Salica o que inventa?
Nada; pois a mão já esfriava,
Com mais de noventa
Até galizé ela criava.

Rezava dois terços, e grande contenda,
Um a noite outro de dia
Nunca bebeu em sua tenda
Em sua morada grande estadia.

Pronta para qualquer assunto
Não gostava de individuo maçudo
E não degustava presunto.

Casas-te uma única vez com matuto
Jamais ficou caduca
E nunca leu um estatuto.

Às vezes praticava augúrio
Dotada de muita e refinada fé
E nada de espúrio.

Sofrestes pelas bandas da mata
Onde não viu enterrarem seu matuto
Para os coronéis, sem quartéis, mamata.

Amada minha
Deixou-nos saudades e tevês
Uma velhice de rainha.

Criou a mim e aos teus
Saudades eternas
Adeus, Salica, Adeus.

CUIDEM ENQUANTO TENS TEMPO,

Em todo planeta
Tem dia e noite
Até um simples cometa
Se tentar o sol terá açoite.

Em outros, os anos são maiores
Não há vida além da terra
Somente aqui temos os melhores
Mas também os piores, que geram a guerra.

As pessoas invadem o cosmo
A procura de outros seres
Às vezes fico pasmo
Pois pessoas sem deveres.

A lua e o espaço
Cheia; de lixo espacial,
As pessoas não dão um paço
E não fazem nada de especial

Para salvar sua morada
Tudo já esta devassado,
Até a bela namorada
Já não resiste ao passado

Não dão conta nem do lixo produzido
Ficam a contar estória
Seu tempo aqui, mais reduzido,
Achando nada, nem vitória.

PERDIDAS ESTUDANTES.

O estudo independente é gratificante
A dependência é humilhante
Os alunos ficam mais sábios
A dependência as vezes é preciso
Mas para quem já tem o siso
Chegam a tremer os lábios.

Mude o modus faciendi rapidamente
Os instrutores alguns dementes
Muitos; leitura apenas do código;
Os alunos apreensivos
Os professores repressivos
Não sou só eu, que digo.

Muitos são mulherengos
Alguns gostam de dengos
Dizem que são ricos
Vivem a contar vantagem
Tem um que fez chantagem
A maioria deles mulhericos.

Para uns alunos davam notas
Quase todas belas gaivotas;
A maioria de peito farturento
Umas falam ângelus
Mas tem as que agüentam os martelos
Do sedutor jumento.

Eles com anexim
Muitos com motim
As prendadas sem nada
E os honestos sem esteios
Eles com seus devaneios
E a mariposa com nota,; que danada.

SONHO DE NAUTA.

Que saudades daqueles tempos pretéritos,
daquelas tardes de zéfiro
diante do mar, com tatos méritos,
ainda é você que prefiro.

De nossos passeios pelo zimbral,
satisfazendo nossos desejos,
de modo tão natural
como era quente seus beijos.

Você com todo aquele enleio
ficava toda avermelhada,
quando acariciava seu seio
da capo; ficava toda molhada.

O amor era com azáfama
lembra-te quando perdeu seus bichas;
pensou que caístes na cama
não encontramos, pois, caíste na lama,
juntamente com todas as fichas.

Quando voltei de minha nauta,
disse –me que estava em seu dia fecundo,
voltei para pagar minha pauta
esquecer um pouco deste mundo.

Lembra-te que quase toda tarde
quando era só minha,
e o sol matutino que não arde
onde te pedia não cora, caminha.

Já não existe mais aquele santo,
pois de tanto ficar cálido,
agora me escondo neste manto,
pois me encontro um pouco pálido.

Te enviei muita missiva
na esperança de serem respondidas,
mas como é muita passiva,
as esperanças ficaram perdidas.

Nelas relatava nosso concúbito,
pois era muito vivida,
lembra-te de quando quebraste o cúbito
foram os piores de minha vida.

Como gostava daquele kümmel,
e de caminhos aromatizado
eu gostava de seu vaginal mel,
que não era bem batizado.

CAPITAL.

Afaste de sua vida esta ira,
e de sua mente vê se retira
este desejo de vingança,
a melhor coisa é emanar,
e suas dúvidas sanar,
pêra tudo terminar em folgança.

Deixe de lado esta soberba excessiva,
e não viva um vida possessiva,
se for um pouco soberbete,
comece a praticar o bem,
e não deixe de fazer também
anotação, para ser revistas em um verbete.

Não esnobe ou pratique a luxúria,
você pode causar a fúria,
em um individuo honesto,
será difícil resolver o problema,
viverá mais um dilema,
deste seu modo funesto.

Extermine de vez esta preguiça
e deixe de encher lingüiça,
diz coisas que agrada
expresse uma linguagem afetiva,
tenha um vida festiva
que é melhor que parada.

Não se deixe levar pela gula
ao comer; seu fula,
pois é inimiga da perfeição,
você será sempre observado,
melhor ser sempre reservado
e moderado na refeição,

Não se apegue a avareza
e tão pouco a realeza;
vá devagar sem esganação,
pois a calma é uma virtude,
e quando estiver na plenitude
saberá dar explanação.

Seja repugnante na inveja,
,as faça com constante peleja,
é melhor ser solidário
pois o invejoso é nauseabundo
e rapidamente estará no fundo
morrendo solitário.

RESSUSCITAR. A única chance que tem é:

Doe seus órgãos
Se não a terra ira comer
você tornara a viver
no corpo de um irmão.

Um irmão que precisa
se você doa ele vive
e você e seu ente sobrevive
e todos em sua volta realiza.

Doar é ressuscitar
fazer voltar a vida,
mas antes de sua ida,
você pode restaurar.

Tornar a viver
é para poucos,
somente os loucos
não querem reviver.

Doar é renovar
fazer alguém escapar dos perigos,
e todos serem seus amigos
e a vida, você pode fazer volta,

Já pensou seu ente querido ressurgir
em um corpo quase desfalecido,
não deixe seus órgãos na tuba esquecido
que jamais poderá reproduzir.

