CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

hoje morri

Hoje morri
Enquanto a luz da manhã, me percorria, devagar.
A onda imensa, inesperada
Que só eu não vi chegar.
Castelo de areia, ruína desfeita,
A mais bela ilusão.

Resquícios de mim.
Restos mortais de mim…

Foste a estátua perfeita.
Areia, por entre os meus dedos
Derrotados.
Quis juntar-te as cinzas. Reconstruir-te.
Salvar-te do tornado que nos devastou.

Estrela cadente.
Estrela extinta nos meus olhos.

A distancia segura que de mim te levou.
A bala perdida, que não pudeste evitar.
(É o teu nome que eu chamo, a tua voz que me embala…
É a ti que não espero, nem vou procurar).

No fundo do abismo, despedaçada
Alma sepultada, sem nada a perder.
Sou gruta encerrada,
Até que os meus olhos
Aprendam a ver na escuridão – de não te ver.

Meu amor em pedaços, (se ainda sinto os teus braços…)
Deserto de ti, para em mim me perder…

Que as lágrimas do tempo, lavem de nós o infinito.

Amanheceu.
E o Sol brilhou mais, porque ias chegar…
(indiferente a esta dor, continua a brilhar)
Mas tu não estas aqui.
E não vais voltar.
Nosso karma quebrado, para sempre a sangrar
Pelo que não vivemos,
Tudo o que ficou, tudo o que perdemos.

Que o nosso amor mutilado, escorra em silêncio
Pelas paredes da muralha do meu ser inanimado.
Caminho irreversível, destino adiado.

Rasgaste hoje a minha vida – páginas da tua vida.
Apocalipse de sonhos, cinzas, solidão.
Meu herói inventado, príncipe encantado, amor de perdição.
Sepulta-me agora, no último capítulo.
Que o meu fantasma transparente
Te abrace todas as noites
E não te deixe esquecer…

Abandonaste-te à sorte,
Para não naufragar.
Desistes de mim. Desistes de ti.
Salvaste-me a vida – eterna condenação
A uma existência vazia.

Livre da maldição que a esperança se tornou,
A memória assassina, é o último beijo de dois condenados.

O tempo não passou…
…ficou parado, o tempo.
E o dia amanhece,
E a vida acontece,
Ninguém se apercebe, de que o mundo acabou.

Hoje foi o dia em que o Sol se apagou.

Submited by

domingo, fevereiro 15, 2009 - 21:02

Poesia :

No votes yet

JillyFall

imagem de JillyFall
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 31 semanas 8 horas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 874

Comentários

imagem de Henrique

Re: hoje morri

Um poema bem escrito, gostei!!! :-)

imagem de Conchinha

Re: hoje morri

Todos os dias o sol se apaga
e todos os dias renasce.

Os poemas ficam.

bjs

imagem de Anonymous

Re: hoje morri P/Jilly

"hoje morri"...

Vives e como vives na ascese das tuas palavras...

Hoje o sol quebra-se em ti..

beijo

imagem de Anonymous

Re: hoje morri

Há dias assim, acordamos num dia em que o sol não acorda, um mar de trevas se estende no horizonte do nosso olhar e o mundo parece acabar.
mas há lamber as feridas,nascer de novo. Ninguém nasce sem dor e por muito que nos doa o sol continua a brilhar, o mundo a girar...só temos que aproveitar.
um dia de cada vez parece-me bem...a ti não?

Beijo

imagem de Anonymous

Re: hoje morri

"É difícil amar aqueles que não estimamos, mas é mais difícil ainda amar aqueles que estimamos mais do que a nós mesmos."
(François de La Rochefoucauld)
“O tempo não passou…
…ficou parado, o tempo.
E o dia amanhece,
E a vida acontece,
Ninguém se apercebe, de que o mundo acabou.

Hoje foi o dia em que o Sol se apagou. “

O Sol nunca se apaga, simplesmente, descansa algum tempo para no dia que vem a seguir iluminar os caminhos com mais intensidade...e quando descansa existe a Lua, brilhante, dando ao ser o seu luar. Tristemente belo este poema.Abraços

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of JillyFall

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação manha 2 230 02/26/2010 - 12:04 Português
Poesia/Desilusão o ultimo baile 7 591 02/26/2010 - 11:57 Português
Poesia/Tristeza pária 4 312 02/26/2010 - 11:52 Português
Poesia/Desilusão nao-historia 4 317 02/26/2010 - 11:46 Português
Poesia/Fantasia é o eterno segredo 2 452 02/26/2010 - 00:21 Português
Poesia/Tristeza prisioneira 5 437 02/26/2010 - 00:00 Português
Poesia/Tristeza a minha casa 3 446 02/26/2010 - 00:00 Português
Poesia/Paixão nao sei 4 284 02/24/2010 - 22:24 Português
Poesia/Meditação a minha existencia 3 295 02/24/2010 - 22:23 Português
Poesia/Tristeza vazio 4 355 02/24/2010 - 22:22 Português
Poesia/Desilusão sol 3 380 02/24/2010 - 22:22 Português
Poesia/Tristeza folhas soltas 2 434 02/24/2010 - 21:35 Português
Poesia/Desilusão sonho perdido 2 287 02/24/2010 - 20:32 Português
Poesia/Fantasia Astrológica 1 317 02/24/2010 - 03:41 Português
Poesia/Tristeza sombras 2 470 02/21/2010 - 14:16 Português
Poesia/Fantasia saudade 4 491 12/08/2008 - 23:57 Português
Poesia/Amor procuro 5 285 11/17/2008 - 00:04 Português
Poesia/Tristeza I madrugada 6 471 06/12/2008 - 13:35 Português
Poesia/Tristeza III madrugada 2 306 06/10/2008 - 18:59 Português
Poesia/Tristeza II madrugada 3 403 06/10/2008 - 13:07 Português
Poesia/Fantasia Do outro lado do espelho 6 559 06/05/2008 - 19:49 Português
Poesia/Tristeza recortes 2 310 05/21/2008 - 00:37 Português
Poesia/Fantasia é o eterno segredo 2 424 05/15/2008 - 22:03 Português
Poesia/Gótico madrugada 2 503 05/15/2008 - 13:19 Português
Poesia/Desilusão espaço intermédio 1 685 05/15/2008 - 03:18 Português