CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Saindo da redoma

Entre as muitas características passíveis de ser atribuídas ao livro A redoma de vidro, único romance escrito pela poetisa americana Sylvia Plath, a mais tocante é a sinceridade com que a autora descreve os sentimentos de uma jovem que se vê presa dentro de si mesma, isolada com seus medos, inseguranças e inadequação em um mundo no qual não se sente compreendida.
A jovem protagonista Esther Greenwood (alter ego de Sylvia) tem apenas dezenove anos, é inteligente, com um futuro promissor e esta passando um mês em Nova York, trabalhando para uma revista após ter sido classificada em um concurso. Junto com outras moças, Esther se encontra em um mundo novo, de emoções frenéticas e oportunidades. Porém, a euforia da experiência de Nova York deixa-a desnorteada e ela, ao se ver entrando na vida adulta, o que implica fazer escolhas, percebe-se indecisa e incapaz de agir.
Aos poucos, a jovem vai mergulhando no desespero. Pergunta-se o que fará de sua vida e, diante de tantas escolhas, não consegue fazer nenhuma; duvida de seu valor, sente-se pressionada pelas convenções sociais e pessoas que a cercam e, ao mesmo tempo,questiona-se sobre o papel que deve exercer como mulher, visto que lhe repugna viver servindo aos homens.
Naturalmente, com a evolução do seu quadro, Esther vai encontrando mais dificuldades com que lidar: a volta para casa, que a obrigará a voltar a conviver com a mãe, com quem sempre teve uma relação conflituosa, sua não-admissão num curso de escrita e a depressão em que começa a cair, afastando-se da vida e das pessoas, sua mente constantemente assediada pelas ideias de morte e suicídio, num lento processo de colapso interno, cada vez mais aprisionada numa redoma de vidro, que não é outra coisa senão seu estado de saúde mental abalada.
A redoma de vidro mencionada por Esther se configura numa prisão interna, criada pela mente doente que se sente mais sozinha por não conseguir expressar o que a atormenta.
Muitos dos procedimentos médicos sofridos por Esther, como a internação e os eletrochoques, foram experimentados por Sylvia Plath na vida pessoal. Seu único trabalho em prosa publicado é um ato confessional no qual, assumindo a identidade de Esther Greenwood, ela fala de sua própria dor, luta contra a depressão incapacitante e seus constantes pensamentos de morte, que a faziam flertar abertamente com o suicídio. O fato da história ser narrada em primeira pessoa aumenta o impacto do sofrimento emocional da protagonista, fazendo-nos sentir que ela dialoga conosco, que passamos a compartilhar de sua dor única, sentimentos de inadequação, imersão no inferno da doença mental, entrada brusca no mundo separado dos hospitais psiquiátricos e lenta reintegração à sociedade, com a consciência de que sua vida não será a mesma de antes de ser aprisionada na redoma de vidro.

Submited by

quinta-feira, novembro 13, 2014 - 14:27

Críticas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 10 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Don't call me anymore 1 1.846 03/14/2018 - 13:22 inglês
Poesia/Geral Now, we are together 1 2.170 03/13/2018 - 21:29 inglês
Poesia/Fantasia Give me wings 1 1.792 03/13/2018 - 21:29 inglês
Poesia/Amor How can I show you 1 2.133 03/13/2018 - 16:48 inglês
Poesia/Tristeza You'll never be forgotten 2 2.293 03/10/2018 - 13:37 inglês
Poesia/Geral Não haverá mais segredos 1 1.102 02/09/2018 - 10:39 Português
Poesia/Tristeza We're never ready to say goodbye 0 2.251 03/12/2017 - 11:42 inglês
Poesia/Amor Sentimentos 0 1.240 01/19/2017 - 23:46 Português
Poesia/Geral Irmão 0 1.303 01/07/2017 - 21:42 Português
Poesia/Desilusão I'll never see you again 0 2.061 01/03/2017 - 15:02 inglês
Poesia/Desilusão O seu melhor 0 2.040 01/03/2017 - 14:58 Português
Poesia/Desilusão O último adeus 0 1.313 12/28/2016 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Aonde pensamos 0 1.419 12/28/2016 - 16:32 Português
Poesia/Gótico A velha do saco de ossos 0 1.999 11/23/2016 - 16:45 Português
Poesia/Gótico Presenças espectrais 0 1.505 11/23/2016 - 16:36 Português
Poesia/Desilusão Don't come back to me 0 1.826 11/17/2016 - 16:11 inglês
Poesia/Geral Teu grito 0 1.641 11/17/2016 - 16:08 Português
Poesia/Gótico Peso morto 0 1.957 11/16/2016 - 23:36 Português
Poesia/Desilusão Learn to live alone 0 3.411 11/12/2016 - 11:23 inglês
Poesia/Meditação Torta 0 1.520 11/10/2016 - 16:23 Português
Poesia/Gótico O coração dilacerado 0 2.072 11/07/2016 - 15:48 Português
Poesia/Fantasia O presente 0 1.652 11/07/2016 - 15:45 Português
Poesia/Amor Ready to love 0 2.443 10/27/2016 - 21:42 inglês
Poesia/Amor Laços 0 1.942 10/27/2016 - 21:38 Português
Poesia/Fantasia Esta loucura 0 2.812 10/26/2016 - 16:18 Português