UM CAMPO SEM FLORES.

Vejo pessoas trabalhando
e outras atrapalhando,
o progresso da usina.
da fortuna que não vem,
dos negócios que provem,
e deixaram secar a mina.

Faltou ao dirigente estro,
na cidade só destro,
mas preferiram as aves de rapina,
o povo com o desemprego,
os comerciantes com o prego,
e a cana sem capina.

A usina jamais soou a buzina
será esta, do povo a sina
de não encher mais a dispensa,
de ver o filho chorando
os padres, pastores orando,
e político que não pensa.

Ganharam e perderam a política
e deixaram a cidade paralítica,
o coronel abandonou a cidade
só porque perdeu a eleição
foi no meio da grande refeição
pois não teve simplicidade.

Não foi capaz de entregar ao seu povo,
a usina para começar de novo,
entregou para mercenários
que fez muita mariposa
rapinaram igual a mais perversa raposa,
não pagando seus funcionários.

De repente tudo ficou parado,
o povo desesperado;
muitos comerciantes fecharam
todos para lá de honestos;
os proprietários da usina, funestos
por seus erros, se foram.

O coronel hoje com radiculite
já não anda por causa de celulite,
vive na riqueza
pelo mundo afora;
o povo hoje ora
para sair da pobreza.

De que vale a riqueza pelas ilhas
de quem já teve 6 mil filhas;
mais vale a fraternidade
do que riqueza e podridão
se hoje estas na solidão
ira só para a eternidade.

Foi coronel aqui em Campo do Meio
na grande cidade vive em devaneio;
e ai jamais será votado.
é melhor ser pequeno e conhecido;
mas preferiu ficar esquecido,
é porque sempre foi derrotado.

Na política, Azevedo veemente,
não sei o que passa em sua mente;
pois o poder pertence ao povo,
eles apenas o transfere
e é só tentar de novo.

Mas tem homens, que não gosta de perder,
será gana pelo poder?
estes temos que exterminar
podem acabar com uma cidade
igual uma no meio sem felicidade
que políticos não podem; obras terminar.

AMANTE tem dois tipos.

Por traz da névoa há luzes brilhantes
igual ao fogo de iniciantes amantes,
no inicio sagaz
primeiro prateada
depois dourada
e no final voraz.

Voraz porque corrói
e muitos amores destrói,
no começo a amante é volúvel,
não comete nenhuma rata,
depois vira até pirata
e no final ela fica terrível.

A amante só pratica razia
desde a antiguidade já fazia,
no inicio pedem com calma
depois começam a razoar
ficam todo tempo à arrazoar
sugando-lhe até a alma.

Não tem ciúme por ser mariposa
mas somente de sua esposa.
se o ver com outra coitado
saia de perto correndo
se não ficará gemendo
de tanto ser açoitado.

Nas também tem a amante fêmea
que pode ser sua alma gêmea,
faz tudo com carinho,
de grande neemência de sentimento
por sua paixão tem bom comportamento
e sempre quieta e quente em seu ninho.

Esta: objeto de vivo amor
faz tudo sem clamor,
seus atos de grande sensibilidade
pois tem você no coração
vive fazendo oração
para seu amor tornar realidade

Tem bons pensamentos
mas vive as vezes com lamentos,
criando alguma mazela,
seu amor muito quente
sua palavra as vezes eloqüente
porque também já foi donzela.

NUNCA MAIS.

O poeta escreveu no céu
a política cobriu com o véu
corpos no meio da luta,
de um povo descontente
avante e tente
brasileiros na constante labuta.

Corpos no meio do vetiver
quando alguém aqui estiver
verás do lado uma cruz,
fincada por alguém dos seus
soldados que não crêem em Deus
sem compaixão e luz.

Mataram, baniram seus irmãos,
que muita vezes lhe dava as mãos
um povo que mata seu próprio povo
jamais será arguto,
viverá eternamente em luto,
e tão sagaz, como a águia que como o próprio ovo.

De nada adiantou a revolução
se não houve resolução.
o político argentário sem atitude
o povo na miséria
que é coisa séria
pois estamos na solitude.

De que adiante a repressão
se os que mandam agem com corrupção
e o dono senhor de tudo
pensa em acabar com a fome,
ele e os outros come
seus planos sem estudo.

Empregos prometeram 10 milhões
cuidado! se as pessoas virarem canhões,
tudo será saqueado no futuro
e a igualdade virá,
pois de nada servirá
enquanto o povo estiver no monturo.

TEMPO.

No tic e tac de um relógio
você vê o tempo passar,
quando você a sombra de um refugio
onde tudo faz pensar.

Tempo que não volta jamais
mesmo você o relógio atrasando
as horas vindas não voltam mais
e o tempo esta passando. tic.tac...

Quantas vezes o relógio olhou
ninguém é capaz de saber,
toda vez que ele parou
foi sem você perceber.

A REVOLTA

Eu acredito no trabalho
que gera a produção
que fabrica o emprego
retira as pessoas do retalho
a miséria começa a ter redução
e as crianças aconchego.

O analfabeto é a flagelação
deixa as pessoas entristecidas
e os políticos só blasfêmia
até quando vamos viver de apelação
se não temos alimentos e tecidos
e o pai plangente; gemia,

de fome, com migalha
somos 30 milhões de famintos
sem moradia e letras,
tomem cuidado com a batalha
pois os políticos inaptos serão extintos
e o povo correndo atrás

Não entendo porque político tíbio
se todos somos gente
e eles preferem ser tétricos
igual a um governante líbio
que sai pela tangente.
Ma todos vocês ficaram elétricos.

RODOVIA, PRAZER OU MORTE.

