CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ninfas

Voltemos ao velho mundo na bagagem
Nostálgica da Mitologia Greco-Romana,
Ouçamos o som que das flautas surgem
Dos Sátiros deitados na vinha insana.

Seres rústicos, de nariz arrebitado e chato,
Maliciosos e petulantes com pés e pernas
De bode na personificação do homem nato
Em sua má paixão de diferentes esferas.

Apavorados diante de tal bestialidade,
Os pastores ofereciam-lhes sacrifícios.
Mas saciavam-se somente com beldades,
Com ninfas dos bosques em seus vícios.

Eis que surge a relação de amor e ódio
Quando ninfas com seus rostos de poder
Atraem aqueles que embriagados pelo ócio
Querem luxúria no pecado do prazer.

Serenidade, altivez e irresistível charme,
Estas criaturas das florestas e dos campos
Atraem o sátiro que tão burro e tão inerme
Cai na cilada de seus maliciosos encantos.

Este ser metade bode, metade homem
Tem medo de água. Sendo atraído pelos olhares
Lúdicos, viciosos e perversos do hímen
Das ninfas suplicando por apelos salutares.

Belos corpos nus surgem do nada
Para arrastarem esta criatura para o lago.
Sem forças cai perante tal manada
E vergonhoso chora lágrimas de pélago.

De volta aos quentes tempos modernos
Vemos as ninfas andando pelas ruas
Com perfumes, esmaltes, roupas e saltos.
Tudo fica fácil quando mostram suas peles nuas.

Por outro lado os homens são sátiros
Que estúpidos pelos seus brutais
Instintos sexuais amargam em delírios
Das deliciosas mulheres-ninfas carnais.

Submited by

quarta-feira, dezembro 16, 2009 - 23:45

Ministério da Poesia :

No votes yet

FranciscoEspurio

imagem de FranciscoEspurio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 10 anos 36 semanas
Membro desde: 11/08/2009
Conteúdos:
Pontos: 450

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of FranciscoEspurio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Meditação Demasiado estranho 0 545 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Flores negras 0 309 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral O sublime como princípio (o nome do hoje, escrito pelas mãos do amanhã) 0 417 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral O poeta apocalíptico 0 309 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Ode ao caos (Nietzsche no hoje, no ontem, no amanhã) 0 438 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral O flagelo do diabo 0 901 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Meditação O consentimento dos vadios 0 232 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Lentes embaçadas 0 637 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Paixão Ela 0 792 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Poeira sagrada 0 546 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Meditação Orvalho 0 707 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Paixão Verão Cigano 0 346 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Dias escuros 0 349 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Diálogo 0 625 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Caminhos 0 489 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Intervenção O mestre 0 666 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Solidão 0 453 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Perpétuo 0 574 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Almas ao mar 0 638 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Asceta 0 691 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Os missionários 0 375 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Percepção 0 461 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral Santrutivo 0 311 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Geral O fiacre fantasma 0 635 11/19/2010 - 19:09 Português
Ministério da Poesia/Amor Ana, outra vez 0 417 11/19/2010 - 19:09 Português