CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um homem de valor!

Alfredo um homem de 30 anos de idade, casado e dono de uma mercearia localizada num bairro de classe média, vivia uma vida muito atribulada, com muita dificuldade ele conseguia completar todas as obrigações do dia a dia!
Todas as manhãs ele abria a mercearia, atendia os clientes, arrumava as prateleiras e ia ao banco fazer os depósitos do dinheiro arrecadado.

Não tinha empregados e por causa disto a vida dele era realmente muito atribulada!

Um dia Alfredo estava abrindo a mercearia quando um moço chegou e disse:
-Eu estou desempregado, tenho dois filhos para criar e nós estamos passando dificuldades.
-Estou vendendo estes panos de pratos que foram confeccionados pela minha esposa, aceita dar uma olhadinha?
-E se o senhor gostar eu posso até deixá-los em consignação, isto me ajudaria muito nesta hora em que eu estou passando tanta necessidade!
Alfredo simplesmente balançou a cabeça dizendo um não e voltou para a sua vida sobrecarregada, foi cuidar dos seus próprios negócios!
Afinal ele era um comerciante bem sucedido e não precisava acrescentar mais mercadorias no seu estoque. Panos de pratos para ele não interessava de jeito nenhum!

E todos os dias o rapaz dos panos de pratos estava naquela rua perto da mercearia de Alfredo e para as pessoas que caminhavam na rua ele também oferecia os panos de pratos decorados!

Por causa disto Alfredo começou a ficar incomodado, porque frequentemente a mesma situação se repetia :
A pergunta do moço para Alfredo era sempre a mesma.
-Moço compra um  pano de prato para me ajudar?
E todas às vezes Alfredo franzia a testa e balançava a cabeça negando e demonstrando repulsa!

Num dia chuvoso, Alfredo ficou observando o moço de longe, notou que ele por um dia inteiro não havia vendido sequer um único pano de prato!
No fim da tarde o moço estava sentado na calçada, com o olhar triste e distante! Nem se importava com a chuva fina que caia sobre o seu rosto, os pingos estavam se misturando com as lágrimas de um dia perdido!

Alfredo sorriu pensando:
-Agora ele desiste e vai procurar outro local para resolver a sua vida! Eu só quero trabalhar em paz!

Quem sabe no outro dia Alfredo não teria mais que conviver com aquela presença inoportuna?
E finalmente estaria liberto daquele moço que tanto o incomodava e teimava em lhe vender panos de prato!

No mesmo dia, quando Alfredo se preparava para fechar o seu estabelecimento, pois já estava anoitecendo e as ruas estavam ficando desertas, foi surpreendido por dois elementos encapuzados que lhe deram voz de assalto!
Naquele momento Alfredo viu um filme passando na sua cabeça, pensou na esposa, nos filhos, na infância e ficou rezando e torcendo para que aquele pesadelo acabasse logo!
Porém aqueles bandidos eram agressivos e um deles deu uma coronhada na cabeça de Alfredo que desmaiou!

Alfredo só abriu os olhos no hospital, a cabeça estava toda enfaixada, os filhos e a esposa a sua volta, todos chorando e ao mesmo tempo sorrindo, ele havia ficado em coma por uma semana!
Percebeu então a gravidade do acontecido!

A esposa de Alfredo começou a relatar o que realmente ocorreu:

Disse que a desgraça não tinha sido maior, graças a um moço que vendia panos de pratos na rua da mercearia. No momento trágico ele utilizou um orelhão e acionou a policia!
Os bandidos fugiram sem levar nada e Alfredo foi rapidamente socorrido; naquele instante ele estava correndo risco de vida e aquele telefonema do moço foi crucial para que ele sobrevivesse!

Depois de algumas semanas de repouso e com a saúde restabelecida, Alfredo abriu a mercearia, colocou alguns dispositivos de segurança no estabelecimento e depois de tudo isto ficou mais precavido!
Porém algo diferente ele notou. Onde estava o moço dos panos de pratos?
Todos os dias Alfredo aguardava impacientemente por ele, queria pedir desculpa e agradecer a ajuda, estava envergonhado das vezes que havia tratado o moço com tanto desprezo!
Dias se passaram e o vendedor de panos de pratos nunca mais apareceu!

Numa manhã, a esposa de Alfredo falou algo que o deixou pensativo:
-Alfredo eu me esqueci de lhe dar isto!

E colocou nas mãos de Alfredo um pano de prato sujo de barro!