Tantos veículos
cada um com um destino
muitos com dois óculos
em alta, coisa de desatino

a velocidade é inimiga
letal para os abusados
mas a atenção será sempre amiga
mesmo para os mais abusados

veículos conservados pelo tempo
de pessoas com responsabilidade
sempre terão agradáveis passatempo
alcançando, muito mais idade.

De que adianta
a pressa pode ser fatal
vá com calma sua anta
se não; não terás mais natal.

A velocidade era tanta
esquecendo que era mortal
queria chegar na ponta
mas deitado passou pelo portal

Se famoso coberto por uma manta
que foi azafama total
oh! olhe por ele minha santa
era piloto, eu não sei, tinham como tal.

Seu coração foi encontrado na ponta
da alavanca do cambio espetado sem a mitral
hoje ele já não canta
e nem corre por rodovia estatal.

Tenha cuidado ao dirigir
mesmo que fique na lanterna
se não os tablóides irão redigir
que fostes para a morada eterna.

VIDA DE CÃO.

De tamanha fé subiu no labório
pensando que era um oratório
estava com o terço e com os seus
o povo falava em suicídio no dia
todos com tamanha decidia
falava coitado, Adeus.

Alguém o conhece? pratica zoopedia
já o vi quase todo o dia e pedia
muitos em sua volta
grandes, pequenos, raivosos
muitos deles teimosos
sem lhe causar revolta.

Talvez esteja com zoopatia
que isso! deixe de antipatia
o homem gosta de rezar
ensina a todos sem discriminação
perito em inseminação
para tudo se realizar.

Dotado de grande zoolatria
essa é sua idolatria
ampara todos com carinho
e juntos fazem grande zoada
não confunda com revoada;
quando cria, todos no ninho.

Por estar lá; será zoantrapia?
já o vi fazer filantropia
andando por muitos bairros,
indo de casa em casa
viu presos e condenou cortada a asa
em casas feitas de barros.

Dotado de muita ética
assinou com outros zooética
para que respeitem seus costumes
pois todos animais tem seu jeito
todos também tem defeito
e até seus maus perfumes.

Naquela altura; e a epilepsia?
só se chegar a zoopsia
mas por ser cauteloso
descerá a qualquer momento
e se livrará deste tormento
pois seu coração é zeloso.

Sempre combateu transporte zoólico
nunca freqüentou zoológico
pois é onde os animais ficam triste,
falou que a terra pertence aos animais
e que as pessoas tornaram canibais
pois com fome ninguém resiste.

Agora na velhice pratica a zoográfia
e já é tremula sua caligrafia
pela devassa das pessoas pérfida
só os veremos pela fotografia
no final da vida todos fobia
no momento de sua ida.

AGONIZANTE.

É triste ver este álveo abandonado
como era bom o nado, danado
foram as pessoas com instrumento de cabo
tirem-lhe a ciliar e a vida
adiantando sua e nossa ida,

Tinha ali a pindaíba
forte igual Paraíba
que servia de pinguela
até para as formigas
trazia ali minhas amigas
só não trouxe aquela

que pelas costa me cravou o gládio
dela não tive notícias nem pelo rádio
mas tinha os olhos claros
igual a cor do oceano
mais bela a cada ano
e de pelos raros.

Aos arredores de sua vulva
que no deleite, mel, sabor de uva
a brotar das entranhas,
pouco visitada e conhecida
quem a desposou, jamais esquecida
porém cheias de manhas.

O álveo já agonizante
a ao olhar para o horizonte
só vejo campina e nenhum dos seus
o vegetal lenhoso já não existe
como o brilho de meus olhos triste
Adeus, “ áspide” Adeus.

PÁTRIA.

Os soldados foram treinados
para dar ao povo segurança
e o povo tem muita esperança
de um país sem reinados

Aos civis cabem o governo e poder
mas sem corrupção, cobarde
antes que seja tarde
e sua vida se perder.

Em corrupção e desídia
se seu país, aviltar
será destruído pela insídia
e nada poderá evitar.

No Brasil temos políticos avoengo
que jamais foram lideres
pensam em viver no realengo
e não sabem nem distribuir poderes.

Não aditem cincada
pois não tem demo filia aos seus
eleitores ,que em cada
eleição que passa; recorre a Deus;

RECUSA.

Sei que cheguei um pouco tarde
fique tranqüila não farei alarde
sei que vivo na solidão
e escrevo porque és bela
vejo em teus olhos donzela
o amor no coração

O pensamento de saudade arde
me faz lembrar a mocidade que fui cobarde
se a vejo; lembro-me dos tempos pretéritos
ao vê-la desfilando; só lembranças
repletos de grandes méritos

Se um dia quiser donzela
abra esta face bela
sentirá meu coração vibrar
descansarei em teus seios
escutarás eu sei; devaneios
se meus versos você lembrar

Donzela; feliz do amante,
que teu seio palpitante
seio de esposa fizer
que dessa forma tão pura
fizer com mais ternura
seio de bela mulher.

CUIDEM, JÁ ESTA NO FIM.

A água é a fonte
jorra para todos
além do horizonte
não a desperdicem com os rodos.

As vezes brota do monte
cercada por planctos e lodos
no inicio, vida rasante
em sua trajetória, tenhas modos

Ela te da vida e morte
de doce a salgada
benta, diz que dá sorte
reclama se alaga

Casa fraca e forte
deixa a chama apagada
a musa ao seu lado que sorte
deixa a fala e alma afagada

Ó liquido incolor
que és a fonte da vida
que retira o palor
da alma de pessoa mal vivida

Você que abranda o calor
e que ninguém duvida
terás no futuro grande valor
e jamais será esquecida

Composta de oxigênio
que para a vida é necessidade
juntamente com o leve hidrogênio
devassam sua fonte sem necessidade.

VIGÍLIA.

