CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ave César!

Eras simples até o dia em que cheguei
Incapaz de respirar
As náuseas brandas amortecidas
Das lástimas incongruentes

Nada de vida quando espinhos nascem
Nada de morte quando temos ao nosso lado o sofrimento

Luzes que movimentam letreiros
Focos que persuadem

Um fim é certo
Com beirais escondidos
E cercas que machucam genitálias

Derrotas dos colossais
Santos apodrecidos

Cantamos as cigarras nos verões abarrotados
Cantamos com solavancos os mistérios impossíveis

Dá de entupir todos os vasos com amoras pequeninas
Dá de assoprar nas páginas e obter todas as musas do mundo.
Só resta uma despedida untada ao belo estorninho
Em lagos horizontais com cotovelos confusos.

Terás todas as fibras amarradas em carne
Todos os nervos a enfeitiçar damas e rapazes
Com amantes eternos do vinho escorrido nos lábios
A amalgamar cidras nas belas roças

Bludéias coadas orvalhadas em manhãs à toa
Em pianos das horas cavalgadas
Cavalices do outro lado
Daquela porta batida
Onde todas as formas de trancas
Firmam o que se esquiva
Em louvores

Submited by

terça-feira, maio 29, 2012 - 18:54

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 36 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Duas paredes 0 657 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sede dos corpos 0 799 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O lixo da boca 0 755 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Virgem metal 0 974 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Carne de pedra 0 667 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fim avarandado 0 894 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Dentro do espelho 0 701 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Um destroçado sorriso 0 675 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Anestésico da alma 0 1.321 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fita laranja 0 872 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Caro insano tonto monstro 0 347 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Assaz lágrima ao soluço 0 433 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sítio da memória 0 803 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Aeronave de Tróia 0 927 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Barro frio 0 861 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Lutolento 0 793 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Não 0 579 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Da vida não se fala... 0 514 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Jesuficado 0 645 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O carisma do louco 0 788 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O sonho é a visão do cego 0 645 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Manhã infeliz 0 873 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O veneno da flor 0 430 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Olhos 0 802 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Silêncio esdrúxulo 0 699 11/19/2010 - 19:08 Português