CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O poema subjetivo

A cinza do fóssil se decompondo perante
o acampado,umedecendo a terra com a seiva organica
de antigos órgãos vivos,agora todos mortos.Gemidos
tresloucados dados por um homem com a pele rasgada que,
enquanto berrava ensurdecidamente,cuspia incontáveis
gotículas de sangue que provinham dos repuxos motivados
pela bala de fogo que se instalara por dentro de suas tripas.
As vísceras escorriam-lhe pela barriga,ruborizando,de maneira clara,
o tecido verde do seu manto de batalha que,em atribuição
dos préstimos a que se devia a nação ao homem,fizera-lhe à medida
de modo que o seu perecimento se passasse por glorioso
e o seu corpo estivesse em boa forma.

Quanto sangue escorrendo pelas veias permeáveis da terra,
as moscas e os urubus,todas as espécies,inclusive os falsários
e batedores,vindo buscar o resto de patriotismo que sobrara
nos corpos de tantos homens pútridos e sem alma que,
por tanto matarem para não morrerem,merecem mesmo
dias intranquilos de estadia no inferno.

Os logros e avanços da guerra são os incontáveis
versos de poesia simbólica que acalentam o espírito imundo
da cloaca sem fundo que é a vida.E cada palavra tem de cisar
feito navalha,uma vez que sem brutalidade não há bom verso.
Organizemo-nos dentro de boas famílias devotadas à fé cega
em credos inúteis que,em nome de um Deus que permite
batalhas,estupros,abusos,e toda espécie malcheirosa de delito,
tentam incutir nas cabeças desmioladas do povo
a querelice teológica fundamentada por homens temerosos
ante a certeza fria que é a morte.

Vamos,primatas!Encarai de maneira corajosa a vida.
Expressai a sua fisionomia de mártir e de gente de importancia...

Cala-te,homem!Cala-te e não ousa
querer inventar uma vida que não tenho.
Suportemos esse exilir de não existencia...

Submited by

segunda-feira, fevereiro 8, 2010 - 07:16

Ministério da Poesia :

No votes yet

joaopaulo19

imagem de joaopaulo19
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 02/08/2010
Conteúdos:
Pontos: 111

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of joaopaulo19

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Intervenção O poema subjetivo 0 328 11/19/2010 - 19:23 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Canção para Bia 0 275 11/19/2010 - 19:23 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Da criação 0 336 11/19/2010 - 19:23 Português
Ministério da Poesia/Intervenção À la tombée de la nuit 0 300 11/19/2010 - 19:23 Português
Ministério da Poesia/Intervenção O poema subjetivo 0 627 11/19/2010 - 19:23 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Meu cachorro Pingo 0 401 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Carta ao exímio monsieur Hélio 0 319 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Hino à infância 0 324 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Depressão 0 345 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Morte no ônibus 0 254 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção O comunista 0 290 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Sem forças para ir adiante 0 263 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Evocação 0 253 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção A verdade 0 342 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Do mistério corpóreo 0 311 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Eu quero triste 0 341 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Adeus 0 322 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção De Leningrado 0 329 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Ninfetinha 0 503 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Iconoclastia 0 322 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Do poeta 0 314 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção À igreja 0 328 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Soneto sem nome 0 371 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Morte diária 0 323 11/19/2010 - 19:21 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Olá, Monotonia 0 346 11/19/2010 - 19:21 Português