A terra foi criada
e deve por todos ser vigiada
foi criada para plantar
para todos ter o que colher
e nada lhe faltar

Pode ate maltratar a planta a geada
mas na primavera nova revoada
farta é sua mesa no jantar
mas milhões não tem cheia sua colher
e a fome faz chorar qualquer mulher
e a saga de um povo começa a espantar

Bela foi Maria filha de seu filho
como o grão filho do grão de milho
que alimenta um povo de fé
filhos , vejam como uma mãe chora
não esqueça que para todos, chegará a hora
e não punem seu julgamento, quem for ré

Mulher és fêmea por natureza
bondade de mãe é pura grandeza
pois o coração de uma mulher
é um oceano profundo
e a única racional com o corpo fecundo
e a única que com amor manuseia uma colher.

Mas tem a mãe que vê vazia sua colher
corre de seus olhos, sentimentos, grande mulher
este é o choro do coração
que a mãe não sabe fazer
que o político gosta de trazer
para rapinar votos, e a seu cão comprar ração.

Gostam-se milhões com ração
e a mulher fazendo oração
para ter em sua panela
o alimento para seus amados
eles com seus reinados
vendo o sofrimento pela janela.

JUMENTO.

No lombo de seus burros
´já fizemos muitos enduros
eu conheci muita gente
de donzela, mulheres e meretriz
que as encontrava-mo na porta da matriz
e se não gostava, saia pela tangente.

Meu burro tinha um trote repicado
na algibeira lavava um picado
para espantar um pouco as mariposas
Pois em noite d lua cheia
acontecia muita coisa feia
até pensando que fosse lobo; as raposas

Conheci uma bela algibebe
que gostava da água que passarinho não bebe,
era uma linda criatura
que vivia a cavalgar
dava brilhos nos olhos ao chegar
de tão linda, igual a natura.

Pessoas de amor no peito
tenha com ele respeito
pois o animal tem sentimento
nós os domamos
como também amamos
não os deixem, parados no cimento.

Viva e não se esqueça do juramento
pois eles nasceram do jumento
como nasce tudo por amor
você o fez; cavaleiro
quando voltar a pisar neste terreiro
não terás mais clamor.

Nunca diga sou imortal
todos passará pelo portal
por serem humanos
os animais também ; e ficam
ali adubam a terra e glorificam
e não tem sobre seus corpos, panos.

COSTURA.

Você não entrou
você me apagou
linda morena
de pele manchada
de perna fechada
voraz anfisbena

meu coração machucou
você não chegou
pois tosses para ti uma rena
pela peça acabada
pela saia babada
se perdeu na arena.

Que saudades desta boca
acho que dormi de toca
passaste por mi de graça
você ligada num rodeio
pensei que fosse meu esteio
mas me causou desgraça

Como foi linda aquela noite
que presenciei no animal açoite
você que ficaste viúva
pela força do destino
vive agora neste desatino
meu licoroso cacho de uva

Talvez não me trouxeste a sorte
pois o combate foi com o corte
você querendo ser ruiva
namorando este palestino
que odora o toque do sino
foste bastante intuitiva.

16 DE ABRIL.

Nesta manhã o clarão descortina
com a canto do galo majestoso
neste final de primavera
e sem camisola vejo, abro a cortina
e vejo este corpo jeitoso
que todo homem não teve, e eu tivera.

Esperando a chuva que não veio
pela fresta a estrela aquecendo
e derretendo o orvalho que lameia
começo novamente a descansar no seio
e de tudo esquecendo
até do fruto que só, semeia

Sinto seu corpo esquentando
e a cama cansada já vibra
e as crianças chorando e crescendo
suas amigas aqui freqüentado
pedindo um pouco de fibra
se viram não sei, eu vi seu corpo gemendo

No ápice do teu prazer
ficava com a boca gelada
e nossas cabeças a formigar.
tinha-mos muita coisa a fazer
até apreciar a cana pelada
e seu mel a pingar.

Vejo o amor no brilho de seu olhar
a um centímetro dos meus
e os lábios encarnados a gemer
corpos quentes, o lençol a molhar
não queria jamais dizer adeus
pois era vibrante seu tremer

Quando o sol já brilhava
eu sentado ao pé da cama
acariciando seu seio
sentia sua vulva que molhava
e meu fálus fazendo lama
em uma coisa bela no meio.

Ficava perplexo com seu chamado
que jamis ouvi outro igual,
neste amor farto de vida
como é bom sentir amado
e perder-me neste lingual
se eu contar; alguém duvida?

Depois de tudo e ter amado
e fecundado este corpo de sereia
escutava em meio ouvido seu cansaço
ficava muito pasmado
e até relaxado na areia
pois, em minha vida, foste um laço.

O laço da amizade e companheirismo
a areia branca de Ubatuba
onde degustáva-mos as espanholas
e nossa maneira de altruísmo
que não vimos, os acordes da tuba
e nem os estalar das castanholas.

Hoje é 16 de abril
o ano não interessa
somente o amor em sintonia
não gostava no seu dia, de nada fabril
mas sempre tinha pressa
e ao fazer amor, grande agonia

Seu desejo em ajudar os mais
ouvindo a todos sem discriminação
sempre será a rainha dos seus,
carinhos; mentira jamais
mulher do meu amor, sempre em ação
Jamais te direi adeus.

“ENSES”

Água parada
de políticos de nada
na cidade que é minha
o povo enganado
o voto não granado
e o cidadão caminha

par outra eleição
muitos sem refeição
atrás da esperança
que não virá
e muitos ora
atrás sem herança

pois seus antepassados
que não tiveram passados
não deixou bem
para seus descendentes
muitos já sem dentes
sem nada também

avante compomeienses
pois todos nós somos enses
eu, os meus e os teus
cidade amada
crença afamada
Adeus meu Campo Adeus.

DONZELA.

Quando tranças estes cabelos dourados
ficas atrativa até com elmo
será porque me falta iniciativa
pois chego a ficar todo molhado

Meus pelos chegam a ficar eriçados
olhando neste rosto angelical extremo
deslizam minhas lagrimas não festiva
destes olhos com o coração talhado.