E a mulher continuou falando:

-Naquele dia da tragédia o vendedor deixou cair. Deve ter perdido na hora em que correu para um orelhão para acionar a polícia! Se por acaso ele aparecer devolva este pano de prato para o moço, é o ganha pão dele! Um trabalho muito bonito!  Amor veja a frase que está pintada no pano!

E Alfredo abriu o pano de prato e ali estava escrito:
“Não tentes ser bem sucedido, tenta antes ser um homem de valor.”
Albert Einstein

A esposa de Alfredo não entendeu porque o marido naquele momento começou a chorar.
E nem mesmo compreendeu porque ele pendurou aquele pano de prato sujo, aberto na parede do estabelecimento e nunca mais o tirou dali!
Ironia do destino, aquela frase no pano de prato parecia que havia sido preparada de propósito para ele!
Alfredo se achava um homem bem sucedido e por isto acabou esquecendo de outros valores, como o de praticar o bem ao próximo! E justo aquele moço que ele havia desprezado tanto, foi a pessoa que salvou a sua vida!

Alfredo sabia muito bem que era tarde demais para pedir desculpas e dizer um muito obrigado!
Não haveria mais nenhuma oportunidade para isto!

As marcas de barro e aquela frase escrita naquele pano, até hoje  fazem Alfredo se lembrar de que um dia havia conhecido um homem de valor!
E este homem nunca mais voltou!

Janete Sales (Dany)

Submited by

sábado, julho 21, 2012 - 17:11

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Dany May

imagem de Dany May
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 2 dias
Membro desde: 11/01/2011
Conteúdos:
Pontos: 1271

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Dany May

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos É DIFÍCIL SER INTEIRO! 3 2.083 02/27/2018 - 10:36 Português
Poesia/Amor Quero fazer amor 2 3.213 06/29/2014 - 13:18 Português
Poesia/Acrósticos Filhos do vento 2 1.726 06/22/2014 - 18:03 Português
Poesia/Alegria Para que serve a vida? 2 1.897 06/22/2014 - 18:00 Português
Poesia/Dedicado A liberdade de ser um cigano 0 2.780 03/17/2014 - 01:12 Português
Poesia/Meditação Oh minha Santa Sara, o meu olhar está fixo no teu altar 0 4.569 03/17/2014 - 01:03 Português
Poesia/Acrósticos Santa Sara Kali - Acróstico 0 4.092 03/17/2014 - 00:51 Português
Poesia/Desilusão Sonhadora 0 2.078 02/23/2014 - 12:30 Português
Poesia/Amor Sonho ser uma ventania e não sou 0 1.320 02/23/2014 - 12:16 Português
Poesia/Dedicado Eu fito as estrelas de perto! 0 2.409 10/07/2013 - 13:54 Português
Poesia/Dedicado Minha Mãe Meu Anjo 0 4.183 08/12/2013 - 10:23 Português
Poesia/Meditação ASAS DA IMAGINAÇÃO 2 1.393 08/12/2013 - 09:48 Português
Poesia/Dedicado O Povo Cigano merece o nosso respeito! By Janete Sales Dany 0 2.160 04/07/2013 - 18:20 Português
Poesia/Pensamentos A maioria das derrotas somos nós quem fabricamos... 0 1.381 03/16/2013 - 11:29 Português
Poesia/Fantasia Poesia, a Fusão do Princípio e do Fim! 2 1.723 02/20/2013 - 22:48 Português
Poesia/Amor Você é o melhor cobertor quando estou nua. 2 1.805 02/20/2013 - 22:45 Português
Poesia/Tristeza Poesia do adeus para sempre! 0 2.829 12/04/2012 - 14:17 Português
Poesia/Acrósticos O amor cura tudo! 0 2.790 12/04/2012 - 14:02 Português
Poesia/Acrósticos Respeito pelo irmão! 0 2.119 12/04/2012 - 13:36 Português
Poesia/Meditação Não morra no deserto! 2 1.874 12/04/2012 - 12:29 Português
Poesia/Acrósticos Minha vida sem amor! 4 1.800 12/04/2012 - 12:18 Português
Poesia/Amor Quem sabe você está lá? 2 1.537 11/30/2012 - 23:00 Português
Poesia/Tristeza Um conflito sem solução! - Gazal 0 1.789 11/20/2012 - 11:43 Português
Poesia/Meditação O homem triste sorriu! 0 3.538 11/08/2012 - 15:10 Português
Videos/Poesia O homem triste sorriu e um sorriso ao se abrir...By Janete Sales - Dany 0 3.069 11/08/2012 - 14:58 Português