Dos olhos cerúleos, sem mazela,
desta boca rosada, palavras duras
e meus pensamentos, queimam igual vela

deixo seus lábios, vou até seu ventre donzela
satisfazer nesta mata de rosas puras
te peço; suas delícias me revela.

CIDINHA.

Minha serenata é você meu amor
que paixão que tenho, pelo seu carinho
que me ajuda neste ardo caminho
alimentando minha dor,

Flores lindas em nosso jardim sem clamor
sempre enfeitado nosso ninho
que você cobria com seu corpo fininho
Ó minha carena, que louvor.

Fêmea amando suas crias
que era o amor vindo do coração
como tinha e davas regalias

que tempo querida, que dias
sua vida cheia de oração
amor de minha vida, que alegrias.

PARA UM CAMPO QUE FICA NO MEIO.

Eu resido em Campo do Meio
onde minha vida melhorou bastante
uma cidade onde o povo não vive
os que vive, em devaneio
muitos já retirante
o restante; amor que tive.

Sem sociedade organizada
o patrimônio já não existe
por uma política vingativa
seria uma cidade batizada?
ou o povo que resiste
vivendo sem perspectiva.

Fé é o que não falta
pelos caminhos da vila
e pela estrada apertada
uma reza determinada e alta
pela serrinha em fila
desbravando mais uma jornada.

Lá no alto da serra
olhando para o horizonte
como é pequena minha amada; me mata
de vê-la em sua guerra.
pois vazia esta sua planície gigante
e na administração só mamata.

Olhando para o São Jose
até o lobo berra
sem ter prazer.
Então lhe pergunto ó Zé
como segurar esta barra
se ao povo não tem lazer.

As crianças não têm uma quadra
piscina nem pensar
me ajudem se esqueci
e pedir que não enquadra
as pessoas a sonhar
e os jovens em frenesi.

Vendo a vila de crianças pequeninas
lá do alto eu lamento,
por seu povo humilde, mas honesto
quando chego nas esquinas
começo a ver o tormento
de seu parecer funesto.

Olho para o Santa Luiza
E o JK e Santana
vejo as meninas, coisas, erradas
não vejo nada, só agonia
de um povo tão bacana
e ruas arrasadas.

Agora faço um apanhado
de uma cidade e sua glória,
que o amor que sinto não pode esquecer
cercada por um lindo banhado
Campo do Meio ainda entrará para história
pois não à deixarei fenecer.

E quando por ti eu fizer
não precisará me agradecer
que tudo que fizer para ti, será pouco
mas se novamente você quiser
estarei pronto a obedecer
mesmo que esteja pela idade rouco.

Quando for dar alguém o dever
de cuidar de nossa linda cidade
preste atenção em suas idéias
pois pertence a vocês o poder
esta é a realidade
mais cuidado com as prosopopéias

Então peço as professoras, este auxilio
ajudem a tirar nosso povo do exílio
pois a única saída é a educação
para Campo do Meio e a Nação
as professoras fazem o que podem
a elas grandes louvor encimados
por seus desejos amados
que muitos políticos não tem.

Vocês ensinam o pobre e o rico
pois seus gestos são feérico
tira todos da escuridão
com seus rendimentos fazem mágica
e são dotadas de lógica
pois este é seu condão.

Avante campomeienses
pois todos nós somos enses
eu, os meus e os teus
cidade amada
crença afamada
Adeus, meu Campo Adeus.

A TELA.

25 anos tirando o povo da escuridão
para muitos parece até um sonho
pois toda realidade acaba com a solidão
do homem que chorava, agora és risonho.

Energia da vontade de aprender
de garra e raça para vencer
que só o individuo pode resolver
de sua vontade de aprender a ler.

Milagre não; tecnologia
chegaste a milhares de lares
para um povo cheio de energia

Brasileiros seguem seu caminho
sempre de olho no livro e na tela
junto com a Fundação Roberto Marinho.

POLÍTICA PARA POUCOS.

Na história poucos lideres tivemos
agora culpa de quem veremos
a maioria são Sevo, que bobagem
ficou apenas fazendo politicagem

A política é habilidade no trato das relações humanas
mas teria que ser só para os bacanas
o povo tem que deixar de ser idealista
para que possamos encontrar um grande estadista.

Jamais acabará com os problemas de um povo
o homem posto na política por alguém,
nem que ele tente de novo.

Lembrem-se que político tem que ser natural
muitos estão na política por serem parentes
fazendo do Estado um grande curral.

NINGUÉM É PERFEITO.

Se você acha que é superior
tem muita solidária inferior
ajude o companheiro com sabedoria
para não acabar em uma enfermaria

Humanismo e solidariedade
cabe a todos em nosso sociedade
e o que deveríamos festejar
e nunca se obstar

Hoje não estas precisando
você pode até ser perfeito
amanhã poderá ficar esperando

Seja solidário com seu irmão
porque ninguém é perfeito
da próxima vez estenda a mão.

PARA O RUSSO.

Renato geração oitenta
o futuro só lamenta
sua partida repentina
e deixou saudade naquela esquina

Renato, falam em acabar com a fome
de um povo trabalhador de nome ciclone,
pois o homem precisa de emprego urgente
que outras coisas ele compra, gerente.

No Brasil apaixonado
do violão afinado
e de políticos desinformado

Falam em educação saúde e moradia
pensam que irão conseguir
Renato, que covardia.

RÉQUIEM AETERNAM DONA EIS.

Que saudades João Moscardini Duarte
daqueles tempos pretéritos
onde adquiriu vários méritos
apesar de tudo, ainda tinha tempo pra arte.

Pensamentos gravados na companheira Julieta Assunção
tempos que não voltam jamais
que teve 5 filhos cravados em seu coração.

De Boa Esperança, Alfenas e Campo do Meio;
fostes principiador, ajudando no progresso
e de sua prole o estudo com sucesso
com tantas dificuldades, realizou seu devaneio.

Seus filhos são todos prolíferos educados
onde não puderam estudar são diretores
e muitos deles são doutores
e construíram grandes reinados.

Daquele tempo de outrora, estou lembrando;
que saudades minha Mãe, que saudades meu Pai
neste ultimo terceto falo em nome de Fernando.

ESTIPÊNDIO; QUANDO.

Emprego para o povo
é o que os políticos precisam encontrar
e o que eles querem é só reinar
e jamais fazem algo de novo.

Acabem com a corrupção
e parem de serem mercenários
e não sufocam nossos empresários
e ajudem nossa Nação.

Para sofrida população
desemprego é fácil de acabar
na receita esta a solução;

Pois quem perde é a população
reformem a justiça do trabalho
que só pensa em punição.

PARA ELES.

Companheiro dispenso este seu exegese
mas se queres falar sobre este assunto
espere um pouco que logo lhe pergunto
pois não falo ou ensino catequese.

O povo que dissolução ou solução
os políticos o poder
estes não sabem tomar decisão
e nosso podo sempre com o dever

dever dos sem salário
dever dos sem comida e casa
dever de quem? De um povo solidário

Falo da vida de um povo
de políticos inaptos
que sempre querem começar de novo.

MORADIA.

Moradia a grande espera
de todo povo brasileiro
muitos até desespera
e vira bandoleiro.

Já pensou quando seu filho for casar
e eles não ter onde morar
a preocupação vira reinar
até quando eles aprenderem a governar.

Nossos governantes podem amenizar
fazendo a alegria de um povo
é só saber planejar e fiscalizar.

Brasil com é fácil acabar
para nosso povo alegrar
e sua vida organizar.

CIDADÃO.

Coitado daquele homem sôfrego
vive correndo sempre atrás de emprego
dia após dia fica mais complicado
e ele cada dia mais agoniado

Nossa saída é através da educação
para todos encontrar-mos a solução
enquanto ela não vem, só têm um meio
as pessoas ficarem filosofando em devaneio

Mas antes isto meu irmão
pois você não é uno
e não vão chama-lo de gatuno.

Sem casa e sem pão na solidão
o desespero pode cair na sua mão
depois vão chama-lo de ladrão.

Para os Radialistas.

Orientem nosso povo nas eleições
não deixem que façam rebeliões
apenas, que escolham bem os candidatos
não votando apenas pelos retratos.

Precisamos eleger governantes
comprometidos com nosso povo
para que façam algo de novo
e não sejam navegantes.

O Brasil é um gigante
e nosso povo solidário
e o que eles precisam é de salário.

Conto com vocês pioneiros radialistas
para que o Brasil encontre seu caminho
e que possamos eleger grandes estadistas.

Fuinha.

Dizem que a mulher fuinha é pior que prostituta
pois a prostituta sempre tem o que dar
e a mulher fuinha só pensa em rapinar
e tudo que ela faz é só por disputa.

Mulher encabulada desconfiada
quase não tem amigos isolada
mas na ora do bote, cuidado, perigosa
até vestida de mortalha ficas vaidosa.

Fuinha com garras afiadas
Fica só matutando algo funesto
para na hora certa dar grandes fisgadas.

Surrupiam sempre dentro da lei
a maioria delas sempre com defesa a vista
e você esperto, pensava que foste rei.

Para as mulheres felizes e as que foram bem amadas.

Perdi meu marido
findou meu amigo
Adeus meu querido
que sempre içou comigo.

Vida dura de grandes lutos
foste o amor mais sereno
que tive neste terreno
apesar de muitas labutas.

Os anos que passamos felizes
foram os mais afortunados de minha vida
Apesar de alguns deslizes.

Vá com Deus para sua nova morada
seis que já estas a seu lado
olhe por mim no restante de minha jornada.

Mulheres.

Mulher sempre divina
a luz das luzes reluzente
esta sempre presente
e que sempre nos ilumina.

Tenha cuidado com seu período puerperal
pois és fêmea minha criatura
nesta jornada de muita bravura
que é seu momento especial.

Gostamos de vê-las até por retrato
ai do homem se não as tivesse-mos
eu feliz tenho quatro.

Homens, antes de levantar a mão para ofendê-la,
lembre-se que saístes de uma
não é melhor protegê-la.

Vida.

A vida é bela
só se tem uma
uns não tem nenhuma
cuide dela

Tão bela e grandiosa
você deve moldá-la com carinho
para viver outro caminho
pois vida é jóia preciosa.

De que adianta chorar
se tens apenas uma
cuide para não lamentar

Vida minha ou tua
não vivas no mundo da lua
porque só tens uma.

Mariá.

Es tão bela como a primavera
se andas só eu não sei, que pena
mulher bela superior a carena
sei que seu olhar me venera.

Sempre educada, majestosa e atenciosa,
saiba joeirar seus amantes
para não sofrer como antes
beleza superior a de uma rosa.

Seu sorriso a deixa mais bela
cabelos cheirosos como uma flor
só mesma você minha Cinderela.

Sua fala macia igual ao canto de um sabiá
gostaria de vê-la vestida com um cendal
seu nome diferente de todos, Ó Mariá.jamais má.

TV.

Quando a globo veio ao ar
e iluminou seu lar
tudo começou a mudar
e sua vida prosperar

do espaço ao oceano mais profundo
a noticia as vezes chega um pouco triste
mas mesmo assim ninguém resiste
e em segundos temos o mundo.

Anos e anos de informação
de compras a liquidação
mais o melhor é a educação.

Vá em frente globo de ouro
continue ajudando nosso Brasil
que és meu precioso tesouro.

Vidas.

Serás que não sabes, amor
seu olhar me venera
a vida é uma grande espera
apesar de um pouco de dor

De que adianta a vida
se não sinto mais seu gemido
com este coração e pensamento unido
nesta jornada sofrida.

De que adianta a dor
se na plenitude de minha vida
não tenho seu volumoso amor.

Nossos corpos estão acabando
onde esta minha outra vida.
estou aqui pensando.

Emprego.

De as pessoas emprego
e não sufoquem nossos empresários
Eles não são mercenários
e outras coisas elas compram; pelego

Justiça que só toma de quem tem
não é capaz de traçar o caminho
de um País verde, amarelo canarinho
para agir com equidade que veio do além.

emprego do empresário valente
que a justiça o condena
e o direito o descrimina, contente.

Sei que com grande dificuldade sobressai
empresário visionário empreendedor
grande ajuda tens no Sebrae.

PARA TODOS

Diz da cor do carmesim
que era dele; sim
não igual ao meu
pois puro é do Senhor
que todos devem louvor
inclusive eu

quando usava seu cardigã até os tornozelos
seus Discípulos, muitos com zelos
calavam a todos
os reis assustados
muitos ainda afastados
atolados nos lodos

quando chegou em seu zaino
para abençoar seu reino
sabiam que era o grande zagal
nesta hora fresco era o zéfiro
do tipo que prefiro
e hoje Senhor, já não tem matagal

jamais praticou patranhas
por elas não ter entranhas
pois só trazem mazelas
e isso não é bom para os humanos
mas na época praticou os romanos
vendo que o Senhor só fazia coisas belas

agora Senhor seu nome é durante
para a maioria, perdurante
com fé e esperança,
mas há perdidos
corpos estendidos
pelo metal da lança

em muitas civilizações penúria
há também muita luxuria
não á das plantas
é gente sofrendo
gente morrendo
e não fazem nada as antas

sabe Senhor; o tempo esta quente
a cidade repleta de delinqüente
e as pessoas perdidas
terás saudades das águas do Jordão
uns tiras, outros dão
e vidas sendo medidas

pela ganância dos mortais
esquecem eles que não tem portais
o estreito ataúde
que o leva solitário
até mesmo o bom solidário
e o ateu sem saúde.

Senhor te fiz vários pedidos
todos, até mais foram atendidos
teve até pedido louco
que só tu sabes
perigosos iguais a muitos sabres
e tudo que faço por ti ainda é pouco.

me resta pouco tempo
motivos; contratempo
por castigar a vida e os meus
sei que cuidaste de mim
mas esta chegando o fim
Adeus, meu Jesus, Adeus

Sei que tu és caritativo
e na terra muito ativo
por deixar sua palavra
que foi escrita
bilhões rescrita
rica; mais rica que a pura lavra

CAMPINAS

Se o meu fusca falasse
e por muito que eu andasse
não encontraria você em seu castassol
você se foi
nem me disse um oi
como fazia ao nascer o sol

Será que foi por ele?
meu ou dele
foi o seu amor
só sei que ele te usou
seu corpo lambuzou
só te restando o clamor

Sem ódio anfisbena
minha linda morena
que se deixou levar
pelas peripécias da vida
que tu ainda duvida
linda flor de minha bulevar

Quis eu te levar sem treta
para assistirmos uma retreta
naquela linda avenida
que não foi uma patranha
como a garganta que arranha
em nossa boca unida

Quando eras meninota
pura e de alta nota
só eu via seu menear
mas por causa de uma aleivosia
de pessoas que não sabem poesia
não tive seu corpo na linear

Todo desprovido de linhas
como nasceu minhas filhinhas
que serão todas doutoras
mas você se foi para campinas
eu além das Filipinas
com diversas autoras

Mas o tempo esta passando
o corpo se assando
assim como o meu e os seus
como foi bom te-la no coração
e em minha oração
recuperou-se meu lince, Adeus.

TENTE

Renuncie a toda superficialidade
e vivas na realidade
para não ter tormentos
aproveite a bela vida
não faça divida
e não terás lamentos

Renuncie também a todas as convenções
só para os grandes as intenções
e os acordos previamente estabelecidos
você apenas mais um
o que deveria ser em comum
para lideres de idéias falecidas

Renuncie a todas as vaidades
pois campo santo tem todas cidades
façam o bem a estranhos e aos seus
e não deixe ninguém ver
apenas sua alma vai ter
um grande encontro com Deus

Renuncie a todas as ilusões
não deixe levar pelas impressões
as vezes boa porem efêmera
procure o verdadeiro
Mem que seja o derradeiro
mas afaste-se da quimera

É trabalhoso realizar sonhos
mesmo que sejam medonhos
siga em frente
mostra sua bagagem
transmita sua mensagem
mas sempre...tente.

MUSA DE NOSSA TERRA.

A musa Luma
macia igual e bela pluma
a provocar infinitos deleites
na avenida, paralela e na passarela
fica toda tagarela
e cheia de enfeites

Na revista isto é
encantou de plebeu a Pelé
chega de regresso
e pouco patriotismo;
agora é o nacionalismo
e ordem e progresso.

País no rumo
antes sem prumo
agora cheio de responsabilidades
o povo peleja
agora também festeja
e prospera serão as cidades

Tornara realidade; quimera
antes temera
agora esperança
para o povo sofrido;
porém; sempre garrido
e longe da lança.

A Luma enfeita o bonde
as luzes rejeita o conde
que não tem o título
A Luma caminha
o conde, eivado pela caninha
branca, linda sem cheiro e rótulo

A Luma filmada
a Pátria sempre amada
na cor e no embalo
a Luma corta a onda
o Rio elege o panda
e assado é o camurim robalo.

CABEÇAS DE FÉ

O Deus eterno disse o seguinte
a respeito da seca bem antes dos anos vinte
as cidades estão morrendo
o povo está abatido, no chão
grita pedindo socorro e pão
e para a morte correndo.

Os ricos, colonos buscam água
nesta hora acaba a mágoa
eles vão até os poços
e voltam com os potes vazios
pois secos, rachados estão os rios
e a terra sem tremoços

Não adianta cobrirem as cabeças, desanimados
sei que estarão atrapalhados
como os agricultores também
todos desesperados
parados estarão os arados
por não terem falado amém

A terra está seca sem seu manto
as pessoas todas no espanto
e os animais abandonando suas crias
já não há capim
sobre a terra perigoso estopim
e saqueadas todas mercearias

Os jumentos no alto do morro
pessoas animais pedindo socorro
todos com falta de ar
respirando como lobos é óbvio
por serem todos pacóvio
e tudo ira desabar

Ó Deus eterno
antes de vestirmos o ultimo terno
por nossos infinitos pecados
pedimos que nos ajudes
amenize os ataúdes
pois muitos foram os recados

Tu és a única e ultima esperança
pois somos tua herança
tu és aquele que nos salva
quando estamos em dificuldades;
por termos feito maldades
ajude-nos Dono da Estrela-d!alva

Senhor tu estás entre nós
e nós somos teu agora e após
não nos abandones
salve nossos corações
pois cantamos suas belas orações
para sermos Senhor; clones

Oh! Senhor tu sabes que alguns profetas
que jamais serão poetas
estão dizendo que não vai haver guerras
eles afirmam que paz prometeste
e que pela terra nem peste
e nem fome pelos campos e serras

Estão profetizando mentiras em meu nome
haverá grande fome
pois jamais os enviei
e nem lhes dei ordens
e tão pouco, bens
e vocês sabem quem é o Rei

As suas visões são mentiras
pegue tu mesmo as escrituras e confiras
e verá na Bíblia as verdades
eles inventa profecias só para enganar
e seus bens afanar
e confundir as cidades

Eu o Deus Eterno
digo a vocês, farei destes profetas um inferno
não os enviei em meu nome
eu os matarei na guerra
cortarei todos na lamina da serra
e os que escaparem morrerão de fome

As pessoas a quem eles disseram
essas coisas de que eram
meus profetas e acreditarem!
terão o mesmo fim
pois tudo será assim
se nos falsos acreditarem

Seus corpos serão jogados nas ruas
pessoas perdidas e nuas
e eles pagarão pelas suas maldades
e Deus mandou contar minha tristeza
e peço a todos que deixem de afoiteza
e orem por todos e pelas cidades

que meus olhos derramem lagrimas
nestes olhos que são rimas
e que nunca parem de chorar
porque o pobre povo
está muito machucado de novo
por que deixou de orar

Quando vou ao campo
os meus olhos tampo
para não ver os corpos das pessoas
quando entro na cidade só vejo fome
olho os corpos; fino é o abdome
quem mandou adorar qualquer! varias corroas

Os profetas e sacerdotes
muitos; quase todos sem dotes
continuam seu trabalho
porém não sabem
o que estão fazendo; se mal ou bem
enganando o povo falho.(Francisco Carlos)

PENSAMENTO

O puro sentido secreto
das sete estrelas é muito sábio e reto
você viu na minha mão direita
viu também os sete candelabros
se não acreditas terás descalabros
ore e tudo se endireita

As sete estrelas são os Anjos
das sete igrejas e seus arranjos
e os candelabros são as igrejas
tudo em números iguais
como sabem; minhas palavras são imortais
ore; que assim sejas

Eu sei o que vocês tem feito
peço-lhes que façam direito
sei que trabalham e tens paciência
sei que puseram a prova os falsos Apóstolos
e eles são mentirosos e tolos
mas vocês tem a ciência

Sei que sofreram por minha causa
sem desanimarem; e sem pausa
e agora não me amam
como antigamente
sei que é forte a mente
e que muitos não reclamam

Lembre-se de quantos vocês caíram!
e dos que por nada; me traíram
arrependem-se de seus pecados
e façam o que faziam no principio
peço; orem por todo município
mas tu mesmo, sem recados

Pois se não se arrependerem
e os perversos não entenderem
eu virei e tirarei o candelabro
mas vocês tem algo a seu favor
banem os falsos e gritem louvor
ou preferem o triste descalabro

Se tu tens ouvidos; então ouças e vejas
o que o Espírito de Deus diz as igrejas
os que conseguirem a vitória com os seus
eu darei o direito de ida
e de nutrirem da fruta da arvore da vida
que cresce no jardim de Deus.(Francisco Carlos)

A VINDA

Tão puro és o alimento Divinal
pois este e o sinal
e o anjo disse, que estas palavras merecem confiança
e que logo vai acontecer
de manhã ou ao anoitecer
que o Senhor virá; tenha confiança

Felizes o que obedecem minhas palavras
terão riquezas; como as puras lavras
dobrem os joelhos somente a Deus
não faça segredo das palavras proféticas
de tão lindas são poéticas
e ensine a todos e aos seus

Pois o tempo está bem perto
e não adianta bancar o esperto
quem é mal, imundo, bom permaneça
e quem é dedicado a Deus continue assim
os maus, os imundos será o fim
mas ainda há tempo; abasteça

trarei comigo as minhas recompensas
então digo; pensas
irei dá-las de acordo
com que cada um tem feito
então corrija se tens, teu defeito
pois será amargo o xarope do

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 23:47

Ministério da Poesia :

No votes yet

SALICA

imagem de SALICA
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 12/15/2009
Conteúdos:
Pontos: 34

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of SALICA

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Erótico MEU ULTIMO AMOR 0 241 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Aforismo QUER RESSUSCITAR - LEIA 0 229 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Amor A VIDA APÓS A MORTE 0 156 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Aforismo MINHA TERRA 0 225 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Paixão TERRA NATAL 0 197 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral PARA UM GRANDE AMOR 0 232 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Aforismo PARA AS MULHERES QUE FORAM BEM AMADAS 0 241 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Paixão MULHERES APAIXONADAS 0 228 11/19/2010 - 19:09 Português
Poesia/Aforismo MARTINIÁCEA 2 152 12/16/2009 - 02:44 Português
Poesia/Geral PARA AS MULHERES BEM AMADAS 2 182 12/16/2009 - 02:43 Português